Potiguara unidos através do ritual do Toré nos Terreiros Sagrados

5 52

Hoje no território Potiguara graças a força da juventude unida com as lideranças tradicionais, a cultura está se expandindo de modo geral na maioria das aldeias. Em quase todas as aldeias já existe um Terreiro Sagrado para que sempre se realize o Toré, dança de fortaleza e defesa para nós Potiguara, sendo que no dia 19 de Abril todas as aldeias reunem-se para dançar na aldeia mãe que é a aldeia São Francisco onde lá se encontram as furnas subterrâneas local de refúgio do nosso povo no tempo da invasão.

Exemplo da força e revitalização da cultura são as aldeias Forte, São Francisco, Lagoa do Mato e Cumarú onde estamos unindo o povo a partir do que temos de mais importante e sagrado que é o ritual. Além disso no Terreiro da aldeia Cumarú temos algo raro e valioso que é uma árvore de muita força, o “pé de Malfim” conhecido pelos nossos anciãos, que acreditam no poder de cura, de sorte e de proteção da árvore.

Hoje ela está ameaçada de extinssão, por isso está sobre cuidado da comunidade.
é com toda força da natureza e com todo esse envolvimento que conseguimos unir nosso povo e manter nossas aldeias sempre erguidas.

Isaias Potiguara
isaiaspotiguara@gmail.com

Artigos similares

0 231

0 190

5 comentários

  1. ola meus parentes então é isso que vcs estão vendo,,
    o que esta acontecendo em nossas aldeias,,por issso precisamos de sua ajuda p/
    mais uma conquista,que é preseva nossa natureza,,que esta nos pedindo ajuda..
    vamos todos fazer parte desta boa açao.
    obrigado…
    valeuuuuuu

  2. oi parentes vcs tao vendo oq acontece na minha etnia
    na aldeia cumaru esta a arvore e muito importante e ela tem um grande poder di cura espiritual
    eo toré uma grande riqueza que nossoa atepassados nos deixaram para passa em geraçao em geraçao
    obrigado ao indiosonline por ter feito essa reportagem que uma grande homenagen para nos potiguaras de todo o brasil

  3. gostaria de receber alguns trabalho ou pesquisa sobre o ritual do toré,ou seja,a organização do ritual.
    Um grande abraço
    Fui aluna de Lusival Barcellos – UFPB

Partilhe um comentário