Quando chegamos na aldeia em 1986 encontramos uma linda mata, que nos deu abrigo,comida e água com abundancia.
Hoje sofremos em ver o que esta acontecendo com a mãe natureza.a mata em que vivemos é a única existente em Palmeira dos Índios, mas já não é tão bela como antes seus frutos já não é possível encontrar, a água que antes não precisava de tratamento, hoje precisa rigorosamente.
A muito tempo vem ocorrendo queimadas criminosas na nossa mata por pessoas que não gosta da gente e quer nos ver longe daqui.
Mas lutamos e temos e temos esperança de um dia rever o renascimento de nossa mãe,ou seja, a mata.
Estou pedindo encarecidamente a ajuda dos Irmãos, Ibama e greepeace, para que nos ajude a reflorestar nossa mata.

Kawyanã
17 anos.

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. kawyaná
    É muito triste ver, nossa mãe natureza sendo destruida e sofrendo. a naturza nos dar tantas coisas boas,frutas a sombra p/ descansarmos e tb a semente p/ podermos fazer nossos artesanatos.sou contra a destruição da mata , mas tem gente que não pessa nisso.por isso vamos lutar pela nossa mãe natureza e cuidar do meio ambiente……
    um abraço de sua parente
    yema kiriri

  2. Eu Sarapó wakonã xucuru kariri, filho da aldeia mata da cafurna em Palmeira dos índios fico muito triste em saber que a reserva da minha aldeia está sendo destruída não só pelos brancos mas também por meus parentes, que isso gente? vamos defender o que nosso, com coragem.

  3. é muito triste ver tudo se acabando por causa dos homens que não sabem raciocinar, o amor que eu tenho pela natureza é enorme, e pareçe q tão arrancando um pedaço de mim quando vão destruindo nossos antepassados…
    sou neta de uma índia muito sofrida e lutadora da tribo xukurú de pesqueira em pernambuco, e prometi em memória da minha vó que ia lutar pelos direitos indígenas..q iria estudar e acabar de vez com essa farça q fazem nos enganando e tomando o que é nosso.
    Ainda tenho 18 anos mais leio muito e estudo muito sobre isso, acho que nós temos que lutar com o que podemos pra acabar com isso, não depende só de mim e sim de todos!
    a FUNAI n se mexe como deveria pra ajudar..e o greenpeace não passa de uma empresa em que só é visado dinheiro!
    não importa o que aconteça eu não vou desistir…vou ser uma guerreira que nem minha vó foi, e vou lutar pra que meus antepassados não morram!!!!

  4. os indios presisa de ajuda e a mae natureza por as pessoa estao acabando com a natureza pricipalmente os fazendeiro.

  5. meu nome é josé marques da silva
    sou filho de Alipio Cassimiro Marques e Maria luiza marques
    o meu pai é das familias Cassimiro e Marques e por parte materna
    Carneiro, todos de Palmeira dos indios a minha mãe e filha de maria luiza
    indios desertádos no final dos seculo xix para o inicio do seculo xx
    minha vó é irmã de gerusa que mora na cidade de Craibas proximo a Arapiraca
    o seu filho chama-se roberto tem comercio em Craibas, tenho uma tia que mora
    em Maceió por nome LUCIENE, que todos conhecem por india LEU, o seu esposo
    chama-se EVERALDO.
    quem me deu estas informações foi, TÂMARA (SALVINHA), temho conhecimento
    com Kiriris, Kariris Xocó, Funiô, Patachós, onde não sou tratado como parene
    mas como INDIO, mas no meu sangue corre sangue XUCURU KARIRI.
    por favor se souber de auguma informação a mais me ajude, a buscar as minhas
    raizes. o meu imail esta aberto para receber. informações e voutar para
    minha terra para gerrear junto não só pela terra mas por dignidade e respeito
    moro na Bahia
    grato, aguardo com brevidade.

  6. eu acho que a funai deveria ter vergonha de nao ajuda os idios pois se ela foi escolhida para protejer deveria acatar com respeito o seu papel porque se nao nao poderia se diser ser um ogao em defesa do indio. oje com a cruise economica e a falta de recursos deveria ainda mai ajuda os idios e aguardo com pais e familiares a rregularisacao de uma terra para que seja feito e praticado os nossos rituais que estao sendo passado de geracao a geracao para que nao fique parado o nosso direito nas ma

  7. oi, meu nome é josé marques, sobrinho de luciene, a india leu fico acompanhando tudo de longe com muitos estudos sobre tudo que acontece, espero em breve poder estar juntos e trocar estas ideias, uma coisa é serta é hora de se juntar todas as etnias brasileiras e mostrar, não a força bração mas a força intelectual, não mais pedir miséricordia aos governantes mas mostrar a nossa força.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here