2839506267_b2600fe745_o

Com a queda do ARRUDA no Governo do Distrito Federal, um tema muito importante foi levantado em pauta com mais força. Trata-se do SANTUÁRIO DOS PAJÉS localizado no SETOR NOROESTE, o local é especulado por empresas imobiliárias para a construção de um bairro nobre para aproximadamente 40 mil pessoas na cidade de Brasília. A empresa que obtém a solicitação é a TERRACAP, que por sua vez realiza obras para o Governo GDF de Brasília.

O setor Noroeste engloba questões complexas como: Indígena, Fundiária, Impacto Ambiental (CERRADO), Mananciais de olhos Dágua, Urbanismo e Cidadania.

A questão fundiária está no Ministério Público, pois se trata de uma questão levantada pelos povos originários daquela região, a FUNAI por alguns momentos não se posicionou como instituição, porém a partir de uma liminar no Ministério Público, teve que formar um Grupo de Trabalho formado por antropólogos, dentre outros profissionais para obter uma análise histórica da região.

O impacto Ambiental é um dos mais graves, pois o santuário se encontra próximo de uma Parque Nacional, sendo assim o santuário é nada mais do que uma região de amortecimento do parque. Algumas nascentes também são encontradas, porém a TerraCap tenta de forma bruta apagar essas evidências com tratores entre outros. O CERRADO nessa região ainda é bem presevado, obtém árvores nativas com mais de 100 anos.

È uma tristeza saber que tudo isso está preste a ser destruído, tudo por conta de ganância de alguns empresários.

O projeto do Setor Noroeste foi idealizado pelo Arquiteto Lúcio Costa que por sua vez ficou famoso por está em conjunto com Oscar Neymaya na construção de Brasília. Porém o que poucos sabem é que o Lúcio Costa sugeriu a criação do Setor Noroeste a partir do momento que fosse avaliado a sua situação atual, levando em consideração a cidade de Brasília. Isso foi ignorado de forma absurda pelos interessados, pois com o Governo Arruda em conjunto com Paulo Octávio (ambos fora do poder por conta da ação da PF- Caixa de Pandora), conseguiram obter autorização do IBAMA para a construção do imóvel, e o mais absurdo dos absurdos ofereceram dinheiro para os indígenas se retirarem da região.

A cidade de Brasília contém mais de 2 milhões de habitantes sem contar com o entorno da cidade, fazer um bairro onde a KITNET isso mesmo a KITNET custará 500 mil reais é necessário? Sabendo que no entorno, muitos cidadões não conseguem nem obter o sonho de uma casa própria, é complicado essa situação você não acha?

Bom poderia me estender mais e mais por aqui, mas estou escrevendo nesse espaço para pedir apoio de outras ONG’S, e movimentos que apoiem essa luta para que a ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA não destrua mais a nossa natureza e o mais importante de tudo não pisem em cima de nossa DIGNIDADE. Não iremos ganhar em nada com esse novo bairro, ao contrário perderemos um cerrado lindo que poderá ser o refúgio para o futuro da cidade de Brasília.

428126

O dinheiro não compra a Natureza

DSC01758

Placa improvisada

DSC01761

Entrada do Santuário

DSC01753

Cerrado VIVO

DSC01770

Santuário

2010-03-20 Santuário reunião (23)

Nós estamos nessa luta!!!

O SANTUÁRIO NÃO SE MOVE!!!!!!!!!!!!!!!! AiaAaiaaA!!

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR
Indígena do Povo Tukano. Natural de São Gabriel da Cachoeira- Amazonas- Brasil. Estudante de Biologia pela Universidade de Brasília- DF

3 COMENTÁRIOS

  1. que tal promover um seminário ou simpósio (em Brasilia) com representantes de todos os grupos indígenas e estudiosos de mitologia e indigenismo.

    as palestras poderiam ser transformadas em livro

    e no preço do seminário (capaz de pagar as despesas de transporte acomodação de 1 representante de cada etnia?) e futuro livro

    pode-se prever uma sobra para investir alguma coisa no santuario – projeto e construção, site de arrecadação etc

    sei que é preciso divulgar essa idéia

  2. Acredito que podemos a longo prazo realizar isso sim, mas de que forma vc estaria pensando? Posso conversar com algumas pessoas por aki.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here