Nós índios, normalmente, temos uma vida de hábitos rurais, e na maioria das vezes nossas aldeias ficam distantes das cidades. Por isso, de modo geral, temos menos acesso à tecnologia eletrônica que as pessoas que vivem em cidades.
A primeira tecnologia desse tipo que chegou na minha aldeia Caramuru Paraguaçu foi o radio. Lá não tínhamos energia elétrica, e os aparelhos de rádio podem funcionar com pilhas. Por isso nosso primeiro contato com a tecnologia de informação foi com esse aparelho. Começamos então a ter um tipo de interação com a população circunvizinha, pois através dos programas que ouvíamos nas rádios, ficávamos sabendo das notícias, dos recados e das músicas que eram ouvidas pelas outras pessoas. Com o rádio dá para ouvir emissoras até de cidades mais distantes como Salto da Divisa.
Depois, algumas poucas pessoas conseguiram adquirir pequenos aparelhos de TV que podiam ser ligados à baterias. Eram aparelhos muito pequenos e em preto e branco. Como poucas pessoas tinham aparelho de televisão, muitas se reuniam em torno de um mesmo aparelho para poder ter acesso à informação que chegava. Não deixava de ser uma experiência interessante, pois muitas pessoas se reuniam todos os dias em uma mesma casa, para assistir a algum programa como uma novela ou um filme. Normalmente só dava para assistir um filme e uma novela, ou duas novelas por causa da bateria que não durava muito.
Depois com a chegada da energia passamos a comprar TVs maiores e coloridas. Também podiamos ficar assistindo por um tempo ilimitado. Apesar disso, essas tecnologias, a TV e o radio, ainda nos proporcionam pouco, pois com elas apenas temos a oportunidade de ver programas feitos para pessoas de fora das aldeias, já que as empresas de TV fazem muito mais programas com esse objetivo.
Com o tempo nos chegou o telefone, essa tecnologia permitiu a comunicação com parentes que estavam fora da aldeia, podíamos falar com outras pessoas sem ter que nos deslocar até elas. Isso já nos facilitou muito a vida, e em muitos casos nos deu a oportunidade de pedir ajuda médica em casos de urgência, e denunciar para jornalistas e para órgãos de apoio a causa indígena, situações difíceis que muito vivemos no passado e que ainda continuamos a viver.
Ganhamos uma radio comunitária, que além de servir para ouvir musica, nos ajuda a nos comunicar uns com os outros, já que temos pessoas morando em partes mais distantes na aldeia.
Ao longo de nossa história, muita coisa aconteceu e ainda acontece. Tínhamos necessidade de divulgar alguns fatos, mas não tínhamos nenhum meio de comunicação possível de ser usado, que nos permitisse passar para a sociedade nossas dificuldades.
A tecnologia que tínhamos a nossa disposição não permitia que nos comunicássemos para fora da aldeia, a não ser o telefone, que tem a limitação de só servir para falar com uma pessoa, normalmente não serve para divulgar as coisas para muitas pessoas de vez. Atualmente, chegou outra tecnologia que revolucionou a nossa relação com a comunicação. Essa tecnologia foi o computador e a internet, e com a chegada da internet essa situação mudou. Hoje podemos passar para o mundo todo nossas histórias, e ter a oportunidade dos não índios nos conhecer melhor, e nos respeitar como povos que tem culturas próprias. Antes, para poder levar nossas histórias para o mundo, precisávamos de jornalistas, antropólogos e outras pessoas de fora da aldeia, que levavam a informação que queriam passar, e não necessariamente a que estávamos querendo passar.
Algumas pessoas não índias tem um certo preconceito por nós índios estarmos usando a tecnologia, acham que este fato pode nós fazer perder nossa cultura. Isso, porém, não é verdade, a tecnologia pode nos trazer beneficio sem nos trazer mudanças ruins. Muito pelo contrário, a internet nós ajuda muito no resgate cultural, pois pela internet discutimos com outras tribos, e fazemos contatos que nos ajudam na nossa causa.
A principal importância da internet para nós índios é que, vamos ter contato com o mundo de qualquer forma, mas a internet permite que possamos escolher o que vamos querer absorver para nossas vidas, ao passo que a televisão e a rádio não nos dão opção. Ainda mais importante, na internet estamos criando um espaço indígena, e nele tomamos conhecimento uns dos outros. Já usamos vários serviços para isso, temos sites nossos, temos índios no Orkut com comunidades indígenas e isso nos ajuda até a combater os preconceitos que existem a nosso respeito. E, o que considero muito importante, nos nossos espaços somos nós que escrevemos. Assim passamos o que queremos passar, e temos a experiência de ter que comunicar nossas idéias de modo que todos entendam.

Olinda Muniz Wanderley

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here