Toré são cantos sagrados que desenvolve nos índios o amor, a união e a força para sustentar sua cultura, envolvendo as artes da natureza, dos animais e plantas, o vento, a terra, o fogo e as águas. O Toré é puxado por um mestre de canto e os outros índios respondem, no momento necessitado. O Toré é celebração, um ritual de integração entre os sentimentos indígenas e a Mãe Natureza, buscando a conexão com a energia divina.

As danças são feitas em círculo, geralmente ao redor de uma fogueira que é a forma da oração coletiva, por momentos de mãos dadas e por outros soltos. O Toré é uma das formas básicas que mantém viva a cultura, como uma chama. Quando cantado as pessoas reavivam sua chama interior, unificando seus espíritos em um só. Une homens e mulheres, crianças e idosos, formando o equilíbrio de sustentação de um corpo coletivo: a tribo.

Os cantos são infinitos, estão sempre se criando novos, guiados pelas inspiração. A partir do som da Maraca os índios revivem seus ancestrais.

A Xanduca (cachimbo com tabaco), que é a forma de oração individual, solta as fumaças levando os agradecimentos e os pedidos.

Muitos Torés hoje são cantados em idioma nativo e também em português. Os índios foram proibidos de falar sua língua e para sobreviver deixaram de ensiná-la a seus filhos.

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

13 COMENTÁRIOS

  1. Desejo saber mais à respeito da crença sobre os espíritos de ancestrais etc. A força dos rituais, pois sou apaixonada pela magia e sei que os índios tem muito poder. Agradecida,
    Morbênia

  2. Parabéns pela realização do site,sou aluna de arqueologia e gostaria de mais informação sobre o Toré.Atualmente estou pagando a disciplina -história ìndigena e o mesmo muito me interessa para minha pesquisa(Kariri-Xocó).Agradeço desde já,abraços fraternos.

    Shirlene

  3. oi, Sebastian, sou eu sarapó de novo, por falar em toré tenho descobrido várias coisas a respeito desde que cheguei aqui no Rio, o toré é muito mais que uma danca, que um canto, que uma melodia, o toré é nossa identidade, nosso sangue. abcs. Sarapó wakonã xucuru kariri- AL

  4. Olá pessoal, as vezes duvidamos se certas coisas na net são veridicas ou não, mas este site é prova que ainda existem pessoas serias que tratam nossa cultura como ponto cuminante na forma de conhecimento da nossa origem. Sou estudante do Curso de Pedagogia Licenciatura Plena da Faculdade Pio Décimo no estado de Sergipe, e tive oportunidade de conhecer a tribo Kariri Xocó de perto e poder participar de suas danças e costumes. Foi um dia inesquecivel para mim e para os meus colegas de Curso.
    Continuem assim!!!

  5. Achei muito legal todas as informações.Devíamos aprender tudo isso, raiz, desde a infância. Vcs. poderiam informar aonde é lecionado o curso de voc~es sobre ervas aqui, em Pinheiros/SP?
    Gostaria muito de estudar com vcs.

    Obrigada,
    Monica

  6. Olá pessoal, se vcs não visitaram a aldeia dos xucurus em Pesqueira não pecam tempo pois vcs vão aprender muito com este povo,sua cultura , seus artesanados são belíssimos.

  7. OLA…SOU PROFESSORA DE ED FÍSICA EM UMA ESCOLA DE ZONA RURAL NO INTERIOR DO RIO DE JANEIRO. MINHA ESCOLA TRABALHA COM PROJETOS, ESSE MES O TEMA É SOBRE OS INDIOS BRASILEIROS. ME RECUSO A SIMPLISMENTE PINTAR O ROSTO DE MEUS ALUNOS E DANÇAR A MÚSICA DA XUXA. QUERO MAIS Q ISSO.
    FIQUEI RESPONSÁVEL PELAS DANÇAS, MAS GOSTARIA DE ALGO Q FOSSE REALMENTE RICO CULTURALMENTE E QUE EXPRESSASSE A RIQUEZA DO POVO INDÍGENA…MAS NÃO SEI POR ONDE COMEÇAR.
    GOSTARIA DE OBTER AJUDA, ATRAVÉS DE SUGESTÕES.
    DESDE JÁ, AGRADEÇO…
    BJOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here