se aceitamos esse substantivo CabraLino, preconceituoso, descriminante, vamos dar sustentabilidade as mentiras e aleivosias do invasor Pedro Álvares Cabral. O mesmo dizia que estava navegando rumo às Índias e que depois de uma tormenta acabou se desviando da rota e encontrou o Brasil aleatoriamente. O “inocente” navegador e invasor português pensava te chegado às Índias, por isso apelidou os aborígines que viviam aqui há milhares de anos de “Índios”.

Não dar para continuar pregando uma mentira pretensiosa dessa. Seria cômico se não fosse absurdo. É por isso que nós povo Pataxó não aceitamos ser adjetivados de “Índios”. Quando aceitamos ser taxados de Índios, estamos traindo a nossa própria etnia. E ferindo a memória dos nossos ancestrais. E mais: quando aceitamos o Pronome “Índios” estamos esquecendo da nossa diversidade, culturalidade, Religiosidade, hábitos, tradições, mitos e costumes. Porque no Brasil de hoje não temos um só povo. Temos 290 povos de etnias diferentes falando mais de 190 línguas.

É por isso que o nome Índio nos causa uma falsa ilusão de que todos são iguais e hegemônicos, e o que pior, que aqui só existe um só povo e isso não é verdade. Cada povo tem a sua diversidade. Não somos um povo uno, somos diferentes nos mais diversos aspectos culturais religiosos. Temos formas de vidas bem diversificadas de um povo para o outro. É por isso que esse nome “Índio” tem que ser banido do nosso vocabulário. Cada povo tem seu nome. É por isso que nós não somos Índios, somos Pataxó do Prado.

“Índio”, esse substantivo vigora ate hoje e serve para desqualificar os movimentos que lutam pelo o reconhecimento de suas etnias. “Apartir de agora uma outra Historia esta sendo contada”

Edmundo Santos
LEIA TAMBEM
PATAXO DO PRADO LANÇA LIVRO

Cidadania Ambiental

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Não discordo de sua análise crítica em absoluto, mas fica pouco prático se referir a todos os povos nativos das américas cada um por seu nome quando formos nos referir ao conjunto. Existe uma relação de igualdade entre todos que não pode ser posta de lado, e esta é serem todos nativos das terras chamadas atualmente de Américas. E, ainda mais importante, essa igualdade faz com que exista uma unidade política para compor uma causa comum e todos lutarem por ela. Dessa forma é necessário sim existir um modo, na forma de uma palavra ou composição de palavras, que designe a todos de forma coletíva. Realmente a palavra Índio nasceu da forma como você bem colocou, mas, como disse, devemos pensar em um substutivo, já que ela incomoda políticamente. E para que fique claro que não discordo de você, se eu estivesse em seu lugar reagiria da mesma forma.
    Não vou aqui sujerir nada que possa vir a substituir “Índio”, pois, apesar de trabalhar em prol da causa indígena, não sou “índio”… portanto que esse diálogo fique entre os índios, e que sejam bem sucedidos nessa empreitada.

  2. Você tem razão, os primeiros ou os originais habitantes das américas não são índios. O que muda se passarem a ser chamados de Pataxó, Kariri-xocó ou qualquer outro nome que identifique um povo. O que é preciso mudar é o tratamento social, o fim do preconceito e a aplicação real dos direitos dos povos, sejam índios, negros ou brancos. Por que você se intitula e quer ser tratato como Pataxó do Prado? Prado não existia quando Cabral aqui chegou. Prado é uma cidade que, inclusive, eu conheço e tem um povo muito legal e hospitaleiro. Conheço Cumuruxatiba e vi a situação dos pataxós lá. A exigência de certas leis anti-racismo carregam em si o próprio racismo: o negro não pode ser chamado de negro, mas de original. E o branco pode ser chamado de branco e o amarelo de amarelo? Quanta bobagem. Precisamos é desenvolver esforços para uma convivência pacífica e harmoniosa entre todos os seres humanos. Não creio que simplesmente não chamando o negro de negro ou o índio de índio, estaremos construindo um mundo melhor. O racismo não está notratamendo nominal mas na convivência harmoniosa e no respeito. Mas a sua opinião é válida e puxa uma discussão boa. Parabéns e continue escrevendo. Meus alunos (5ª e 6ª séries) leram seu comentário e mesmo os que não concordaram com sua opinião, a entenderam.

  3. Tudo que vc falou é verdade. Até nós mesmos temos esse mal costume de usar o termo “indio”, sabendo nós próprios que cada vez mais que usamos essa palavra, ao mesmo tempo estamos valorisando as mentiras de Cabral. Temos que ter em mente q somos um povo, q temos os nossos costumes e tradições. Essa matéria abrirá a mente das pessoas q até hoje usa esse termo absurdo.

  4. parente Edimundo, estou de pleno acordo com vc.
    Na verdade não somos “índios”, pois como vc citou, indios é quem nasce na Índia. Alguns dias atrás foi realizada uma oficina de proteção aos conhecimentos tradicionais aqui em Pankararu e teve uma parente que ele é indigena, formado em direito, e abordou esse mesmo termo, procurou a todos da plenária quem daquela sala era “indio”.
    Isso deixou todos refletindo, apesar de que todos que estavam na sala são indigenas mas de povos diferentes. E eles nos respondeu que naquela sala não havia nenhu “indio” pois indio é que nasce na india, foi ai que a ficha cai para todos que estava na sala. Esse termo “indio” é nada mais que uma grande mentira desde o inicio de tudo e parta nós mudar isso na mente do povo é algo quaze que imposivel, mais depende de nós ditar as regras de como queremos ser chamados e tratados por eles. Caba a nós mostrar a diferença entre (INDIO) e ( INDIGENA OU ABORÍGINE ) cabe a nós contar a verdadeira história dos primeiros habitantes desse pais BRASIL.

    PARABÉNS ´PARENTE…

  5. Você tem razão, mas quando formos escolher outro termo temos que tomar cuidado para não acabar com um outro tambem problematico. Dizer indigenas é usar uma palavra derivada de indio, nativos das americas é usar do nome europeu dado a esse continente. Não dá pra não usar um nome para nos chamar a todos e ao mesmo tempo parece ser muito complicado resolver essa questão. Acho que temos que pensar muito bem e com a participação de todos os povos para conseguir alguma coisa que sirva e que seja aceita por todos.

  6. Perdoe-me mas penso que esta discusão sobre a nomenclatura não importa muito!
    Apesar de entender o que o autor quis dizer, acho pouco provável que um dia a sociedade como um todo assuma esse erro e mude a nomenclatura! Mesmo que vcs façam virar lei…já é hábito, entende?

    Só ha um jeito de mudar isso e esse jeito é a UNIÃO dos povos NATIVOS, Indígenas ou seja lá que nome vc preferir chamar.

    O nome, a meu ver, é o que menos importa…devem lutar por respeito e isto só acontecerá com a UNIÃO de todos vcs!

    SEM UNIÃO, PODEM USAR A NOMENCLATURA QUE FOR, QUE O RESPEITO CONTINUARÁ INEXISTENTE!

    Pense nisso!

    Um abração e parabéns pelo texto!

  7. Concordo plenamente! Aliás… nesse país onde não se respeita nada nem ninguém, tudo tinha que começar com essa grande mentira.

  8. EU SOU INDÍGENA E ME ORGULHO MUITO DISSO, NÃO ME IMPORTO COM QUEM DENOMINOU DESSA FORMA, POIS DESDE QUANDO EU ERA CRIANÇA MEUS AVÓS JÁ DIZIAM ASSSIM E POR ISSSO NÃO ME IMPORTO, SOU INDÍGENA PATAXÓ!!!!
    TEMOS COISAS MAIS IMPORTANTAS PRA CANALIZAR NOSSAS IDÉIAS, E ESTA SUGESTÃO COLOCADA NESSE TEXTO NÃO É A OPINIÃO DE TODOS, EU SOU NATIVO E TENHO CERTEZA DO QUE ESTOU ESCREVENDO.
    UM FORTE ABRAÇO AOS PARENTES INTERNAUTAS!!!!!

  9. Eu entendo o seu incômodo, e acho que você tem todo direito de reivindicar, mas não são todos
    que terão acesso as essas informações apenas por internet, se esse termo é muito usado pelas pessoas, talvez seja por falta de conhecimento… então apenas deixar escrito em algum lugar não vai adiantar, se isso realmente incomoda então me diz o que está fazendo para mudar essa situação…
    Um Abraço!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here