No dia 11 de Novembro, os Kiriri comemoram a reconquista do território de Mirandela, uma festa que já é tradição em toda região da Bahia, nesse dia a comunidade recebe a visita de vários turistas, representantes do poder público e de muitos parentes indígenas de várias aldeias do Brasil.O   padroeiro da comunidade indígena Kiriri é Nosso Senhor da Ascenção, os Kiriri tem como um dos seus maiores feitos históricos a participação na Guerra de Canudos, e devido a sua obediência e amor aos costumes os Kiriri conquistaram o respeito e a confiança do povo brasileiro, a demarcação e homologação de suas terras, o direito a uma educação diferenciada dentre outras.

DSC01810Hoje, a pesar de estarem sempre enfrentando desafios, os Kiriri estão buscando se organizar mais, para que possam assegurar seus direitos enquanto índios e cidadãos brasileiros que cumprem com seus deveres.Saõ muitos desafios, mas o que chama mais atenção nesse povo é a vontade de estar nos espaços onde as políticas voltadas para os povos indígenas estão sendo debatidas, ou seja, são quietos mas nunca alienados, são indígenas que estão sempre em busca do conhecimento.

Os fatos que mais marcaram a história do povo Kiriri pode ser dividido nos  seguintes anos:

1979 – Organização de uma roça comunitária na Baixa da Catuaba, situada ao sul do Território indígena, na estrada que liga o povoado de Mirandela ao município de Ribeira do Pombal, caracterizada por forte incidência de ocupações de regionais.

1981 – Demarcação da Terra Indígena Kiriri, com 12.320 ha.
DSC01816
1982 – Ocupação da Picos, localizada no núcleo Lagoa Grande, maior fazenda no interior do território kiriri, tida por posseiros e fazendeiros como baluarte na ocupação das terras indígenas. Seu pretenso proprietário, Artur Miranda, era apoiado por políticos da região e considerado pelos índios como o seu mais crucial inimigo.

1985 – Ocupação de uma fazenda de 700 ha. no núcleo Baixa da Cangalha.

1986 – Os Kiriri interditam importante estrada de acesso de Mirandela ao povoado de Marcação, retirando todas as posses e roças de regionais ali localizadas.

1987 – A FUNAI indeniza e o INCRA reassenta 37 famílias de não-índios incidentes no território kiriri, nas fazendas Taboa e Serrinha, situadas no município de Quijingue.

1989 – 85% do território kiriri passa a compor o município de Banzaê, desmembrado de Ribeira do Pombal, em uma manobra política com o intento de “livrar” esse último município da presença indígena. Mirandela havia sido estrategicamente escolhida como sede do novo município. Todavia, mediante injunções na Assembléia Legislativa, em Salvador, os Kiriri conseguem obstar que a nova sede se situe nos limites da Terra Indígena.
DSC01803
1989 – Cerca de 50 famílias kiriri acampam nas cercanias de Mirandela, após terem suas moradias parcialmente destruídas por uma enchente. Mantêm-se permanentemente no local que se constituía, até 1995, em um núcleo de resistência e pressão frente aos não-índios então ocupantes de Mirandela.

1990 – A Terra Indígena Kiriri tem a sua demarcação administrativa homologada através do Decreto nº 98.828, de 15 de janeiro, sendo posteriormente realizada a regularização imobiliária – Reg. CI mat. 2969, livro 2m, f. 83, em 23 de março daquele mesmo ano.

1991 – A FUNAI indeniza algumas casas habitadas por não-índios em Mirandela e famílias kiriri as ocupam.

1995 – Os Kiriri ocupam Mirandela, retirando todos os não-índios ali incidentes.
DSC01826
1996 – Os Kiriri ocupam o povoado Gado Velhaco, situado a 2,5 Km de Mirandela.

1997 -Os não-indios desocupam o povoado Baixa da Cangalha.

1998 – Os Kiriri ocupam os povoados de Marcação, Araçá, Segredo e Pau Ferro, retirando as últimas famílias de não-índios residentes na Terra Indígena.

“Que em 2010, novas conquistas venha a ocorrer para esse povo que com muita força e humildade consequiram preservar seu  maior patrimônio que é a sua cultura.Que Tupã os acompanhe sempre!!!!”

Jandair – Tuxá.

jandairribeiro@hotmail.com

(75)88076332.

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

14 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns Jandair, estou gostando de ver os Kiriri mostrando a sua cultura!as suas lutas, conquistas e suas vitórias!
    Um grande abraço meu parente!

  2. Esclarecimento: a cronologia contida na matéria, pertençe ao texto:
    “POVO INDÍGENA KIRIRI: EMERGÊNCIA ÉTNICA, CONQUISTA TERRITORIAL E
    FACCIONALISMO”,

    da antropóloga Sheila dos Santos Brasileiro.

    O artigo está publicado no livro:

    Viagem da Volta: Etnicidade, Política e Reelaboração Cultural no
    Nordeste Indígena.

    organizado por: Oliveira, João Pacheco de.

    publicado pela:

    Editora CONTRACAPA
    2º Edição – 2004 360 pág.
    ISBN : 8586011800
    ISBN 13: 9788586011801

    Jandair -Tuxá.

  3. Gostaria de solicitar a mudança do título dessa matéria, muito rica por sinal, tendo em vista que Banzaê foi emancipado desde o ano de 1989 e portanto os Povos Kiriri não pertencem ao município de Ribeira do Pombal e sim de Banzaê.

    Certa de contr com vossa atenção, agradeço desde já o espaço e a oportunidade.

    forte abraço,

    Ângela
    Chefe de gabinete da Prefeita de Banzaê.

  4. Matéria interessante, mas acho interessante também que se resgate a trajetória das pessoas que foram desapropriadas para que as terras fossem devolvidas aos indios. Sugiro que a reflexão sobre esta “conquista” seja feita a partir da avaliação de todas as partes. Não existe uma cultura mais rica ou mais merecedora de preservação.
    A propósito, a comunidade Mirandelense desapropriada se organizou num bairro em Ribeira do Pombal, de maneira espontânea e em torno de um objetivo comum: não deixar morrer seus costumes e cultura. Sem nenhum recurso público, eles construiram a Capela do Senhor da Ascenção e anualmente realizam uma das festas mais belas da cidade. O Barrio é notadamente organizado em torno da esperança de que o saber da Mirandela, embora tenha mudado de endereço, perpetue-se diferenciadamente através de seus descendentes.

  5. muito bom esse conentario alessandra,eu tambem concordo que os indios kiriris tenham suas terras de volta,mas tambem gostaria que os mesmos artistas,os mesmos jornalistas ,os intelectuais que apoiam os indios ate hoje,nao esquecerem que aquela naçao tambem tinham seus costumes sua religiosidade

  6. A HISTÓRIA DOS ÍNDIOS KIRIRI É UMA CULTURA, POIS ELES NÃO PERDERAM.
    ABANDONARAM SUAS TERRAS PARA AS BUSCA DE MELHORES CONDIÇÕES DE UMA VIDA DIGNA. ESTÃO EM SEU TERRITORIO ONDE NASCERAM E SE CRIARAM A TERRA QUE ELES ABANDONARAM, HOJE ESTA HABITADA.
    UMA HISTORIA BONITA QUE ACRESENTA MAIS CULTURA PARA OS NORDESTINOS, ONDE
    APRENDEM A VALORIZAR A PERSONALIDADE.

    GRATO A COMPREENÇÃO.

  7. gostaria de saber porque minha mae sendo moradora da conhecida matinha e registrada na mirandela nao recebeu a indenizaçao mesmo tendo sua casa medida pela funai nome dela ela si chama ana julia macedo dos santos conhecida como mulhe de antonio cobrinha

  8. Kiriris de Tomar do Geru Sergipe, sua origem… para Banzaê na Bahia.
    PARABÉNS KIRIRIS PELAS CONQUISTAS!
    Dia 11/11 farei o mesmo destino quando da fuga daqui de Geru e assim visitareis a Festa!

  9. Bom dia Jandair, gostaria muito de levar meus alunos para conhecer o trabalho de voces. Minha filha me trouxe muitas fotos e falou muito bem da visita. Porém, não sei como conseguir contato para agendar visita e não consigo falar com o celular que aparece nesse site. Será que voce poderia me ajudar?? Tel.: (75)9231-9648

  10. Gostei muito dessa tribo.
    Ela é composta por pessoas muito gereiras.
    São simpáticas,alegres,inteligentes, e acima de tudo superam seus limites cada dia mas e mas.
    PARABÉNS POR SEREM O QUE SÃO HOJE!
    DEUS OS ABENSOE!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here