No dia 12/01/2011 houve uma Assembléia  na escola Pankararus, Aldeia de Saco dos Barros , a qual foi organizado pelo coletivo de professores , onde estiveram presentes os seguintes convidados , a Funai , a Secretaria de Educação de PE, a GRE- Floresta , Caciques , Pajés e lideranças cujo nosso objetivo foi apresentar verbalmente e em documento legal nossa decisão sobre uma organização unificada , dialogada e multiplicável uma vez que fazemos valer em nossas práticas educativas a educação escolar indígena diferenciada, específica e intercultural de qualidade na formação de guerreiros Pankararu em parcerias com os grandes líderes tradicionais , cujas missões são:

Dialogar os seus ensinamentos nos fortalecendo com os seus exemplos para o engrandecimento dos valores em busca de conquistas e jamais se empoderar de títulos para ditar como um rei no tempo do império, gerando conflitos dentro do próprio povo. Ferindo os princípios tradicionais de um povo. Porque o verdadeiro líder é aquele que tem o povo do seu lado caminhando na mesma direção, nas lutas , nas conquistas dos investimentos para a nossa nação.

Desta maneira queremos nossos direitos respeitados. O poder público faça cumprir os nossos direitos de organização contido na Constituição Federal e leis vigentes que asseguram a educação escolar indígena.

Segue documento com nossa decisão!

Povo Pankararu

Etnia Pankararu

Em virtude de vários acontecimentos referentes ao processo educacional do Povo Pankararu, nós professores , professores responsáveis e todo corpo docente vimos através deste abaixo assinado firmar nosso compromisso com a educação indígena, e solicitar junto a Secretaria Estadual de Educação de Pernambuco, a permânencia da coordenação atual , uma vez que vem desenvolvendo um trabalho unificado com todas as escolas sem diferenças , pensando na reorganização da nossa educação diferenciada de forma responsável e comprometida com a qualidade de ensino do nosso Povo. Por esse motivo não somos de acordo pela volta de dois pólos, pois sabemos dos atritos e diferenças que existia nessa divisão que emperrava todo processo educacional do nosso povo.

Tendo em o Art. 231 da Constituição Federal de 1988 que reconhece nossa forma de organização social, costumes,línguas, crenças e tradições, se faz necessária que os direitos sejam garantidos e prevaleça  a decisão dos professores e todo corpo escolar que prima pela educação séria de forma comprometida e responsável.

Patrícia Pankararu

Professora Indígena

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Realmente é preciso concentrar todos os esforços em uma mesma direção, a divisão, principalmente para nós indígenas, apenas enfraquece. É preciso pensar na coletividade, principalmente quando tratamos da educação indígena, que é a principal arma para vencermos as desigualdades, preconceitos e outros males que atingem nossa sociedade.

    Cícero Ângelo
    Professor Pankararu

  2. Patrícia: homenagem se faz enquanto o artista está vivo e quero parabenizar o nosso povo Pankararu, pelas excelentes ideias de mostrar cara à cara, frente à frente a realidade da vida,principalmente quando se fala em EDUCAÇÃO: Que tipo de educação temos para ofertar e preparar nossos educandos para assumirem o futuro de novas gerações. Eu:Miguel Pankararu, Técnico em Gestão Escolar ao longo de muitos anos, sentia a ausencia do nosso tutor principal: Orgão FUNAI, que teve a visão dos fatos vivenciados e posteriormente fazer os encaminhamentos ao Poder Público, espero que o Poder Público por sua vêz Cumpra-se respeitando as Leis Diretrizes e Bases,devolvendo-nos a liberdade e a dignidade de conviver juntos aos outros povos sem, violência, mentiras e o bem estar da nossa sociedade, sendo assim estaremos em paz com o nosso Deus e nossos encantados.

  3. Patrícia: homenagem se faz enquanto o artista está vivo e quero parabenizar o nosso povo Pankararu, pelas excelentes ideias de mostrar cara à cara, frente à frente a realidade da vida,principalmente quando se fala em EDUCAÇÃO: Que tipo de educação temos para ofertar e preparar nossos educandos para assumirem o futuro de novas gerações. Eu:Miguel Pankararu, Técnico em Gestão Escolar ao longo de muitos anos, sentia a ausencia do nosso tutor principal: Orgão FUNAI, que teve a visão dos fatos vivenciados e posteriormente fazer os encaminhamentos ao Poder Público, espero que o Poder Público por sua vêz Cumpra-se respeitando as Leis Diretrizes e Bases,devolvendo-nos a liberdade e a dignidade de conviver juntos aos outros povos sem, violência, mentiras e o bem estar da nossa sociedade, sendo assim estaremos em paz com o nosso Deus e nossos encantados.

    Miguel Pankararu
    Educador Social

  4. Tudo que conquistamos foi e é por meio da luta. Assisti ao depoimento da nossa cacique vi as dificuldades enfrentadas por eles por esperar que alguém faça algo para mudar a situação espero sinceramente que eles sejam vitoriosos que haja união, porque até hoje eu estou tentando entrar em uma faculdade por não ter em minha infancia uma boa qualidade de ensino e acredito que se os governantes atentarem para o nosso pedido de socorro a educação correta, teremos uma sociedade com igualdade e sem preconceito pois todos nós temos o direito de dizer não só como indígenas mas também como cidadão brasileiro que sem a unificação tudo será muito mais complicados, porque o que temos de diferença é só a nossa cultura contudo não deixamos de ser brasileiros.

    E que Deus nos abençoe.

  5. Quando pensamos em qualidade de ensino, a palavra de ordem é união,união entre corpo docente, discente e o povo, porque nossa educação se dá com os ensinamentos dos mais velhos ,e eles nos ensinaram e nos ensinam a trabalhar na coletividade. Portanto, unificar as escolas só vai somar forças para termos uma Educação Especifica Diferênciada e Intercultural de qualidade, podendo mostrar um resultado positivo do nossos trabalhos dentro e fora do Povo.

    Espero que os Poderes público faça valer nossa decisão e as lideranças percebam o desejo do seu povo. UNIFICAÇÃO DE TRABALHO NAS ESCOLAS.

    Maria José Pankararu-Professora

  6. LEI Nº 9.394 de 20 de Dezembro de 1996
    Capítulo II – Da Educação Básica
    Seção I – Disposições Gerais
    Art. 26 – Os currículos do ensino fundamental e médio devem ter uma base nacional comum, a ser complementada, em cada sistema de ensino e estabelecimento escolar, por uma parte diversificada, exigida pelas características regionais e locais da sociedade, dacultura, da economia e da clientela.

    A conquista com a luta é uma caracterítica do povo indigena,infelizmente toda sociedade brasileira tem que ir em busca dos direitos já estes assegurados diante da lei.

    Rivany Burgos Docente

  7. LEI Nº 9.394 de 20 de Dezembro de 1996
    Capítulo II – Da Educação Básica
    Seção I – Disposições Gerais
    Art. 26 – Os currículos do ensino fundamental e médio devem ter uma base nacional comum, a ser complementada, em cada sistema de ensino e estabelecimento escolar, por uma parte diversificada, exigida pelas características regionais e locais da sociedade, dacultura, da economia e da clientela.

    A conquista com a luta é uma característica do povo indigena,infelizmente toda sociedade brasileira tem que ir em busca dos direitos já estes assegurados diante da lei.

    Rivany Burgos Docente

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here