queremos dar grito de paz em nossa terra é acabar com a violência na aldeia .
semana passada foi índio carbonizado tento do carro , que comunidade pataxó ficou xocado
pela tanto coerdade com parente pedro civil santo de 43 ano.

queremos justiça é paz na nosso aldeia chega de tanta violência é morte.
cade funai para faz uma limpeza geral desses branco em nossa terra ,tira este gado de
aluguel!
cade direto o humanos para ver esta morte que dever com parente pedro !
cade governo com projeto novo, agricultura , para meio ambiente e para jovens desenvolver cultura!
https://i2.wp.com/sphotos-f.ak.fbcdn.net/hphotos-ak-frc1/1003960_499308833474722_276742973_n.jpg?w=1068

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Parentes indígenas…

    Nossas puras e tristes realidades são essas de totais abandonos…

    Exitem FUNAI, Direitos (Des)Humanos e (des)governos mas muitxs e muitxs e muitxs de nós estamxs (em muitos casos) sozinhxs nessa luta se pensarmos em depender desses (des)órgãos. Sufocaram e continuam sufocando mais de mil e trezentas formas existenciais e coletividades de se viver com suas diferentes leis, cosmovisões, formas de se pensar e (re)existir, etc; para impor e nos travestir cotidianamente com a monocultura (cultura UM de europeização e cristianização) para cima de todxs nós. Quem propõe rasgar essa monocultura (seja qual for a sua forma) encontra medo/pânico inclusive lá onde falam mais ardentemente em defensa dos Povos Indígenas ou outras “minorias” (pois muitxs se beneficiam com as nossas mortes/confinamentos/drogadições/mendincâncias/prostituições/tráficos/descasos/fomes/misérias/faltas-de-fé/abandonos/lançamentos para os mais diversos abismos profundos das inexistências ou existências enquanto “serviçais ninguéns” para manutenção dos templos coloniais e todos os venenos e doenças trazidos e implantados por essa UMA-visão de mundo. Depois fazem eventos para discutir indígenas em conflito com a LEI (já se perguntaram qual lei?) Não existe apenas UMA LEI (colonial da monocultura) existem várias LEIS (dos coletivos indígenas) e todos os coletivos indígenas estão sendo e foram desconsiderados nas suas organizações. Aprendi em antropologia que não existem coletivos sem regras ou leis. Acontece que as nossas não são/foram consideradas por ninguém (ou por muito muito muito muito poucxs)…

    Esses acontecimentos são os efeitos perversos de tudo isso (e infelizmente continuarão ocorrendo) enquanto estivermos (des)educando por esse viés monocultural (e sujeitxs aos mais diversos tipos de colonialismos e indíferenças/descasos). Para muitxs esses são problemas até dos mortos – é mais fácil lançar para eles (Marques de Pombal, Dom Pedro e toda a parafernália instalada aqui nos início da colonização…) e não mais das gerações e estão se beneficiando com as nossas desgraças e misérias…para justificar esses abandonos.

    É mais fácil xs extraterrestres perceberem as nossas existências e demandas que esses conjuntos de tentáculos silenciadores de nossas vozes nos perceberem e enxergarem isso. Se matam uma pessoa Pataxó estão continuando a matar também todas os Povos/Etnias (e nessa (des)educação os próprios Povos Indígenas cegadxs/travestilizadxs monoculturalmente contribuem para isso…

    Gritemos com todas as nossas forças: RETIREM AS NOSSAS VIDAS MAS NUNCA OS NOSSOS SONHOS…(não nos contentemos com existências zumbis/mortíferas/patéticas e animalescas) preocupadas apenas em subviver façamos as nossas artes para perceberem a há muito mais dos que enumeram e gostam de dizer por aí… lembrem o maior pânico dessas gentes é ocuparmos os espaços onde elxs esbravejam que não existimos…

  2. Nossas puras e tristes realidades são essas de totais abandonos…

    Exitem FUNAI, Direitos (Des)Humanos e (des)governos mas muitxs e muitxs e muitxs de nós estamxs (em muitos casos) sozinhxs nessa luta se pensarmos em depender desses (des)órgãos. Sufocaram e continuam sufocando mais de mil e trezentas formas existenciais e coletividades de se viver com suas diferentes leis, cosmovisões, formas de se pensar e (re)existir, etc; para impor e nos travestir cotidianamente com a monocultura (cultura UM de europeização e cristianização) para cima de todxs nós. Quem propõe rasgar essa monocultura (seja qual for a sua forma) encontra medo/pânico inclusive lá onde falam mais ardentemente em defensa dos Povos Indígenas ou outras “minorias” (pois muitxs se beneficiam com as nossas mortes/confinamentos/drogadições/mendincâncias/prostituições/tráficos/descasos/fomes/misérias/faltas-de-fé/abandonos/lançamentos para os mais diversos abismos profundos das inexistências ou existências enquanto “serviçais ninguéns” para manutenção dos templos coloniais e todos os venenos e doenças trazidos e implantados por essa UMA-visão de mundo. Depois fazem eventos para discutir indígenas em conflito com a LEI (já se perguntaram qual lei?) Não existe apenas UMA LEI (colonial da monocultura) existem várias LEIS (dos coletivos indígenas) e todos os coletivos indígenas estão sendo e foram desconsiderados nas suas organizações. Aprendi em antropologia que não existem coletivos sem regras ou leis. Acontece que as nossas não são/foram consideradas por ninguém (ou por muito muito muito muito poucxs)…

    Esses acontecimentos são os efeitos perversos de tudo isso (e infelizmente continuarão ocorrendo) enquanto estivermos (des)educando por esse viés monocultural (e sujeitxs aos mais diversos tipos de colonialismos e indíferenças/descasos). Para muitxs esses são problemas até dos mortos – é mais fácil lançar para eles (Marques de Pombal, Dom Pedro e toda a parafernália instalada aqui nos início da colonização…) e não mais das gerações e estão se beneficiando com as nossas desgraças e misérias…para justificar esses abandonos.

    É mais fácil xs extraterrestres perceberem as nossas existências e demandas que esses conjuntos de tentáculos silenciadores de nossas vozes nos perceberem e enxergarem isso. Se matam uma pessoa Pataxó estão continuando a matar também todas os Povos/Etnias (e nessa (des)educação os próprios Povos Indígenas cegadxs/travestilizadxs monoculturalmente contribuem para isso…

    Gritemos com todas as nossas forças: RETIREM AS NOSSAS VIDAS MAS NUNCA OS NOSSOS SONHOS…(não nos contentemos com existências zumbis/mortíferas/patéticas e animalescas) preocupadas apenas em subviver façamos as nossas artes para perceberem a há muito mais dos que enumeram e gostam de dizer por aí… lembrem o maior pânico dessas gentes é ocuparmos os espaços onde elxs esbravejam que não existimos…

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here