Pessoal, a pedido do nosso parente Gilberto Ferreira S. da etnia Pataxó, público aqui a notícia que ele enviou sobre a destruição da vida na terra Pataxó no município de Prado na Bahia.

Na manhã do dia 21 de setembro cerca de 300 indígenas ocuparam a fazenda Nedila, no município do Prado Bahia, local onde estão sendo realizado a monocultura do eucalipto. A principal reinvidicação dos indígenas é que parem de imediato o plantio,pois está causando grande destruição ao meio ambiente. Ainda não está em fase adulta mas já se vê os efeitos nosivos aos seres humanos a fauna e a flora.

Os rios estão sendo fechado para construção de barragens, as nascentes estão sendo aterradas e a mata atlântica está sendo derrubada incessantemente por enormes máquinas que trabalham dioturnamente.

Os indígenas acusam os orgãos responsáveis pela liberação e fiscalização, como a secretaria do meio ambiente do Prado e o instituito Chico Mendes (ICMBIO), por conivência no mínimo negligência nessa situação. Faz uma dura acusação contra a prefeita Mayra Brito, de ser ante indígena por isso autorizou o plantio do eucalípto, pois dessa forma destuirá os povos indígenas, sem água e sem alimento não há vida.

As comuinidades garantem que empreendimentos implantados dessa maneira também são causadores de graves conflitos sociais, violações de direitos humanos e prejuízos ambientais irreparáveis. Nessas circunstâncias quem autorizou desmatar o entorno da terra indígena também está desrespeitando e golpeando a Constituição Federal de 88 e conflitando com a convenção 169 da OIT. É importante lembrar que todas as leis, sejam dos municípios e/ou dos estados NÃO podem entrar em contradição e ferir Constituição Federal do Brasil.

Dessa forma repudiam qualquer tentativa de desqualificar e criminalizar o movimento coletivo. Nesse momento, tudo que querem é ser informados sobre esse projeto que está  afetando diretamente as comunidades. Querem que tudo seja resolvido em concordância com as Leis. Exigem que os Art. 231 e 232 da Constituição Federal do Brasil sejam respeitosamente observados, corretamente interpretados e integralmente aplicados em favor do direito, da justiça e da paz nos territórios indígenas.

Exigem a presença dos orgãos como FUNAI, Secretaria do meio ambiente do município do Prado, ICMBIO, Responsáveis da empresa Suzano e setores responsáveis, solicitam também a presença da imprensa para denunciar as violações cometidas contra os povos indígenas.

No momento encontra-se cerca de 10 máquinas agrícolas de propriedade da empresa Suzano sob reponsabilidades dos indígenas, objetivo para dar visibilidade ao movimento e garantir uma ação efetiva dos orgãos.

 

Comunidade Indígena Pataxó.

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Meus caros Parentes é lamentável .

    Na minha opinião, temos que nos organizar, fazer valer o nosso movimento e pedir apoio aos nossos parceiros. Onde existir a política do branco e onde gira o capitalismo no caso da VERACEL, nós só vamos penar.
    Quando tínhamos os conselhos de caciques unindo os três (03) povos, as coisas eram outras. Nós, com sacrifício, conseguimos avançar um pouco o território.
    A minha indignação é com tudo isso acontecendo nas aldeias e o Coordenador Regional do sul da Bahia, Sr. Tiago Ribeiro de Paula ao invés de procurar resolver os problemas das Comunidades indígenas dos três (03) povos Pataxó, Pataxó Ha- ha-hae e Tupinambá, todos estão com problemas gravíssimos..! O mesmo está preocupado com a mudança da Sede da FUNAI, de Eunápolis/BA para Porto Seguro, o Sr, Tiago está preocupado é com aluguel de imóveis transferências de servidores (Ex ofícios) e ETC… onde gera um gasto absurdo em plena crise econômica. Na minha opinião A FUNAI está mal representada aqui na nossa região, já está na hora do senhor Tiago de Paula entregar o cargo o mesmo não tem condições de administrar depois dessa suposta Reestruturação da FUNAI, aqui já se passaram outros gestores que nada fizeram para melhorar as nossas vidas. A criminalidade acontecendo, a FUNAI Brasília/DF tem conhecimento e nada faz, só gastando dinheiro publico com transferência de servidores (Ex: ofícios) e diárais, isso dinheiro publico indo para o ralo, como menciono no documento encaminhado ao ministério Publico e por este motivo estou levando ao conhecimento de outras autoridades.

    Essa é minha opinião, se tem alguém que não gostou fale comigo.

    Att: Jovanildo Vieira dos Santos.
    ( Titular do comitê Regional Sul da Bahia)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here