Quando olhei as nossas matas
Numa triste destrição
Os animais estão morrendo
Graças o homem sem coração

Que beleza era essas matas
Dá vontade de chorar
Ouvindo o canto dos passarinhos
Fugindo souto em seu caminho

Até mesmo os nossos rios
Estão sendo destruidos
Cortando as àrvores de suas margens
Mudando o curso já poluído

Hoje vejo muitas àrvores
Cortadas e até queimadas
Eu fico triste nesse instante
Por que tamanha destruição

Quando o verde dessas matas
Tocar no teu caração
Vendo tudo o que fizeste
Com o teu povo e o teu irmão

A natureza é nossa Mãe
Jamais perdoa um filho seu
Que tenta ela destruir
Com arrogância e ambição.

Autor: Francinaldo Gûyraguasu – Potiguara da Aldeia Akajutibiró/PB
E-mail:Francinaldo_indio@hotmail.com

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Parabéns amigo, vc é um poeta e aprendeu rapidinho em!!!!!
    Agora o indiosonline que agurde porque vão ver muito poema ainda…
    Abraçooooo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here