Desde a colonização desse pais que hoje é chamado de Brasil, já se passaram 509 anos, e desde então os povos indígenas do Nordeste, passaram por vários conflitos e confrontos. E após a colonização, veio à igreja católica depois os coronéis do Sertão, o cangaço não foi uma época muito boa e para acabar veio os grileiros de terras indígenas. Assim muitos costumes, foram se perdendo como, por exemplo, a língua e com tanto contato com a sociedade não indígena a miscigenação foi inevitável.
E com isso muito dos traços indígenas foram sendo perdidos, e o mito que no Nordeste Brasileiro não existia mais povos indígenas, foi espalhados para o Brasil inteiro. Mas mesmo assim, apesar de tudo isso os povos indígenas do Nordeste, preservam uma cultura viva e resistente, que são passadas de pai para filho, isso a varias gerações.

Permanecendo então, a alma de guerreiros com uma cultura própria e diferenciada, formando então nações indígenas fortes, apesar de todas as dificuldades encontradas ao longo dos tempos. E um exemplo disso é o povo Pankararu, do Sertão Submédio São Francisco – PE, que até os dias de hoje apresenta sua cultura através de suas manifestações como a iniciação de seus jovens através do ritual do Menino do Rancho, a Corrida do Imbu que se torna um ritual de purificação por conta do cansanção (tipo de urtiga), entre outras mais de segredo ao publico não indígena.

E isso prova que o indígena, tem sim como conviver e adquirir novos conhecimentos não indígenas, e não deixar de serem guerreiros, de ter uma cultura própria e diferenciada e de serem indígenas.
Assim mostrar para o mundo, que os indígenas tanto no Nordeste como de outros cantos do Brasil, não são mais seres exóticos e sim homens e mulheres inteligentes e pensantes, como sempre foram, que ainda caça, pesca e praticam seus rituais, mas que também ocupam seus espaços na sociedade como qualquer outra pessoa.
Assista trechos do ritual Pankararu do menino do Rancho…

Imagem de Amostra do You Tube

Alex Pankararu
alex@indiosonline.org.br

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Meus amigos, sim porquè eu me sinto seu amigo, tambem se nunca falamos eu me sinto seu amigo. eu sòu da terra tambem de um lugar bem longe da sua aldeia mas nascì e moro na mesma terra. Eu quero ver participantes de todas as etnias dançar junto cantar junto participar ao desenvolvimento do site indiosonline pois este site se chama Indiosonline e nào Pankararuonline. parabems amigos Pankararu voçèis sào cheios de iniciativas de ideias e creatividade, parabems aos musicos!! eu sòu italiano e estò aprendendo muito da cultura de voçèis, muito sobre a vida. Entào è esse daquì o cerimonial do Torè? muito interessante mesmo. parabems amigos!!!

  2. Parabéns pela matéria Alex , sempre se superando !!! Esta reportagem é um convite a conhecer a cultura Pankararú e de tantos outros povos indígenas do nordeste , que ainda guardam muito da sua história . Vc sintetizou toda beleza e riqueza da cultura indigena neste seu texto , além de reforçar conceitos atuais que muitas pessoas ainda desconhecem. Parabéns , ficou excelenete !!!!

  3. Alex, parabéns. A matéria está muito boa e as imagens encantadoras. Trabalhos como este teu tornam visíveis a força e a beleza da cultura Pankararu. Além disso, é importante desmascarar as falsas informações e mostrar como o que se considerou extinto, na verdade, está muito vivo e ativo.
    Parabéns.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here