O índio da tribo Pataxo Hã Hã Hãe, Ivonildo dos Santos, 29 anos, foi baleado na tarde de ontem, quando pescava em um rio da reserva, na cidade de Pau Brasil. A vítima deu entrada no hospital de Base, em Itabuna e está  sendo submetida a cirurgia na perna esquerda, onde está o projétil .A vítima não sabe de onde surgiu o tiro. Mais tudo é mais provável que foi disparados pelos os fazendeiros.
Tudo isso nos deixa preocupado, Pois os índios Pataxó Hãhãhãe vem recebendo ameaças constantemente, dizendo que os fazendeiro vão matar muitos indígenas, da mesma forma que fizeram com os nossos antepassados. Nós Pataxó Hãhãhãe vamos continuar insistindo, pois essa terra nos pertence e dela não saímos!
Até quando vai ser derramado o sangue do Povo Pataxó Hãhãhãe e ficar em pune os autores?
Justiça Brasil!
Comentários via Facebook
COMPARTILHAR
A muito tempo lutando em prol do Povo indígena do qual faço parte, até ameaças de morte já recebi. Mas não me calo! pois os espíritos de meus antepassados está comigo. E a proteção de Tupã.

7 COMENTÁRIOS

  1. Lamentavelmente hoje…Sabado 21 de Abril – Dia em que começou a invasão do que viria se chamar BRASIL…. O ex-prefeito DURVAL SANTANA ordenou a jagunzos expulsarem indigenas a tiros!!!! Foi uma noite cheia de balas, saindo dos pistoleiros contratados pelo latifundiario (pagando R$ 100 pode dia de pistoleiro)e o grande desbastador de matas consigiu voltar a expulsar indigenas que buscavam terra para seu sustento para BOTAR SUAS VACAS para LEITE de exportação!
    A Fderela nao tem dinheiro para chegar na área e pacificar…Os fazendeiros tem dinheiro SIM par continuar a MANDAR NA REGIAO!!!!

    Veja uma materia de ontem:
    Seguranças em ‘Bunker’ protegem terra na Bahia

    Uma fazenda na rota de invasão dos índios pataxós hã hã hãe em Pau Brasil, no sul da Bahia, é protegida por homens armados em uma espécie de bunker, no alto de uma colina que oferece visão privilegiada da movimentação.

    A existência dos seguranças armados foi constatada pela Folha por volta das 12h de ontem. Um deles estava posicionado atrás de uma espécie de fortificação de tijolos aparentes com três pequenas janelas triangulares por onde encaixava o cano de uma escopeta.

    Quando o carro da reportagem chegou à sede da fazenda Santa Rita, a cerca de 18 km da cidade, um homem saiu da fortificação ameaçando atirar nos repórteres.

    Ao ouvir os repórteres, que desceram do veículo com as mãos para cima, gritarem que eram jornalistas, o homem armado ordenou que ficassem parados e correu pelos fundos da sede da propriedade carregando a arma.

    A reportagem pediu para falar com um responsável pela área ou com algum dos seguranças. Um homem que embarcava porcos em uma caminhonete entregou um recado dos homens armados: “Eles disseram que vão atirar nos quatro pneus do carro se filmarem ou fotografarem alguma coisa”.

    Durante os cerca de 25 minutos que permaneceu na fazenda, a reportagem foi observada por ao menos três homens escondidos no mato e em um curral.

    A temperatura do conflito fundiário na região de Pau Brasil subiu após os pataxós iniciarem uma série de invasões em fevereiro deste ano.

    Pelo menos 67 áreas foram tomadas até ontem, segundo os fazendeiros. Para intimidar ruralistas e empregados, os índios soltam rojões quando invadem as propriedades.

    A onda de invasões foi deflagrada para pressionar o STF (Supremo Tribunal Federal) a julgar ação de 1982 sobre a criação de uma reserva indígena na região.

    Os pataxós querem 54 mil hectares –área equivalente a um terço da cidade de São Paulo– onde hoje estão 396 fazendas com títulos dados pelo governo do Estado.

    OUTRO LADO

    A fazenda Santa Rita pertence ao ex-prefeito de Pau Brasil Durval Santana (DEM).

    Procurado, ele negou a contratação de seguranças e a existência de homens armados na Santa Rita e na Água Branca, suas duas propriedades ainda não invadidas.

    Sua filha Sonyr Santana, que acompanhou a entrevista, disse que a família não sabe quem são os homens armados porque está “sendo impedida de chegar até as nossas fazendas”.

    Outras três fazendas do ex-prefeito foram tomadas e ontem ele foi informado sobre a invasão de uma quarta.

    “Temos 4.000 cabeças de gado que estão tomadas pelos índios. Estamos perdendo 500 litros de leite por dia. Só queremos saber quem é que vai pagar esse prejuízo”, disse o ex-prefeito.
    A Polícia Federal, que está na região, afirma não ter encontrado armas com índios e fazendeiros nos últimos dias.

  2. sabemos que a luta não vai para, que esta terra é nossa,morreu o Galdino não tevem nadao meu povo todos que eles matarom não tevem nada, Os trabalhadores que trabalhavam nas vazendas para receber o pagamento nas ceistas feiras que recebia o dierio no cano da espengarde de cartuxo, a inda eles esta vivo em pau brasilque cando ia para a cidade para vazer compra o diero era tomado pelos os propios pistoreiros do mesmo fazendeiros a POPULAÇÃO DE PAUBRASIL ESTA COMENDO DOS FAZENDEIRO QUE OS MAIS VELHOS TEM METO DE FALA O QUE ESTES FAZENDEIROS FEIS COM ELES 40 A 50 ANOS OS IDORZOS DA CIDADE TEM MEDO DE FALA A VERDADE POR QUE ELES TEM OS NETOS QUE MORA NA CIDADE ELES NÃO QUE OS SEUS NETOS MORTO PELOS OS MASSACRE QUE ELES JA PASSAROM A LONGOM DA VIDA

  3. eu não estou gostando do que estão fazendo aos meus parentes pataxós de pau brasil o que eu quero é que o governo da bahia possa fazer justiça o mais rápido possivel para não ter mais derramamento de sangue basta nos tempos passados que massacraram muitos parentes indígenas para tomar as terras e ainda hoje eu vejo a mesma coisa se repetir e ninguem toma a mínima providencia nós somos os verdadeiros brasileiros de rais e precisamos ter paz no que se diz reserva indígena ok? o que meus parentes pataxós e demais aldeias é ter suas terras de volta que foi tomada no tempo da ditadura militar e querem de volta o que é justo e ninguem pode negar isso ai eu pergunto eo sangue dos meus parentes indígenas no passado não tem valor? é lógico que tem e por isso nós indígenas iremos lutar a ter o fim para defender nosso território ok? eu também sou indio só que da antiga aldeia tupinambá jaguarí eu sou um remasnescente pois meu povo foi massacrado no tempo da ditadura militar mais eu apoio a luta de meus parentes indígenas ok? e não abro mão disso só quero que tupã possa da muita força e vitórias aos meus parentes indígenas do brasil e do mundo a fora ok? avante povo pataxó tupã é com vocês eu torço pela vitórias de todos vocês ok?

  4. Devo denunciar que a legítima luta do povo Pataxó Hãhãhãe não está sendo divulgada pela imprensa nacional. A imprensa divulgou sua luta apenas um dia, sem a devida atenção aos justos motivos que levaram estes legítimos brasileiros a confrontarem os GRILEIROS FAZENDEIROS; tampouco cita confrontos com os jagunços contratados para defender terras roubadas.
    É fácil falar que ‘o povo brasileiro’ é alheio a seus direitos, porém a imprensa nacional tem grande responsabilidade quanto a isso por simplesmente OMITIR o que está acontecendo; assim não estranhem que grande maioria da população nacional desconheça a continuidade de vossa luta. Tentem contatar outros instrumentos de divulgação. Força e Luz.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here