Seminário “O Estado brasileiro e a luta pela terra em MS: camponeses, indígenas e quilombolas – aspectos históricos, sociais, culturais e jurídicos”, a ser realizado em 24 de setembro, sábado, das 8h às 17h, no auditório A da UCDB, Campo Grande (MS).

O evento é co-realizado pela Coordenação do curso de História da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) e a Comissão Pró Tribunal Popular em Mato Grosso do Sul (CEEDH/MS, CPT/MS, CIMI, CRJP, CSP-Conlutas, Recid, Cedampo, PSTU/MS e outros).
Conta com o apoio da Associação Nacional de História – Seção de Mato Grosso do Sul (Anpuh/MS), do Núcleo de Estudos e Pesquisas das Populações Indígenas (NEPPI) e da Coordenação do curso de Direito da UCDB.

Fones para contato:
3029-7729 (Comissão Pastoral da Terra – CPT)
3382-6248 (Centro de Documentação e Apoio aos Movimentos Populares – Cedampo)

INSCRIÇÃO: tribunaldaterrams@bol.com.br (enviar e-mail com nome, entidade/instituição e opção com ou sem certificado)

 

PROGRAMAÇÃO

Manhã


8h – Recepção e inscrição;


8h 30min – Abertura e Mística;


8h 45min – Abrindo o Diálogo: Palestra “Justiça no campo e projetos desenvolvimentistas” – com Rosemeire A. de Almeida (Profª Drª da UFMS/Campus de Três Lagoas)


9h 05min – Palestra “A dignidade humana e a função social da propriedade”, com 
Marco Antônio Delfino de Almeida, Procurador da República / Ministério Público Federal-MS. 
9h 25min – Debates;


10h 25min – Café;


10h35min – Painel 1 – Trabalhadores do Campo e Reforma Agrária – 
– Carlos Aparecido Ferrari, liderança camponesa e participante do Tribunal da Terra MS em 1987, sendo um dos membros do jurado, na sua condição de membro da Executiva Nacional do MST naquela época.
– Depoimento de um trabalhador camponês sobre a ação da milícia privada do latifúndio
– Depoimento de um trabalhador camponês sobre a situação dos brasiguaios hoje.


11h 05min – Debates;


12h – Almoço; 

Tarde


13h 30min – Lançamentos do Livro Tribunal Popular da Terra e palestra sobre o Tribunal com Givanildo Manoel (TPTerra/São Paulo)


14h – 2º Painel – Territorialidade e a luta pela Terra em MS 
– Egon Heck, missionário do Conselho Indigenista Missionário (CIMI) 
– Antonio Brand, professor da UCDB 
– Testemunho – Valdelice Verón, professora kaiowa-guarani e filha de Marcos Verón, liderança kaiowa-guarani assassinado pela milícia privada do latifúndio em janeiro de 2003.


14h 40min – Debates;


15h 20min – Criação e Trabalho dos GTs;


16h 20min – Avaliação e encerramento;

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR
militante do Tribunal Popular: o Estado brasileiro no banco dos réus

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here