Eu sou Edvaldo Pataxó, filho de José Hamilton (não índio) e Judite Pataxó(índia).Minha mãe é índia do grupo Kariri Sapuyá que junto a mais 4 grupos étnicos se fusionara e deram origem ao atual povo Pataxó Há Ha Hae, residimos no Posto Indígena Caramuru e no momento estou em Havana-Cuba cursando o 5º ano de medicina.

FRAGMENTOS DA NOSSA DOLORIDA HISTÓRIA

Devido o processo de invasão do nosso território, hoje chamado Brasil, ao qual vitimou muitos dos nossos povos e tribos inteiras deixaram de existir.Consideramos que as nossas terras foram duplamente invadidas; primeiro com a chegada dos portugueses em 1500 e segundo,depois que alei brasileira delimitou um território para que os índios pudessem sobreviver ,no caso do meu povo uma área de 54.100 hectares, e este,mais uma vez foi invadido por fazendeiros da região e expulsando os índios para longe delas. Muitos dos índios, os que lograram sobreviver, se refugiaram nas cidades circunvizinhas e outros,chegaram a sair até mesmo fora do estado da Bahia,no caso da família do Galdino que foram para o Paraná.Estes foram obrigados a adaptar-se a uma nova cultura e sistema de governo totalmente oposto aos seus.Mesmo distante de suas terras, nossos anciões não perderam as esperanças de um dia ver o seu povo reunidos novamente e para isso os mais velhos se reuniam periodicamente e traçavam metas para continuar lutando,estas reuniões culminou com inúmeras viagem ao Rio de Janeiro para falar com o então presidente do Serviço de Proteção aos Índios(SPI) que muito prometia e nada fazia.Como exemplo destes guerreiros temos o senhor Desidério (meu avô), Bite, Samado, Camilo, Katunga, dentre outros.Em 1982 conseguimos retomar a uma pequena parte das terras que tradicionalmente nos pertence.Meu avô Desidério que havia refugiado no município de Pau Brasil juntamente com os seu cinco filhos (Iraci, Laura, Aureliano, Judite e Senhorinho) ao retornar para a aldeia todos já haviam casados com pessoas não índia. No caso da minha mãe regressou com seis filhos e teve mais dois na aldeia. Quando cheguei na aldeia tinha apenas quatro anos e desde então, mesmo com a intensificação das práticas de violências por partes dos fazendeiros da região contra a nossa gente eu continuava decidido a estudar.

OS ESTUDOS

Iniciei meus estudos na escola da aldeia.Durante este período as dificuldades era com respeito a precariedade das sala de aula,falta de material didático e carência de professores pois nenhum não índio queria viver na aldeia. Foi então que chegou a professora índia Maria Muniz e começou a lesionar em nossa escolar. Ao terminar a 4ª série tive que dar continuidade aos meus estudos no ginásio da cidade de Pau Brasil.Ai sim foi dureza, pois os desafios eram grandes,tal como:
01-A distância entre a aldeia e a cidade é de 5km e diariamente tinha que fazer este percurso a pé e a noite o que aumentava o risco de sofrer quaisquer tipo de violência;
02-O preconceito e a discriminação na cidade era tão grande, que em épocas anteriores chegaram a não aceitarem a matricula de estudantes índios no ginásio da cidade (no caso de Margarida Pataxó e Agnaldo Pataxó);
03-Um número considerável de índios se matriculava e pouquíssimos lograva concluir o ano letivo.
04-Por não termos nenhum local para o asseio, banhávamos e trocávamos de roupa em um córrego antes de chegar na cidade;
05-Em períodos de chuva chegávamos no colégio totalmente molhados e enlameados;
06-Por estarmos em processo de reconquista do nosso território através de retomadas, nossa presença na cidade era considerado um insulto, pois éramos considerados invasores de nossa própria terra;
07-Uma coordenadora do colégio em que estudamos (Gildinai), sensibilizada com a nossa situação disponibilizou de sua residência par que pudéssemos pernoitar.Por este ato, passou a ser ameaçada de morte, inclusa chegou a ser interceptada por fazendeiros fortemente armados em plena praça pública quando se dirigia ao colégio, acompanhada de alguns estudantes índios;
08-Um ônibus que foi destinado pela funai para o transporte escolar indígena foi apedrejado quando nos trans portava desde o colégio na cidade até a aldeia;
09-Um carro Kombi que prestava serviço para a saúde e que neste dia o cacique Gerson havia destinado para o nosso transporte, esta foi queimada enfrente ao colégio quando nos aguardávamos;
10-…

Muitos foram as dificuldades que enfrentei para poder estudar mais nenhuma desta foram forte o suficiente para fazer-me desistir dos meus objetivos.Com muito sacrifício, terminei o 2º grau em 1999 e pensava em cursar uma universidade, quiçá direito, pedagogia, medicina ou qualquer outra carreira desde quando fosse de grande utilidade para a minha comunidade.

ESTUDAR MEDICINA EM CUBA

Em 2000 conseguir através do Conselho Indigenista Missionário (CIMI) uma vaga para poder estudar medicina na Escola Latino-americana de Medicina (ELAM) em Cuba, projeto criado pelo nosso comandante Fidel Castro.Para mim foi uma oportunidade de ouro, porém aceita-la foi um tanto difícil, pois tinha que ausentar da minha terra mãe e do meu povo por mais de anos, ademais, em um pais tão distante,com costumes e tradições totalmente distinto dos nossos. Contudo, aceitei o desafio e em fevereiro de 2001 zarpei rumo a essa pequena ilha na América Central, consciente da minha responsabilidade perante ao meu povo de velar pela saúde destes que a mais de 500 anos vem sendo vítimas das diversas formas de violências e de inúmeras doenças que ainda são desconhecidas pelos mais sábios da aldeia(pajé).
Quando for médico, possuindo tanto o conhecimento da medicina convencional quanto a tradicional, pretendo desenvolver um trabalho médico direcionado à prevenir e curar as doenças que muito afeta a minha comunidade bem como dar ênfase à medicina natural Pataxó Há Há Hae como forma de preservar a nossa cultura e meio alternativa por falta de uma política de saúde séria por parte dos governantes do nosso País que realmente satisfaça o interesse dos povos indígenas como um todo.
Vivo em Cuba a 5 anos e apesar das dificuldades que enfrento no âmbito financeiro para custear passagens,aquisição de material didático,higiênico,pessoal e de apoio,bem como escassez de comunicação com os meus familiares e comunidade em geral, sigo convicto de realizar um sonho tanto meu quanto do meu povo de graduar-me e retornar para a minha aldeia.

Um abraço índio a todos.

Edvaldo de Jesus santos Pataxó – brasil3@giron.sld.cu
Havana-Cuba, 15 de janeiro de 2006.

brasil3@giron.sld.cu

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

13 COMENTÁRIOS

  1. Olá pessoal do Thydêwá.Gostei de acessar o sit e ver a minha história públicada,mais felizmente o sit é isso mesmo,dos índios-com os indios e para os indios.Espero que outros estudantes indios,tanto da minha aldeia como das demais nao desanime diante das dificuldades e encarem os estudos em busca de melhorias para os nossos povos.Um forte abraco e fé na luta que o pai Tupa está conosco.Gracias Thydêwá.Havana-Cuba 23 de janeiro de 2006

  2. Ah! Gostaria de dizer que além deu,há outra Pataxó Ha Ha Hae(Maria da Glória) que também estuda medicina. Aqui,somos um total de 10 índios das tribos Pataxó Ha Ha Hae(BA),Tuxá(BA),Truká(PE),Pankararu(PE),Guarani(SP),Xucuru Kiriri(AL) e Macuxi(RR).

  3. Parabens pela força da moçedade, realmente é díficil acreditar que no século 21 sucedam ainda estas coisas tao velhas sem resposta nihuma.Acho que o homem tem muita falta de amor, o mundo está cheio de informática e novos aparalhos más seu coraçao está quebrado, nao sente mais nada. Acredito que só Deus terá a resposta, o homem da exemplos todos os dias de falta de humanidade……..más é formoso e muito impoortante o estudo para sempre ajudar.Adorei tua energia e compromiso com seu povo.Eu sou profesora, nas aulas , ontem estive falalndo dos Pataxós, e hoje sé muito mais de voces.Muito prazer

  4. Parabens pela força da moçedade, realmente é díficil acreditar que no século 21 sucedam ainda estas coisas tao velhas sem resposta nihuma.Acho que o homem tem muita falta de amor, o mundo está cheio de informática e novos aparelhos más seu coraçao está quebrado, nao sente mais nada. Acredito que só Deus terá a resposta, o homem da exemplos todos os dias de falta de humanidade……..más é formoso e muito impoortante o estudo para sempre ajudar.Adorei tua energia e compromiso com seu povo.Eu sou profesora, nas aulas , ontem estive falalndo dos Pataxós, e hoje sé muito mais de voces.Muito prazer

  5. Parabêns Edvaldo e Maria da Glória pelo grande feito em terras da Grande Cuba.
    É uma conquista importante para os Pataxó Hã Hã Hãe.
    É importante também a atitude do Nosso Comandante Fidel e de todo povo da Grande Cuba em formar os oprimidos da América Latina para enfretarem a luta com seus povos. É um ato revolucionário.
    Viva os Pataxó Hã Hã Hãe, Viva Fidel, Viva Cuba Livre!!!

  6. De Bal ,fiquei muito contente em ter tido a oportunidade de encontrar com escrituras suas, que sei que são verdadeiras, Olha estamos todos bem aqui no Caramuru , porém estamos com muita saudade sua e de Glória, ficamos esperando vcs no São João e vcs nao vinheram imaginamos que foi por causa de recursos. Mais estamos torcendo para que venham em um outro momento,dê um abraço em Glória e saibam que estamos torcendo muito por vcs.
    beijos.
    Daniella.

  7. soy cubana y tuve la posibilidad de conocer este muchacho Edvaldo Pataxó te admiro por tu sacrificios te deseo a ti y colegas muchos exitos te lo mereces te queremos mucho en cuba yami

  8. soy cubana y tuve la posibilidad de conocer este muchacho Edvaldo Pataxó te admiro por tu sacrificios te deseo a ti y colegas muchos exitos te lo mereces te queremos mucho en cuba yami

  9. ESSSA TRIBO =É MUITO ENTERESANTE POR PODEMOS APRENDE A VERDADEIRA ENDETIDADE ESSA TRI BO É SURPE OTIMA PARA PODER PESQUISA UAM TRIBO QUE PODEMLOS ENTERAGIR COM OS NOSSOS ENTRETERIMENTO E SABEDOERIA P/ QUE PODERMOS NOS DESENVOLVER

  10. Sou cursista na area de biologia da FTC, estou realizando uma pesquisa sobre as populações indigenas, e em meio as pesquisa li a sua trajetoria, Achei super interessante e resolvir deixar o meu recado.
    Você é uma forma de isnperação para muitas pessoas que desanimam em meio as pequenas pedras no caminho. Espero que retornes logo para perto das pessoas que amam e que assim como vc estão anciosos pelo seu retorno.
    Vitorias em seu caminho!!!
    Marcia Carmo.
    Ituberá- Ba!!!!

  11. hola valdo como estas!!!esperamos que estes bien y que tu pueblo todo se haya resuelto con los estudiantes cuidate mucho te queremos en cuba
    Fuerza y adelante!!!

  12. Estou fazendo um trabalho de escola e gostaria de umas dicas para fazer o meu trabalho.Voçes poderiam me dar umas dicas que posso adquirir no meu trabalho.Se voçeis puderem me enviem por e-mail…
    obrigado desde já mathues (pulga meu apelido entre colegas)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here