Nós acadêmicos indígenas, reunidos em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, nos dias 11 e 12 de junho de 2011, viemos por meio deste manifesto prestar solidariedade aos nossos patrícios da aldeia Cachoeirinha, do município de Miranda, que foram vitimas de um atentado violento contra o ônibus que fazia o transporte dos estudantes entre a escola e a aldeia.

Esperamos que, prontamente, os culpados sejam responsabilizados e que este caso não seja mais um dos inúmeros episódios de violência contra indígenas que ficam impunes. Lamentamos, ainda, o silêncio e omissão de figuras públicas que em ano eleitoral se dizem amigos dos povos indígenas, porém sequer pronunciaram-se solidárias às vítimas e seus familiares.

Tais autoridades bastaram-se em acatar e propagar versões absurdas e mentirosas sobre a autoria do atentado. Em recente declaração do Governador em seminário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ficou explícito o total desrespeito com população indígena, ignorando que os índios deste estado têm sido usurpados de seus fundamentais direitos conquistados na Constituição Federal de 1988.

Sonhos e projetos de vida de cada um dos estudantes e de seus familiares tentaram ser destruídos de forma súbita e banal.

Tal atentado configura-se como terrorismo e resulta de uma intensa campanha contrária às reivindicações dos povos indígenas deste Estado.

Setores racistas da sociedade vêem os estudantes indígenas como uma ameaça à sua hegemonia econômica e cultural. Mas o que pretendemos com nossos estudos é construir espaços para alcançarmos – todas e todos, índios e não índios – a justiça social e a igualdade de direitos. Nós, estudantes indígenas, persistiremos sim! Com mais veemência, com mais garra, queremos ser ouvidos e vistos por toda a sociedade.

 

Campo Grande, 12 de junho de 2011

Segue em anexo assinaturas dos acadêmicos presentes no encontro.

 

 

Segue aqui as assinaturas dos Alunos, em favor do Manifesto
Comentários via Facebook
COMPARTILHAR
Indígena Makuxi - Raposa Serra do Sol; Acadêmico de História; Militante de Movimentos e Organizações Indígenas: OPIRR< CIR< ODIC< APIRR "Pode até Calar um Índio, Mais a Nação se levanta para Gritar" Alex Makuxi

1 COMENTÁRIO

  1. O racismo no Brasil esta muito vivo!
    Do Sul ao Norte, de uma lado ao outro; contra os indigenas, contra os judeus, contra os negros, contra os gays, contra os pobres…
    A luta pela LIBERDADE e pela IGUALDADE não pode parar!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here