Na nossa luta, nós sempre tivemos

Na nossa luta, nós sempre tivemos a iniciativa do nosso ritual, que é a dança tradicional, cultural, religiosa do nosso povo. E nós, baseado nesse resgate da dança, do nosso ritual, nós começamos a idealizar de que o movimento indígena só iria para frente com o nosso ritual, a nossa dança, onde nós consideramos como um dos pontos mais fortes na nossa luta. Quando estamos tristes, nós dançamos para ficar alegre, se tivermos alegre, nós dançamos para comemorar nossa alegria.

E o ritual sempre foi para nós uma coisa importante. Os nossos troncos antepassados, jamais eles teria reconhecimento de uma festa, um forró, um samba, mas sim, o povo todo sempre comemorava aquela dança.

Também hoje nos temos o casamento que nós mesmo realiza através da nossa dança, através das pessoas responsáveis por esse ritual, que é o Nailton, Maria Muniz, Manezinho e os outros que faz parte dessa equipe de comemoração religiosa. Para fazer um casamento, o padre exige que aquele casal que vai se casar seria de maior, porque ele não podia fazer o casamento de menor. Isso nós considera um desrespeito à nossa cultura, nossa tradição em relação ao casamento, porque o índio casa cedo, até mesmo para evitar de que haja mistura mais do que já aconteceu nas nossas áreas, aqui na nossa área indígena.

Então a gente mesmo somos quem comemora esse casamento religioso e tradicional, considerado como casamento indígena.

Nesse casamento nós temos a oração, temos o incenso e o cachimbo que é para espantar o mal, naquele momento as fumaças incensadas, as fumaças cheirosas, com a resina do jatobá, com a resina da amesca, com o capim de aruanda, com o capim santo, com herva cidreira, entre outras raízes cheirosas que mistura para que seja incensado esse casamento e consagrado, considerado que essa fumaça levou todo o mal. A partir desse momento, nós desenvolvemos nossa oração e comemoramos com a dança, a dança do ritual. Após essa dança do ritual tem a falação de oração pela professora Maria Muniz, e tem a consagração do casamento por Nailton, que foi a pessoa escolhida para ser o orador dessa oração, o realizador desse casamento.

Nessa comemoração do casamento, nós temos também a bebida tradicional, que é uma bebida bem preparada. Ele tem sete apreparo. Nós temos o caldo da cana, que a cana é moída para tirar o caldo, nós temos a mandioca, que botamos para pubar no caldo da cana juntamente com mel de abelha. Isso vai para dentro de um pote e é enterrado por oito dias, e depois desses oito dias ele á arrancado, coado. E temos mais quatro apreparos, que isso é um segredo que nós temos guardado, que até então não fomos autorizados a divulgar esses apreparo que é guardado em segredo. Mas o que mais rende na bebida tradicional seria o caldo da cana, a mandioca e o mel de abelha.

Nós temos um aviso de que só podemos falar tudo em relação à preparação dessa bebida após um encontro de pajé que a gente estamos planejando aqui na nossa área.

Hoje os Pataxó-Hãhãhãe já ocupou aproximadamente quase 16 mil hectares de terra aqui na região, e a gente agradece, a maior parte, é a resistencia de todos, baseado no ritual. Sem o ritual a gente não consegue reagir, resistir a qualquer tipo de pressão.

Nailton Pataxó

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

19 COMENTÁRIOS

  1. Olá,

    Encontrei por acaso esta página durante uma busca no Google por “casamento indígena” e gostaria de tirar algumas dúvidas. Sou branco, católico não-praticante, brasileiro e gostaria de saber se existe alguma maneira de eu realizar um casamento com minha namorada – também branca, católica não praticante e brasileira – em algum ritual indígena.
    Peço desculpas se esse não for o local mais indicado para eu tirar essa dúvida, mas infelizmente existe uma grande falta de informação desse tipo.
    Enfim, agradeço a atenção e aguardo uma possível resposta.

    Um grande abraço.

  2. ola!
    eu queria que vcs mandase um tipo de relatorio do que os indios comem nos rituas ne todo o ano.
    um abraço e por favor manden o que eu estol lhes pedindo.

  3. Caros. estou produzindo para a Revista Época uma reportagem sobre o casamento em diversas culturas. Gostaria de conversar com vcs sobre o casamento indigena e gostaria também de saber se vcs tem fotos de divulgação. Tenho um terrível problema de prazo, gostaria de falar ainda hoje. Vcs podem me ajudar
    Miriam Kênia
    11 8193 4267
    Obrigada

  4. Boa Tarde,

    Esses dias assiti um programa onde a Regina Cazé comentou sobre uma arvore com o nome de AMESCA, onde é extraida uma resina, muito boa para sinozite, gostaria de saber se é possiver conseguir a resina.

    Desde ja lhes agradeço a atenção.

    Fraternalmente,

    Carlos
    Florianopolis/SC
    BRASIL

  5. Boa tarde,

    Encontrei por acaso esta página durante uma busca no Google por “casamento indígena” e gostaria de tirar algumas dúvidas. Sou branca, católica não-praticante, brasileira e gostaria de saber se existe alguma maneira de eu realizar um casamento com meu namorado – também branco, católico não praticante e brasileira – em algum ritual indígena.

    Agradeço a atenção e aguardo uma possível resposta.

    Um grande abraço.

  6. Fiquei FELIZ por encontrar essas informações! Estava fazendo uma pesquisa sobre rituais de casamento e iniciei pelo Indígena, porque respeito muito a sua cultura e admiro a persistência do seu POVO. A dança é uma forma de expressão do corpo que alegra a Alma, por isso é uma maneira de resistência também, visto que os índios se
    revigoram tanto fisica e quanto espiritualmente. PARABÉNS
    PELA PERSISTÊNCIA, FÉ, ALEGRIA E CORAGEM!!!!

  7. com fe em tupã podemos venser qualquer barreira sao esses rituais que dao força a esse povo sofrido thoy_19@

  8. isso é maravilhoso,muito legal mesmo.obrigada

    thank you friends!!!

    ass:ROANA DE PORTO VELHO , RONDÔNIA

  9. Estou precisando de material sogre tradições familiares indígenas para serem trabalhados com adolescentes. Se possível me dar uma direção de onde encontrar.

  10. Sou Serventuária do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá e membro da Comissão do Projeto CASAMENTO COMUNITÁRIO. De 2002 até 2006, realizamos 5.800 casamentos nas mais diversas comunidades, templos, igrejas, salões comunitários, estádios de futebol, pontos turísticos (como o monumento Marco Zero, no meio do mundo, onde metade dos casais estavam no emisfério Norte e outra metado no emisfério Sul).

    No Amapá, existem diversas tribos que nos procuraram para a realização do projeto nas aldeias. Porém, sabedores que existem costumes e tradições a serem respeitadas, o Tribunal de Justiça pretende realizar a cerimônia, respeitando a cultura do Povo. O casamento Comunitário Indígena será realizdo no dia 08 de dezembro de 2007, porém, gostaríamos que receber registros fotográficos entre outras informações, visto que toda logística, vestimento e coquetel é fornecido pela comunidade que é parceira do Projeto.

    Conto com a colaboração.

    Respeitosamente,

    Odete Scalco.
    Corregedoria – TJAP.

  11. Respeito muito a cultura indígena e faço questão de leva-la até meus alunos sempre!Sempre que posso estudo um pouco sobre vários assuntos dessa cultura maravilhosa e rica. Mas pesquisando no Google sobre como encontara a resina de Jatobá,deparei com o site de vocês e pude saber que vocês usam em cachimbo essa resina num ritual de casamento para espantar o mal. Só que eu gostaria de saber como encontrá-la para compra.Estou precisando da resina de Jatobá para a cura de mal do estômago. Poderiam me ajudar?
    (31)88692981
    Rosa/Minas Gerais

  12. Gostaria de saber mais sobre o ritual do casamento indigena, pois a cultura indigena e o assunto desse semestre no colegio.
    Famos fazer uma peça com o assunto, por isso gostaria de me enforma da grades e do casameno indigina se tem rituais especificos entre outras coisas.
    gostaria de resposta.

    BEJOS,
    Ana Carolina

  13. Tenho orgulho de ser india,a nossa cultura é muito rica e nosso povo é muito sabio,so falta os governantes do nosso país reconheçer isso para que nos possa evolui cada dia mais ,creio que um dia nois vamos mostra as nossas riquesas,o nosso povo é guerreiro e nunca vai deziste da nosso luta com fé em nosso pai tupã irremos vençer essa luta que pareçe ñ ter fim.

  14. as odeias do paje e muito importante para todos us indios de todas tribus de todo pais da america latina e importante pq o paje ensina as pessoas a ser elas mesmas ♥♥♥☻☻♥♥♥

  15. Sou brasileira,professora e tenho dúvidas sobre o ritual de casamento indígena brasileiro.Caso encontrem alguma sugestão ou mesmo uma fonte mais correta sobre o assunto(casamento indígena),peço que comuniquem comigo.
    Agradeço desde já.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here