Por: Carlos José F. Santos – Casé

(Prof. Dr. da Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC)

 

“Tribunal Federal cassa liminar que autorizava o despejo dos índios da aleia Pyelito Kue e determina que eles permaneçam na área até que sejam concluídos os estudos etnológicos” (Carta Maior – Direitos Humanos).

Entretanto, como bem expressou o Líder Guarani Kaiowá – Ricardo Otoniel, após a decisão do Tribunal Federal: “estou feliz, mas feliz pela metade. Há várias outras aldeias vivendo este mesmo drama”.

Aliás, vale perguntar: porque estes estudos etnológicos já não foram feitos? Onde está a FUNAI? Não tem verba e nem corpo técnico qualificado para isto? Em outras palavras: o próprio governo não possibilita os estudos etnológicos para o futuro reconhecimento territorial e depois cobra a existência dos mesmos para realizar a demarcação territorial. Contradição ou má fé?

Pensamos até que nem de estudos etnológicos é preciso. Vale sempre lembrar que todo o território dito como nacional era indígena. Os índios tem o direito ao auto reconhecimento étnico e territorial. Quem deve dizer quem é índio e qual o seu território são os próprios indígenas.

Lembramos então do jurista João Mendes Júnior, que já no início do século passado (1912) ao discutir o Alvará Régio de 1680 e a lei de Terras de 1850, fez a seguinte reflexão, sistematizando conceitos de defesa aos índios em relação às suas terras. Ao mesmo tempo, lendo as palavras do jurista, ponderamos o quanto a ação do estado brasileiro serviu historicamente para legitimar algo que caricia de legitimação: a ocupação de terras indígenas por não índios.

Segundo João Mendes Júnior:

“[…] a ocupação, como título de aquisição, só pode ter objeto as coisas que nunca tiveram dono, ou que foram abandonadas por seu antigo dono.  A ocupação é uma apprehensio rei nullis ou rei derelictoe…; ora, as terras de índios congenitamente apropriadas, não podem ser consideradas nem como res nullis nem como res derelictoe; por outra, não se concebe que os índios tivessem adquirido, por simples ocupação aquilo que lhes é congênito e primário de sorte que, relativamente aos índios  estabelecidos, não há  uma simples posse, há um título imediato de domínio;  não  portanto, posse a legitimar, há domínio a reconhecer  e direito originário e preliminarmente reservado… o indigenato  não é um fato dependente  de legitimação, ao passo que a ocupação, como fato posterior, depende de requisitos que a legitimem” (MENDES JUNIOR, João (1912) In: RIOS, Aurelio Veiga. Terras indígenas no Brasil: definição, reconhecimento e novas formas de aquisição. Disponível Online).

Para que então depender do estado brasileiro, de seus órgãos e justiça no sentido do reconhecimento étnico e territorial? Como explica Mendes Junior: “há um título imediato de domínio (…) há domínio a reconhecer e direito originário e preliminarmente reservado”. Quem precisa de reconhecimento ou não são as ocupações realizadas pelos não índios.

Acreditamos que é necessário rever esta secular tutela do estado e de sua (in)justiça quando se trata de reconhecimento étnico e territorial. Uma tutela institucionalizada com a fundação do Serviço de Proteção aos Índios – SPI (1910), posterior FUNAI, e pela constituição brasileira de 1988 quando diz:

“Art. 22. Compete privativamente à União legislar sobre: XIV – populações indígenas” (Constituição de 1988)

Qual o direito que o estado brasileiro tem de “legislar sobre” os povos indígenas? A resposta já foi dada por Mendes Junior, mas vale repeti-la: “não se concebe que os índios tivessem adquirido, por simples ocupação aquilo que lhes é congênito e primário de sorte que, relativamente aos índios  estabelecidos, não há  uma simples posse, há um título imediato de domínio”.

No entanto, respondemos também em forma de canção guerreira:

“Devolvam nossas terras,

nossas terras nos pertencem.

“Nelas mataram nossos parentes”

(Música Guerreira Tupinambá)

Neste sentido, são extremamente importantes as palavras de  Ricardo Otoniel, após a decisão do Tribunal Federal: “estou feliz, mas feliz pela metade”.

Este é o estado e (in)justiça brasileira: parcial e morosa quando trata-se de direitos indígenas e da população pobre. Assim, também questionamos a famosa frase: “A justiça tarda, mas não falha”? Ora, a justiça tardando já está falhando.

Como analisou o procurador de Defesa dos Direitos do Cidadão e presidente do Grupo de Trabalho Guarani-Kaiowá do CDDPH, Eugênio Aragão (aliado dos povos indígenas): “A ação unilateral do estado brasileiro tem sido genocida porque atrai ódio, raiva e rancor da população não indígena para com a indígena. O não indígena tem que sair deste negócio satisfeito. Só assim as populações indígenas não serão mais alvo de rancor”.

Nesta direção, concordamos parcialmente com a presidenta da Funai, a antropóloga Marta Azevedo: “A mobilização da sociedade civil é absolutamente fundamental, porque o problema dos guaranis não é só de governança. Eles sofrem muito com a violência e o preconceito crônico”. Azevedo só esqueceu de salientar que este é um problema que envolve a maioria dos povos indígenas deste país e da laitonamerica.

Por isto que a cada dia cresce entre os povos originários (brasileiros e da latinoamericanos) o sentimento de não mais se declararem brasileiros, argentinos, chilenos, mexicanos etc. Fortalece, isto sim, o sentimento de se declararem como povos originários que convivem com o autoritarismo de estados e (in)justiças de não índios.

Assim, vale a sabedoria indígena expressa pelo Cacique da Aldeia Pyelito Kue, Lide Solano Lopes, quando chama a atenção ao dizer que, apesar desta vitória parcial contra o estado e a (in)justiça brasileira: “Vamos lutar até o nosso último guerreiro. Não vamos nos matar ou matar uns aos outros. Mas estamos dispostos a morrer pela nossa terra”.

Apoiamos totalmente as palavras do Cacique Lide Solano Lopes e cantamos:

“Senhor presidente

Devolva nossas terras

Oh, devolva nossas terras

Porque estamos em pé de guerra”

(Música Guerreira Tupinambá)

 

AWERE!

MEUS PARENTES!

Firmes e fortes na luta …

 

OBS: maiores informações leiam matéria da Carta Capital – Direitos Humanos: “Guaranis-kaiowá comemoram suspensão do despejo, mas cobram demarcação definitiva”

http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=21176&alterarHomeAtual=

 

 

Comentários via Facebook

1 COMENTÁRIO

  1. olá, meu nome é giovanna tenho 11 anos mora em guarulhos-sp e estou no 6 ano do fundamental gostaria de informar a vcs indios que nos estamos apoiando vcs o brasil é de todos e estamos fazendo uma campanha contra o governo temos uma pagina no facebook: colegio jubilo 6 ano kaiowa, se tiver algo para nos falar, por favor entre em contato pelo meu email.
    atenciosamente giovanna polycarpo!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here