Segundo algumas fontes no dia 15 de Outubro de 2008 no Jornal NH foi publicado na coluna Opinião um artigo assinado por Ivar Hartmann , promotor aposentado,ele escreveu que :”No Brasil de hoje, as tribos remanescentes (indígenas) são compostas por indivíduos semi-civilizados, sujos, ignorantes e vagabundos, vivendo das benesses do poder branco”.

Estou repassando isso pedindo a atitude de vocês em protestar :

E-mail do jornal NH: redacaonh@gruposinos.com.br

O artigo foi publicado também em outros jornais do interior do Brasil. Na íntegra está em:

http://www.agorams.com.br/index.php?ver=colunas&id=14&id_colunas=764

Jornal NH
http://www.ziptop.com.br/jornalnh/principal/principal.asp?canal=1&ed=252

”Ivar Paulo Hartmann,nasceu em Passo Fundo (RS) em 15 de dezembro de 1940.Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito de Passo Fundo. Exerceu o cargo de chefe de gabinete em diversas Secretarias. Exerceu o cargo de diretor de ginásio e professor de diversas faculdades. Tem editados pela Tchê!, na colecão Esses Gaúchos, uma biografia de Getúlio Vargas, e um romance: O Pais dos Gaúchos. Atualmente é promotor de justiça e professor universitário em Novo Hamburgo-RS”Fonte: Manual Prático do Guerrilheiro – 1988 – Autor Ivar Hartmann

É realmente deprimente ver um ser humano chegar a tal ponto, me pergunto o que levou ele a pensar assim e escrever algo assim em um artigo?Como um ser humano pode ter tanto preconceito?da onde vem esse ódio enraizado contra os povos originários do Brasil?Enquanto ele escreve algo assim,milhares de crianças estão morrendo,muita gente está sofrrendo querendo apenas o direito de viver a vida com dignidade,muita gente está com fome e não tem o que comer, tanto indígenas como não-indígenas.Da onde vem esse sentimento presente nele ao escrever algo assim? ele esquece que todos somos seres humanos ?ele se acha superior pela cor da pele dele ou pela formação dele? o que ele anda ensinando ou ensinou a seus alunos?
Sabemos que o que ele pensa é fruto idéias racistas e equivocadas que foram cristalizadas na sociedade brasileira.Não devemos agir como ele ao ler o que ele escreveu, pois estaremos sendo como ele e estaremos confirmando que o sentimento ruim que está nele entrou em nos e isso não pode acontecer.Porem devemos sim protestar e não aceitar de maneira nenhuma uma publicação como essa sendo publicada sem impedimento nenhum,isso é um grande absurdo,seria sinal de que quem aceita uma publicação assim pensa como ele ?Gosto de perguntas pois elas nos fazem refletir em vez de agir apenas por impulso, deixando esse impulso nos poluir com maus sentimentos,trazendo ”doença” a nos.Devemos sim lutar por nossos direitos,exigindo respeito, pois merecemos respeito como qualquer ser humano nesse mundo.O sobrenome do Sr.Ivar é Hartmann sobrenome que tudo indica ser de origem alemã e isso também nos trás lembranças de um passado violento que ainda está tatuado em números ,nos braços de muitos que sobreviveram, herdeiros de um sofrimento não diferente do nosso e sim a mesma intolerância que sofremos aqui nesse continente Americano há mais de 500 anos.Tocamos a terra e dela espirra sangue, sangue de nosso passado,sangue de nossos ancestrais, ferida que continua aberta e aqueles que se levantam contra nos, abrem mais e mais.Sangra tanto que já estamos com ”hemorragia” há 500 anos,mas nosso espírito nos mostra que existe uma fonte inesgotável de força ,que pulsa a cada respiração e que ela nos liga a todos,dando força para continuar nossa caminhada nesse mundo,nos mostrando que o valor da vida está nas coisas simples.O passado nos mostra muitas coisas que muitas vezes no presente não entendemos.Não devemos ser instrumentos da guerra e sim instrumentos de paz para um mundo doente.Existe liberdade de expressão porem não a ”liberdade de agressão” seja física ou verbal.Que a força de nossos ancestrais esteja sempre conosco,assim como os saberes.

24/10/08

Renata Tupinambá – Niterói – RJ
renata.machado.rj@gmail.com

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Olá Renata
    Bela matéria, belo texto!

    Gostaria de comentar algo, pois concordo plenamente com vc!
    Venho repetindo isso neste site, ha algum tempo e penso que o que falta ainda é união entre os povos indígenas. Não me refiro a união que já existe que faz com que vcs todos se tratem como parentes pertencentes a uma mesma família…mas sim de uma UNIÃO voltada a uma ação conjunta e organizada para atingir um objetivo comum. Estratégicamente planejado para que haja respeito. Sei que isso não acontece da noite para o dia…sei que são 509a de opressão, de massacre! Mas sei tbm que vcs são capazes de virar o jogo e podem se organizar para tal! O movimento negro se organizou e fez faler o respeito nas leis do país…de verdade, o preconceito contra os negro continua existindo mas está garantido em lei as penalidades a estas ações preconceituosas. É isso que quero dizer…é isso que sei que vcs tbm conseguirão. Ha muito a ser feito…ha preconceitos terríveis nesse Planeta e o pior deles é contra a mulher, pq em TODAS as culturas, nós mulheres somos tratadas como inferiores. Sei que só a história mudará essa realidade mas é necessário começar agora!
    Reunam-se…converssem com quem tem experiência no assunto…façam acontecer!
    Beijos,
    Juliani

  2. Muito infeliz esse pensamento do Sr. Hartmann. Vivemos em uma país que tem uma enorme miscigenação e variedade cultural.Depois de tantos anos de sofrimento, os negros venceram a escravidão, e hoje lutam para se tornar cidadãos livres.Os índios ainda não foram libertados, pois suas terras foram roubadas, não houve pedidos de desculpas pelo governo ou qualquer outra entidade oficial.É incrível ver como o preconceito e hipocrisia dominam o pensamento de muitas pessoas em nosso país, que simplesmente se isolam da desgraça e sofrimento alheio.Esse texto lembra a Alemanha Nazista, que taxava os judeus com vários adjetivos pejorativos, culpando os mesmos pelo atraso do país.A Alemanha foi arrasada e o nazismo varrido do mapa, e algumas pessoas ainda não aprenderam a olhar os seus semelhantes em grau de igualdade.
    Guilherme Galvão Lopes

  3. Uma afirmação deprimente e racista dêsse tal de Ivar Hartmann! É inacreditável, que ainda existam pessoas que em pleno sec.XXI ,sejam capazes de proclamar escrita ou oralmente tal absurdo .
    Os indígenas não poderiam processá-lo, por calúnia ,difamação, preconceito racial ?…ou a lei não garante penalidades contra essas ações?
    Ou será que não se pode processar um promotor?
    Alguma providência deve ser tomada, pois a impunidade não deve ser aceita.
    Renata, para finalizar quero parabenizá-la por sua matéria.Atitude louvável a sua. Sempre.
    Beijos.

    Duda.

  4. A falta de políticas consistentes por parte do governo permite que grupos contrários aos direitos indígenas atuem fortemente contra os direitos indígenas, causando insegurança quanto aos direitos territoriais.A discriminação contra os povos indígenas é o começo de tudo. No princípio, a discussão racista era se os índios tinham ou não uma alma humana. Esse Ivar deveria ter vergonha de falar isso!

  5. Quero deixar registrado o meu protesto contra este senhor Ivar Hartmann,ele ofende a memoria dos povos indigenas
    da América e do Brasil,ele ofende também a memória de seus antepassados e conterranios alemãos que sofreram com um regime nefasto que foi o nazismo,se este senhor estivesse na Alemanha ele seria um agente das SS e da Gestapo,ou um guarda de algum campo de concentração nazista.
    Ele se concidera brasileiro mas não vejo nada de brasileiro,ele se esquece que os seus antepassados eram pobres e miséraveis piores do que os pobres que ele ataca e que esta terra acolheu com carinho e amor.
    Nós de origem europeia não devemos ofender os filhos legitimos desta terra que nos acolheu como peregrinos deuma europa que nos expulsou e expulsa os seus netos. O senhor IVAR NÃO DEVE SER CHAMADO DE SER HUMANO POIS ELE DESONRA o ser humano com um discurso deste contra o ser humano que é seu próximo ,no caso os povos indigenas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here