Somos uma nação resistente ao massacre do homem branco, sou descendente de um povo que foi e esta sendo amargamente torturado pelo esse poder que oprime os mais fracos. Depois de muitas destruições com a nação indigena, quantas etnias foram extintas, vítimas da violência e do extermínio. Quantas lideranças indígenas foram tiradas a vida de forma desumana e covarde, por defender o seu povo. Quantas famílias indígenas se acabaram tentando fugir do perigo…Alem de tudo isso, ainda hoje o pouco de indigena que ainda restam estão sofrendo o massacre do próprio governo. Não temos uma saúde de boa qualidade, muitas crianças e idosos estão morrendo por falta de uma atenção básica de saúde. Existe a lei 9.836/99, que garante para o índio uma saúde diferenciada que atendam as necessidades das comunidades indígenas e isso não acontece, pois a lei só existe no papel. A cada dia que passa a nossa situação fica pior, e não estamos vendo a preocupação do governo em resolver este descaso. O órgão que se diz ser o tutor do índio (FUNAI), serve apenas para criar intrigas nas comunidades indígenas e não resolve a demarcação de nossas terras. É um órgão que não existe um a fiscalização dos recursos que vem para se trabalhar com os índios, despertando assim uma disputa acirrada de candidatos interessados a assumir a administração da FUNAI.

O que mim deixa triste é que o governo tem conhecimento e nada faz.

Fabio Titiá,índio Pataxó Hãhãhãe

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Boa noite parente!

    Não sabe o quanto as suas palavras me tocam. É realmente lastimavel ver o governo indiferente a situação dos povos indígenas, em especial neste momento a questão do seu povo. Tenho lido matérias sobre a situação de vocês e digo que estou contigo e vou em nossos momentos de oração lembra de vcs que são sangue do nosso sangue.
    E te digo parente:- tal situação é mais uma razão para a nossa luta de transformar a figura do índio nesta sociedade. Apartir de então, nós povos indígenas vamos historiar uns outros 500… LUZ DO NOSSO PAI TUPÃ. ( NITA TUXÀ)

  2. Oi gente boa daí!

    Trabalhamos cerca 20 anos no Brasil, entre outros projetos também 3 anos no interior da Bahia, Brotas de Macaúbas e Barra do Mendes. Conhecemos por perto a situacao do povo corajoso dessa regiao. Lutam contra a seca, contra a exploracao pelos grandes e resistem nesse sertao.
    Aprendemos com o povo pobre os valores da vida. Sabemos hoje que um dos maiores problemas que os pobres, tanto índios como também trabalhadores é essa política capitalista dos brancos. Nossos antepassados saíram da europa e tomaram vossas terras, exploraram vossas riquezas, mataram milhares de povos nativos no Brasil e nos Estados Unidos. Até hoje continua vossa luta pelo reconhecimento de soberania, pelo simples direito de viver como homem dessa terra. Aprendemos com vocés o que significa ser gente civilizado, gente que sabe repartir os bens sem explorar os outros. Estamos envergonhados pertencer a espécie de individuos que causam a morte de tantas pessoas humildes no mundo inteiro. Nunca aprendem dos brancos o egoismo, e a exploracao. Somos nós brancos que temos tanto de aprender de viver com os povos nativos. Vocés sabem viver com a natureza sem explora-la, cuidar dos animais e pássaros sem éximir-las, dividir os bens entre todos sem criar ricos e pobres. Só posso-lhes agradecer por tudo que tive a oportunidade de aprender com o povo da Bahia, do Acre e de Minas Gerais.
    Há treze anos voltamos para Austria com 4 filhos os quais nasceram no Brasil. Desde entao tentamos lutar aqui em favor do povo pobre, criamos o mercado justo no nosso município, meu marido trabalha na alianca pelo clima e apoio o povo indígena do alto Rio Negro. Ele viaja pelo país afora e dá palestras nas escolas e para politicos nos municipios de toda austria. Assim estamos tentando fazer algo contra essa politica de exploracao. O capitalismo e neoliberalismo faz com que tanta gente nao tem direito de viver. Aqui as pessoas vivem no luxo materialista mas sao muito pobres em ter amizade verdadeira, nosso jovens nem conhecem mais a palavra “solidariedade” pois sao criados muito isolados. É uma pobreza pior pois o número de pessoas que se suizidem cresce cada ano. Ter apenas riquezas materiais nao traz felizidade nenhuma. Lutar em favor de justiza, sonhar com um mundo sem fome, sem guerra e sem explorados nós une no mundo inteiro.
    Desejo à todos vocés muito sucesso nessa luta pelo reconhecimento da vossa soberania.
    A esperanca nunca morrera. Nosso cordial abraco
    Chriselda e Joao Kandler da austria

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here