Nas comunidades indígenas ervas medicinais tradicionais são muito usadas, porém em aldeias de Dourados isso reverteu-se. Principalmente devido a influência de culturas não indígenas. Em algumas aldeias de Mato Grosso do Sul, para cada doença havia sempre uma erva que as mães das famílias indicavam, esse conhecimento era adquirido há algum tempo pelos “Nhanderu ou Nahde’sy”.
Um exemplo de erva mais usada para diarréia é folha de goiaba fervida, quando o doente tivesse sede em vez de água que tomasse chá de folha de goiaba. A cura dava-se com tempo em média de 1 dia ou menos. Também indicavam que o indivíduo comece a goiaba verde. Para vômito era chá de folha de abacate. Para dor de cabeça, indicam lavar a cabeça com a folha ou a casca de uma árvore chamada “siedro”. E geralmente a pessoa teria pesadelo ao dormir, segundo eles era o remédio fazendo o efeito, a folha ou a casca devia ser fervida. A babosa usada para cicatrização e para queimaduras.
Outros como preventivos de gravidez, a planta “menbỹ’ ỹijá” o chá devia ser tomado na primeira mestruação, a mulher tornava-se estéril, ela corria o risco de ter cólicas forte. Para gripe fazemos chá de limão com mel ou chupamos laranja assada, para dor de garganta “wvyrá pỹtã” é usado para fazer gargarejo. Esses são apenas alguns remédios tradicionais citados, dentre vários que existem. Alguns conhecimentos de plantas medicinais tradicionais perderam-se com o tempo e essas ervas tornaram-se escassas, o fácil acesso agora de remédios industrializados para alguns, nos postos de saúde e outros locais facilita para o uso do mesmo.
Com as mudanças, hoje as mães das famílias indicam remédios industrializados, tomamos Dicoflenaco como anti-inflamatório, também usado para febre e dores no corpo. Quando não há Diclofenaco usamos Paracetamol como anti-térmico.
Quando estamos com tosse ingerimos xarope, tomamos soro para hidratar, usamos pomada para feridas, as mulheres usam anti-concepcionais e outros para evitar gravidez.
Esses fatos estão se tornando freqüente nas aldeias do sul de MS, é preciso ter a consciência e não deixar que conhecimentos de medicamentos tradicionais de Guarani/kaiowá se perca com o tempo, mesmo que passamos a usar medicamentos industrializados.

Indianara Ramires
kunha Rory Poty Hendy’i ou kunha Poty mi

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Linda Matéria!!!!

    É triste ver como o CAPITALISMO despreza a Saúde e impõe o Sistema de doença e vicio dos medicamentos industrializados!!
    Impõe ate para aqueles que tem uma tradição milenar de sabedoria e encontro com as ervas, com a Natureza… Joga conhecimentos tradicionais, patrimônio, por uma caminho sintético de camuflar os sintomas…

    mas…Ha no mundo muitas pessoas acordadas e muitas acordando..e muitas mudando seus hábitos…buscando mais a Saúde holistica… valendo-se de Plantas…e de outros tantos caminhos que o Sistema chama de ALTERNATIVOS… Bom pelo menos na palavra tem “NATIVOS”…. Reconhecendo que muito desses caminhos alternativos bebem da Ciência dos indígenas… Mantenhamos juntos essa conexão com a Fonte… Fortalecemos nosso Ser na sua dimensão real, a Natural!!!!

  2. Otima matéria Indianara e Cunhã poty , realmente , se faz necessário , mais que urgente , um resgate desses valores e saberes tradicionais , que estão se perdendo com o tempo. Mais doque nunca deve haver um intercâmbio entre médico e pajés ( ou como é chamado em cada povo indígena ). Oque já vem ocorrendo em hospitais de grandes capitais como Manaus. Muitas vezes , certas doenças , podem ser melhor identificadas pelos lideres espirituais indigenas , que atuam diretamente no dia a dia da aldeia , e sabe melhor que ninguem do universo indígena. Um abração !!! excelente os esclarecimentos de vcs !!!!

  3. Pois è Indianara e Kunha Poty, a quimica tomò o lugar dos remedios naturaes e agora que as pessoas estào tomando conciencia que todos os remedios quimicos provocam efeitos colateral atè muito grave, estamos voltando aos remedios naturaes chamando-os de alternativos, como diz o Sebastian “pelo menos tem NATIVOS” rssssss!!!! Ainda mais me parece que quase todos os remedios quimicos sào sintetizada de ervas e plantas!! Aquì na Italia tambem os chamam de “medicina alternativa”!! minha Avozinha quando eu tinha dor de barriga preparava casca de limào fervida, a chamava de “limonina” e a dor de barriga passava rapidinho em meia hora, hoje em dia nem se presta mais atençào aos anciaes e a sabedoria que eles tem, aquì na Italia sào muito mal tratados, que vergonha tenho pelo mèu povo, mas deixa pra là!! Muito interesante esta materia seria pra desenvolver mais. Muito obrigado pelas interesantes informaçoes sobre plantas medicinàl.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here