Sempre levamos a comida pronta, feita da massa da mandioca, pra comer com carne de caça, pra não esquecer dos nossos passados. Na hora de comer dividimos tudo. Nossos costumes nunca se acabam, porque sempre cuidamos e sempre ficam guardados na natureza é uma semente basta nós procurarmos e continuarmos nossos costumes.

Marcelo Kiriri

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

17 COMENTÁRIOS

  1. conservar seu passado Marcelo é fazer com que seus costumes sobrevivam , sou uma simpatizante deles , penso que a mémória de seu povo é um exemplo de comunhão com a vida …um abraço …Helena

  2. Anué, Marcelo!
    Companheiro, sua vida pessoal já é um exemplo de luta e resistência! Guerreiro q é, faz da liderança um espaço para formação de novos líderes!
    É muito bom ter um amigo como vc!
    O povo Kiriri, tem um tesouro pq tem vc como um de seus grandes líderes!
    Um grande abraço,
    de sua ydhoi, Juliani.

  3. BOM QUERIDO PESSOAL,TENHO QUE LHES DESEJAR TUDO DE BOM,PQ VCS SÃO PESSOAS QUE “LUTAM”POR SEUS DIREITOS.SÃO PESSOAS QUE AO POUCO CONQUISTOU A TODOS NÓS COM SEUS JEITOS DE PESSOAS SIMPLES E EDUCADOS(as).
    BOM VOU TERMINANDO POR AKI LHES DESEJANDO DO BOM E DO MELHOR,TORÇO MUITO PELA FELICIDADE DE CADA UM DE VCS!

    ABRAÇOS: LAIANE

  4. Quando eu escrevi o Livro que contem a História do Município de Muquém do São Francisco, fiz questão de incluir uma pagina com o titulo”Cacique Mulher entra para a história do Brasil”, me referia a estimada Aldeia dos Índios da tribo dos Kiriris, pois esta aldeia tem a Senhora Maria Kiriri como lider e coordenadora do grupo.Creio que a Honrosa História do Município de Muquém estaria incompleta se não tivesemos uma representação indigena em nosso meio e ao vivo, pois temos conhecimento e provas de que na Vila de Piragiba viveu a tribo mais antiga do Estado da bahia que foram os índios Aratus mais de 800 anos, e os Tupiquaratins mais de 500 anos.É por esta razão que digo a História estaria incompleta se não tivesemos a aldeia dos índios Kiriris hoje presente, por isto estes índios estão de Parabéns e também o Município por meio do Prefeito Sr.José de Nicolau que apoia a comunidade índigena dos Kiriris para que seja preservado a cultura e tradição da mmesma.Temos também os índios de uma outra tribo que vivem ainda na comunidade da Passagem a esprera de uma reserva independente também.Parabens a todos e que Deus os abençõe. Mons.padre Bertolomeu Gorges.Administrador da Paróquia de Sta Luzia.

  5. Eu, Mons.padre Bertolomeu Gorges, atual administrador da Paróquia Sta Luzia, da qual a Aldeia dos índios Kiriris é uma comunidade, tenho dois sonhos:1ºmorar um tempo no meio da Aldeia e o 2ºescrever um livros que conta a vida real desta comunidade indigéna 24 horas por dia,para aprender um pouco dos costumes, cultua e assim resgatar e preservar a história desta gente boa nos dias de hoje. Meus parabéns mil vezes, a Cacique Sra.Maria Kiri e o Page e todos da Aldeia. E a nossa homenagem vai para a índia mais idosa
    da Aldeia dos Kiriris.Boa sorte, sejam felizes.

  6. Sou natural da cidade de Tapiramutá-Bahia. Na história da nossa cidade os índios paiaiá habitaram aqui.Por isso o nome da cidade é Tapiramutá, nome indígena.Tapir( anta/animal) e mutá espera).É vísivel no povo da cidade as características indígenas.Estou fazendo um projeto pedagógico sobre nossos antepassados e descocbrir que os paiaiás, também são chamados de kiriri. Espero manter contato com vocês para melhores informações a respeito dos indios paiaiá(kiriri).
    Abraços.

  7. Todas as tribos devem cuidar para que seus costumes fiquem gravados independente de qualqer coisa, tomar cuidado com os políticos corruptos que tomam a frente de nossa comunidade.
    Tenho apenas 15 anos e vejo as dificuldades que pessoas passam por causa da injustiça brasileira. Nossos políticos gozam do nosso dinheiro e não recebem punição nenhuma além de altos imposto que somos obrigados a pagar. Devíamos seguir um pouco do comunismo que da igualdade a todos. Abraços.

  8. Estou na net fazendo uma pesquisa sobre cultura e costumes indígenas para ajudar a tarefa da escola de minha filha de 4 anos. Estou fascinada com algumas das histórias sobre os povos indígenas aqui na internet. Fascinada e, ao mesmo tempo, chocada com tamanha crueldade imposta aos índios desde que os colonizadores aqui chegaram. Até hoje a gente percebe que o índio ainda fica em segundo plano, vivendo em condições precárias e que não lhe é dada a devida importância. Ouvi dizer que a mãe da minha bisavó era índia pura e casou-se com um senhor português. Independentemente de ter ancestrais indígenas, sou a favor da causa indígena e procuro levar as pessoas a refletirem e lutarem por ela.

  9. “Um mosquito que apanhavam no corpo, um piolho, um gafanhoto, uma lagartixa que passa correndo, nada escapa.”.
    As narrativas dos primeiros cronistas e dos viajantes que perlustraram nossas plagas estão repletas de referências neste sentido. Os mandacurus estudados por S. F. Hartt (Arq. Mus. Nac. 1885) comiam, além da carne de jibóia, jacaretinga, etc.., muitos outros insetos. Comiam várias lagartas, bichos-de-coco, algumas formigas e certas espécies de cupins.

  10. “Um mosquito que apanhavam no corpo, um piolho, um gafanhoto, uma lagartixa que passa correndo, nada escapa.”.
    As narrativas dos primeiros cronistas e dos viajantes que perlustraram nossas plagas estão repletas de referências neste sentido. Os mandacurus estudados por S. F. Hartt (Arq. Mus. Nac. 1885) comiam, além da carne de jibóia, jacaretinga, etc.., muitos outros insetos. Comiam várias lagartas, bichos-de-coco, algumas formigas e certas espécies de cupins.

  11. Boa gostaria de mais informações sobre antigols habitantes da cidade de TAPIRAMUTÁ minha terra natal.
    índios Paiaiá quem tiver mais informações porfavor compartilhe

  12. Boa noite,sou de Salvador e estou pesquisando sobre cultura e costumes indigenas.
    Gostaria de conhecer mais sobre os Kiriri e se é possível visitar aldeias na Bahia,
    obrigado

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here