Pataxó hãhãhãe

 

Acaba o contrato do REDE (TIPO DE CONTRATO DA EDUCAÇÃO) de dois anos, a mais de 12 anos que os professores indígenas Pataxó Hãhãhãe vem lutando por um emprego fixo e que garanta os direitos trabalhistas e que possam  ser tratados como cidadãos. Mais até hoje o governo de estado só estabelecem uns contratos, que a vezes atrasas o pagamento, valor insuficiente para a categoria… o que deixa o profissional indígena preocupado já que na sua maioria são pais e mães de família, na qual toda a estrutura família fica prejudicado. a dois anos atrais a secretaria do estado de Educação, ofereceu contratos pelo o REDA, com a garantia que nesse período teria as segurança de empregar no quadro de professores do Estado, se passaram 2 anos, os professores estão trabalhando agora de forma voluntária, geralmente são pessoas que tem compromisso a acertar e que agora está sem saber como fazer.

professor pataxó Hãhãhãe

Nos últimos anos, muitas politicas na área da educação é apresentada pelo o governo como um bom modelo, porém venho a descordar que para nós índios essa politica não tem funcionado corretamente. Será que nós por ser índios não merecemos ter os nossos professores empregado usufruindo dos seu direitos como cidadão? Até quando nós indígenas vamos continuar sendo visto como vilão e que qualquer coisinha que é feito para o índio o governo se sente realisado. Será que o governo nunca vai nos respeitar como merecemos ser, já que somos os verdadeiros originário desse Brasil, e até hoje estamos sofrendo com a discriminação racial. Na luta da terra só quem sofre é agente, pois só morre gente do nosso lado, até o momento nunca escutei uma história que índios matassem um fazendeiro, mesmo assim os nosso povo é morto e a justiça não pune os culpados. a saúde de nosso povo sempre está morrendo índios por negligência do  órgão SESAI-FUNASA(atualmente) e nada é feito, O recursos da FUNAI não chega nas aldeias para resolver questões sociais. As nossa crianças são prejudicada na merenda escolar, que é insuficiente para a demanda. As nossas terras já tem 29 anos que está no supremo tribunal para ser julgada e até hoje só na enrola, só nos enganando. Até quando vamos ser tratados dessa forma.

A realidade de nossa aldeia é que as coisas são mais difícil que só podemos imaginar se tivermos de perto acompanhando, o salários do professor é pouquinho. E agora que meus parentes professores estão desempregados, e com muito amor aos alunos não pararam de lecionar, porque sabem o que é comunidade. Sendo assim achei no direito de fazer uma apelo ao Governo do Estado, que nos trate com mais respeito, que determine ao Secretário de Educação que não fique fazendo de conta com a causa indígena, e que agilize para que empregue logo os nosso professores indígenas e acabe com esses contratos sem direitos trabalhista, precisamos combater o trabalho escravo e o governo precisa ser exemplo. Falo isso por que é triste passar o mês todos trabalhando e ao chegar o final do mês  o profissional não tem a certeza que vai ter o dinheiro de fazer a feira para a sua família. Hoje existe mais de 900 alunos em minha aldeia, aonde uma parte estudam em um colégio modelo, que o governo de estado construiu, e os outro alunos estudam em salas de aulas improvisadas em várias regiões da aldeia que é tem uma estrutura subumana.

Educação diferenciada no meu entender é uma educação de qualidade em acordo com a cultura do povo e não uma educação fragilizada como é o desejo do sistema, manter os pobres alienados.

 

 

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR
A muito tempo lutando em prol do Povo indígena do qual faço parte, até ameaças de morte já recebi. Mas não me calo! pois os espíritos de meus antepassados está comigo. E a proteção de Tupã.

4 COMENTÁRIOS

  1. Olá meus parentes é uma vergonha, mais o que na verdade queremos agora?!
    Sabemos sim, queremos a concurso do estado isso sim é o que precisamos pra garantir que nossos educadores recebam por aqui que fazem. essa semana do dia 15 de outubro vai ter reunião com os secretarios inclusivel o secretario de educação do estado’ facam um documento por escrito e se junte a nós. Até pq é um assunto dos povos indigena da bahia. Conto com sua participação!!

  2. É público, notório e insatisfatório que a educação, ou a falta dela, representa um dos piores males do Brasil.
    Ora, o que esperar de um país que não valoriza, não investe e não cuida da boa formação dos responsáveis diretos pela disseminação da educação: os professores? Eu, não vou mentir, já senti uma enorme vontade de ensinar, mas quando paro para pensar em todo tipo de mazela, descaso e desvalorização pelas quais a classe de profissionais da educação passa, desisto na mesma hora, professor desempregado entao,
    Quem é que vai dar aula?
    O descaso É lamentável a situação pela qual passa a Educação do Brasil é uma vergonha.
    Disponível… Fizeram esta lei de professores de contrato temporário, somente para não darem o direito do professor a ter um emprego digno, com todas as possibilidades que um deve educador ter.
    É aberrante esta desvalorização do professor com contrato temporário. Isto é somente um emprego de faz de contas.
    Quem arrumou esta Lei de professor temporário é uma pessoa sem amor. Nunca se colocou no lugar de um desempregado. Imagine os professores que trabalham com alunos carentes e depositam mesmo o seu coração.
    Gostaria que tivessem misericórdia destes professores temporários. Comece a olhar para este quadro. PROFESSOR é gente, merece ser respeitado. Um amigo tem 13 anos de contrato temporário, mas no diário oficial não está registrado todo este tempo.
    Eu queria que olhassem esta lei absurda e fizessem uma transformação.

  3. A educação começa pela cidadania. A qualidade de ensino no Br é uma vergonha, Na condição de profissionais de educação, habilitados em educação superior (graduação), os docentes da educação infantil, do ensino fundamental e médio, podem atuar em instituições públicas ou privadas sob a tutela das leis e da legislação educacional.
    Em ambas as instituições, os docentes, devem seguir as orientações jurídicas previstas na Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) e Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), para um ingresso no mercado de trabalho, sem transtorno trabalhistas ou exploração profissional.
    são os seguintes direitos assegurados aos docentes do magistério público: a) ingresso, exclusivamente, por concurso de provas e títulos; b) Aperfeiçoamento profissional continuado, inclusive com licenciamento periódico remunerado para esse fim; c) Piso salarial profissional; d) Progressão funcional baseada na titulação ou habilitação, e na avaliação do desempenho; e) Período reservado a estudos, planejamento e avaliação, incluído na carga de trabalho e f) condições adequadas de trabalho.
    Acho q vc deveriam procurar o sindicato dos professores.

  4. Excelente divulgação!! Parabens pela matéria!

    Entretanto, meus parentes, entendo e acredito que as coisas só vão mudar para melhor quandos nós indigenas nos tornarmos mais unidos na busca do bem comum. Precisamos de indigenas sérios, que se sitantam responsáveis pelo bem de todo povo indigena, sem priorizar aqueles que estão mais proximos em detrimento daqueles que estão mais distantes. Percisamos de indigenas no Poder Legislativo (vereadores, deputados, senadores)que é órgão responsável pela elaboração das leis, no Poder Executivo (Prefeito, Governador, Presidente da Republica) e no Poder Judiciario. Aqui, farei um destaque ao Poder Legislativo: Precisamos de indigenas que um vez ocupando esse Poder, pensem em criar leis que ampare os indios conforme as suas realidades.Tudo no Estado se faz por meio da imposição da lei. precisamos refletir muito sobre a nossa realidade e compreender que a maior parte da solução dos problemas dos povos indigenas depende muito mais de nós enquanto indigenas do que do próprio estado. Afinal quem é o Estado? o Estado somos nós. Sem nós (cidadão) não há Estado! Então, devemos pensar como sujeitos resposaveis pelo Estado e pelas pessoas que fazem as leis que temos!Se a situção dos nossas professores está desta forma, os principais culpados disso tudo somos nós!Há quanto tempo essa situação dos Professores Hã Hã Hãe vem se arrastando? É só desses ultimos dois anos? Com abssoluta certeza, não!Isso vem de longas datas… Mas isso só está acontecendo com esses professores? Também não! Essa é uma situação vivenciadas, e aqui permito-me generalizar, por todos os professores indigenas!
    A nossa maior falha é se contentar com migalhas, é sermos acomodados demais!Essa cena com os Hã Hã Hãe, que acompanho, ja se repete há dez anos… E o que nós fizemos para resolver isso? Nada! Bastou sair um contratozinho REDA para alguns e , todos se acomodaram! E se duvidarem, se sair mais cala boca (Contrato REDA) todos se acomodarão pensando estar tudo resolvido. É bom Lembrar que quando me refiro a “Todos” isso não se aplica só aos Hã Hã Hãe… É todos os povos indigenas do Estado da Bahia!
    No Estado Brasileiro ja restou mais que provado que só é respeitado aqui, quem tem poder, mais acima de tudo, quem sabe usar o Poder. O fato é: Nunca utilizamos nosso poder para conquistar o que mais desejamos enquanto coletividade. Então, se essa é a nossa realidade, não vai adiantar praticamente NADA ficarmos chorando e lamentado nossas desgraças!Quem está sabendo utilizar o poder nesse momento não vai nos escutar ou no minimo se passará por surdo e lhe faltará a memoria em relação ao pedido de socorro!Precisamos, meus parentes, urgentemente repensar sobre nossas posturas!Não dá mais para ficarmos nos colocando como alguem que precisa de acalanto, como uma criança que se contenta só em ser amamentada. Precisamos de muito mais!!!Esse pais é nosso, nós somos os donos dessa casa, e como donos devemos determinar as suas regras!
    sei que ao fazer a leitura, alguns de vocês deve estar pensando que isso é utópico ou impossivel, mas afirmo: Pode ser muito mais facil do que se imagina. É so lembrar da historia do ex Presidente Lula… a nossa conquista pode ser muito mais facil do que a dele!!Lembremo-nos sempre: tudo depende muito mais de nós do que dos outros, mas para isso, precisamos de XOHÃ (guerreiros (as)) fortes na linha de frete dessa guerra declarada nos bostitores contra os povos indigenas do nosso país. Precisamos de verdadeiros guerreiros defendendo a todo custo a integridade e inviolabilidade da vida dos nossos parentes de suas comunidades. Não devemos esquecer, jamais, que a escola (o conhecimento) é um dos instrumentos de guerra mais eficientes e poderos para vencer esta guerra, mas ao lado dessa ultima estar o Poder Legislativo também!

    Agradeço se por ventura alguem ler e fazer uma critica. O que não pode é se fechar os olhos para essa realidade pujante que vivemos em nosso país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here