Apesar das misturas que houve nós não sentimos feliz com este fato, por que nesta época os índios aforados a se misturarem como os não índios, mas a nossa geração não se acabou existe aqui índio que não possuem mistura de não índio estamos preservando essa nação para geramos mais povo sem mistura.
Os individuo mestiço nunca deixa de preservar a sua cultura, os seus pais não índio passam a conviver como os índios seguindo algumas regras: respeitam os costumes indígenas, não podem participar dos cultos religiosos como o toré, não pode opinar na questão da terra.
Essas regras são criada não é porque temos preconceito com os não índio casado como os índios, foi criado isso para não causar transtorno entre os índios.
Eu Yonana irei falar de uma historia de uma mulher bastante sofredora, mas uma grande guerreira que convive como os índios desde que se casou com um índio Pataxó Hãhãhãe, mas ela não é índia. O seu nome é Maria Izabel que se se casou com o índio Jacinto Rodrigues que era Liderança do Posto Indígena Caramuru Paraguaçu, recém casada veio mora na aldeia do Panelão, junto como a família de Samado, Justina.Tempo depois Samado e Saracura, Nailton,começaram a lutar pela sua terra que se encontrava nas mão do fazendeiro Jener que ocupava a Aldeia Caramuru.
Depois de muitas lutas retomou a fazenda São Lucas, conhecida hoje como aldeia Caramuru Paraguaçu chegando em 1982 como 300 famílias.
Apesar da resistência houve muito conflito entre índio e fazendeiros, entre os grileiros destacam Pedro Leite, Jener, Mundinho Alves, que se reagiu contra os índios tentando exterminar os índios, mas graça a Tupã resiste mos a retomada com vidas.
Mas em 1936 aconteceu uma grande tragédia na aldeia que ficou marcado no povo Pataxó Hãhãhãe, ocorrendo uma grande guerra entre índio e fazendeiros.
Neste conflito foram assinados dois índios Karapicho, Jacinto, o índio jacinto quando morreu deixou com a sua esposa 6 filhos pequenos. A viúva Maria Izabel começou a batalhar para criar os seus filhos passando uma difícil situação. A então Funai não deu nem uma assistência as crianças, depois de 12 anos a Funai depois em fazer uma pensão das 3 crianças de menores até quando se tornasse de maior de idade.
Eu Yonana sempre me sinto triste com esta causa, perdir o meu pai na luta desta terra quando era criança, nós nunca nos conformamos com a perda do meu pai, sentimos bastante a sua falta, nos sentimos triste que nunca sentimos o carinho de pai o que sentimos é uma grande tristeza. A única coisa que ele nos deixou foi a sua historia por ser um guerreiro e lutador pelo o seu povo deixado pelo o seu povo.
A sua morte não teve nem uma justiça assim como as 16 Lideranças que os fazendeiros tiram a suas vidas.
A minha mãe não tem alegria desde que seu esposo faleceu. De tanto trabalhar o seu corpo se encontra bastante casado de tanto tomar sol quente, a usa saúde é muito precária.Assim que ele faleceu não teve nem uma ajuda, só tinha auxílio de alguns índio que davam um pouco de alimentação para o seus filhos.mas com essa triste vida que nós passávamos pensávamos de contar como ajuda da Funai mas foi engano não se importaram com que tinha acontecido.
Sofremos bastante desde que meu pai morreu, mas graça a Tupã estamos todos criados, mas sem pai; com ajuda da mãe terra nos tornamos um povo forte.

Yonana Pataxó

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Yonana,
    Voce é realmente corrajosa!
    Escrever sobre tua propria mae como uma guerreira!
    Uma guerreira branca de pele é india de alma!
    Voce é pura! Que tua mae seja branca nada tira de voce. Que tua mae seja branca nao muda quem voce é.
    Você é india porque leva sangue de india, porque vive a cultura dos indios, porque os indios lhe reconhecem… Você é uma pura guerrera que luta por seu povo, por justiça!
    Eu, como Samuel e outros admiramos sua coragem, sua percistencia, sua força de vontade, sua garra… Mas, concordo com Samuel que vale a pena, parar para refletir sobre os conceitos de “raça pura”, que ate agora só tem trazido problemas para o mundo. A pureza de nós seres humanos, nao esta na mistura de sangues e sim no CORAÇÂO!
    Voce é uma pura guerreira de luz… E hoje é um bom dia para re-pensar em tudo… desprenderse de preconceitos, trazendo luz a sua alma e evoluindo! preparandose para ser cada dia mais luminosa, o que trairá felicidade para teu povo!
    Continua pra frente!
    Sebas

  2. Olá,

    Sou neto de Jener Pereira Rocha, apontado nessa matéria como Grileiro e na verdade a fazenda São Lucas foi Herança dos pais da Mulher dele, Dona Helena.
    Fico muito triste em ver o meu avô que lutou tanto naquelas terras, muitas bemfeitorias estavam lá e derrepente ele teve que sair às pressas entre flechadas e coisa e tal.
    Bom é isso, espero que meu comentário seja de serventia …

  3. Quero atraves desse texto esclarecer equívocos cometidos por tais indios, sou neto de jener pereira rocha , tenho conhecimento do que realmente aconteceu nessa situação , o indio nao tinha e nao tem direito nenhum de invadir propriedade privada legalizada e produtiva , você já se imaginou um indio entrar e falar que vai invadir sua casa? pelo simples fato dele ser um indio ! foi o que aconteceu no nosso caso, no momento em que se refere a “jener” como grileiro, você errou , grileiro nesse caso foram os indios , que atraves da violencia e uma justificativa deplorável querendo apossar-se da coisa alheia. Se a justiça fosse feita esses indios que invadiram ,destruíram,roubaram carros ,bois, fizeram uma familia de bem passar momentos de desespero, deveriam ser presos , que estes sim sao os veradeiros a margem da sociedade travestidos de indios !! Na passagem do texto acima Yonana Pataxó declarou “mas graça a Tupã resistimos a retomada com vidas” digo-lhe resistiu com vida pois nao estavam lhe dando com outros indios e sim com homens de bem ,que seriam incapazes de usar o meios que os indios usaram !!

    espero que tenha esclarecido esse que é “lobo em pele de carneiro”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here