Área pankararu, 16 e 17 de maio de 2008.
Aldeia Saco dos Barros-

Objetivo: Socializar e discutir, junto aos profissionais de saúde , lideranças , parteiras e demais interessados/as , informações relacionadas à experiência da Associação saúde sem limites na assistência ao pré-natal das gestantes pankararu. A idéia é que tal discussão ajude a compreensão dos sistemas tradicionais de cura e articulação destes principalmente os relacionados às parteiras – com o sistema não indígena ( biomédico).

9h30- Mesa de Abertura

Tema: O modelo de atenção à saúde indígena
Objetivo da mesa: falar sobre o modelo de atenção à saúde indígena dentro cada instituição/grupo representado, considerando a medicina tradicional indígena.

1) Carmem Pankararu- presidente do CONDISI; fala: o modelo de atenção à saúde indígena e o conselho distrital de saúde indígena.
2) Aparecida Gomes da Silva pereira – coordenadora do Pólo Base e Presidente do Conselho Local de Saúde de Entre Serras ; fala :O modelo de atenção à saúde indígena e o Conselho local de Saúde.Representada por João técnico em enfermagem, e representante do pólo entre Serras
3) Lucy Heleni Cruz- Secretaria de saúde de Jatobá; Representada por Joelma enfermeira do PACS
4) Lenildo Leônidas da Silva , não compareceu- chefe do DSEI-PE/FUNASA
5) Debate
11h-Mesa Redonda
Tema:Medicina Tradicional Indígena

Objetivo da Mesa: Falar sobre a Medicina Tradicional Indígena e suas possibilidades de trabalhar junto com a Medicina não Indígena (Biomedicina)

1) Renato Athias – Professor da UFPE e vice-presidente da Associação Saúde sem Limites; fala : A Medicina Tradicional Indígena e articulação com a Medicina não Indígena.

Francisco de Assis – Agente Indígena de Saúde; tema : A Medicina Pankararu.

Mesa Redonda
Tema: Saúde Reprodutiva no Contexto Pankararu
Objetivo da Mesa : Falar sobre a Saúde Reprodutiva dentro da Comunidade Pankararu

1) Graciliana Selestino Wakanã- Membro do COIMI e Assistente de pesquisa do Projeto “Caracterização dos Sistema de Parto Tradicionais entre os Povos Indígenas de Alagoas , Pernambuco e Paraíba”; fala O sistema de Parto Pankararu.

2) Andréa Cadena Giberti- coordenadora Regional da Saúde Sem Limites em Jatobá; fala: Saúde Sexual , Reprodutiva e Medicina Tradicional dentro do Projeto Saúde e cultura Pankararu.

3) Maria das Dores da Silva e Maria Veraneves dos Santos- Técnicas em Enfermeira da EMSI/ DSEI-PE; fala: O atendimento ao pré-natal dentro de Pankararu.

Sábado, 17 de maio.

9h- Grupo de Trabalho

Tema: O que pode melhorar no Atendimento á saúde Reprodutiva de Mulheres e Homens Pankararu?

1) Trabalhos em Grupo
2) Apresentação dos Grupos
3) Aprovação de Documento final

A segui propostas para elaboração de Documento de reivindicação do Povo Pankararu para as instituições

1) Reconhecer o trabalho das parteiras e apredizes tradicionais em hospitais etc.
2) Criação de um laboratório dentro da aldeia, para realização de exames de rotina, ex: (Ultra-som, Rx, Hemograma…)
3) Aproveitar os AIS (Agentes Indígena de Saúde), e Auxiliares de Saúde Indígena , tanto no SUS x Funasa. Cumprir USG 2 ( duas ) vezes na Gestação.
4) Assegurar e garantir a contratação dos profissionais indígenas nas EMSI (Equipe Multidisciplinar de Saúde Indígena), no modo de vida do povo Indígena, onde estão desenvolvendo os trabalhos das ações de saúde, buscando valorizar e fortalecer os costumes e tradições indígenas;
5) Discutir nas escolas planejamento familiar;
6) Orientar sobre as complicações da gravidez na adolescência;
7) Palestras educativas na comunidade;
8) Reeducação Sexual
9) Mais orientação dos profissionais de saúde durante as visitas domiciliares;
10) Trabalhar nas comunidades os riscos do aborto provocado;
11) Orientar sobre os métodos para evitar gravidez;
12) Fortalecer o uso de preservativos não só para evitar a gravidez, mas também as doenças sexualmente transmissíveis.
13) Falta de profissionais de nível superior para cubrir grande demanda
14) Mais entrosamento e companheirismo dos profissionais;
15) Presença de um psicólogo com freqüência nas aldeias;
16) Enfermeiros(as) exclusivo para o atendimento ao pré-natal o retorno do SSL;
17) educação e aceitação do profissional independente do sexo;
18) Um ginecologista para áreas indígenas;
19) O retorno de Beth e Heloisa para outra intensificação de coleta do pccu ( prevenção colo do útero) .
20) Controle social com apresentação de contas;
21) Criação de convênios ( educadores e saúde).
22) Trabalhar em parceria dos profissionais com os detentores;
23) Garantia de exames preventivos para homens;

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Gostaria de saber se a saúde da população indigena esta sendo afetada em relação as Dsts e Aids até por faço um programa na rádio comunitaria e este é o nosso tema. Obrigada e até breve.

  2. Parabéns a todos!
    A saúde indígena merece atenção especial, pois é especial, depende da participação de todos pra que se alcance o conhecimento das melhores formas de prevenção e uidado com nosso corpo.

    É muito importante também contar com a participação dos mais velhos, trazer essas pessoas pra ajudarem até do conhecimento de ervas e plantas utilizadas por eles durante anos e que ultimamente tem se perdido. Pois, eles são detentores dos saberes tradicionais, precisamos muito deles pra dar continuidade a nossa história e tradição.

    Abraços,
    Lua de Pankararu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here