Índios urbanos, desaldeados, tantas são as denominações mas será que continuam sendo índios ou deixaram de ser por morarem em cidades?
Essa é uma pergunta com várias respostas. Enquanto estava refletindo sobre o assunto me deparei com várias outras questões .
O que nos faz índios? Será o simples fato de morarmos em aldeias? E os índios que moram em cidades, continuam índios ou são meio índios?
Acredito que ser indígena vá além do local de morada pois o que somos é dito pela nossa história, cultura e tradições. Levanto essa questão porque aqui entre os Potiguara temos um problema com relação a isso. Algumas lideranças do meu povo defendem que os direitos a uma educação e saúde diferenciadas por exemplo só exista para os índios da aldeia, isso é certo?
Peço desculpas pelas várias questões mas é porque eu mesma me sinto confusa com relação a elas.
Do meu ponto de vista o fato de morarem em cidades não os fazem menos índios do que eu ou qualquer outro que more em aldeia. O que existe é um grande preconceito por parte dos própios indígenas contra nossos parentes que moram em cidades sem ter a preocupação de saber o porque deles não estarem nas aldeias.
Aqui nos Potiguara as aldeias estão localizadas nos arredores das cidades tanto que para ir de uma para outra passa-se por algumas aldeias.
No Ceará temos parentes morando nas periferias das cidades por não terem seu território demarcado. No Rio de Janeiro e São Paulo, duas grandes metropoles, vários indígenas moram lá por terem ido atrás de oportunidades para melhorar de vida.Tantas são as realidades será que devemos apenas fechar os olhos para elas e criticar? Ou será que devemos nos unir e somar forças em prol de um bem comum?

Irembé Potiguara
irembe@indiosonline.org.br

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Excelente matéria Irembé !! E bem polêmica . Assim como vc ,tenho o mesmo pensamento a respeito do assunto. Acho que ser indio , independente de morar na aldeia ou na cidade , usar celular , carro , roupas e etc. Ocaso das etnias do nordeste , é ainda mais complexo , por causa de terem sido os primeiros a sofrerem o impacto da colonização e mestiçagem , oque vôs confere muitas vezes , fisionomias , diferentes das quais se exibem em livros escolares, tipo indio amazônico. No entanto , no meu modo de pensar , vcs estão aí mostrando a todo momento , que a cultura de vcs permanece mais viva doque nunca , portanto… Fica muito dificil dizer aos olhos de fora , quem é indio ou não. Cabe a vcs mesmos dizerem , acredito , que indio é aquele que se reconhece como tal , e é reconhecido pela comunidade ou tribo a qual pertence. Penso que os direitos , dfevem ser extendidos a todos indigenas , moradores de aldeias ou cidades ,e estradas e etc , pois como vc msmo diz , muityas vezes nem a terra reconhecida ou demarcada eles tem , e digo mais , as vezes nem o reconhecimento oficial da Funai , como povo indígena. Oque não os faz inferiores a outros povos , afinal , muitos já passaram por esse processo demorado. Um grande abraço , e Parabéns !!!!!

  2. bom minha parente, nesse assunto eu tenho uma propriedade muito grande, até porque como vc mesma sabe eu nasci na cidade, São Paulo e vivi lá até os meus 28 anos, e isso me ensinou muito, principalmente a importancia de ser indigena. É dificil é com certeza, viver nonge de seus costumes, tradições e manifestações culturais, mais nunca deixei de ser quem sou, Indios Pankararu e com isso desde meus 17 anos que faço parte do movimento social indigena, ou seja hoje faz 17 anos que estou na luta, a medade de minha vida…
    Mas o pior é que quando retornei para meu povo, não tive uma casa pra morar, até porque não existe mais terras disponivel para nós que moramos fora, contruir nossa casa e retornar a nosso povo.
    Enfim continuo sendo indios sem terra, pois estou morando agora em Jatobá – PE, que fica a 14 km de meu territorio, mas mesmo assim não desisti de ser indigena pelo ocontrario, estou com mas força pra brigar pela ampliação de nosso territorio. Pois nossos jovens estão crescendo, e se não fizermos nada, o futuro deles vai ser como o de varios indigenas, viver fora de seu territorio!!!

  3. Excelente materia!!!

    muito para nos dialogar!!!!

    PARÁBOLA ORIENTAL

    Conta uma popular lenda do Oriente que um jovem chegou a beira de um oásis junto a um povoado e aproximando-se de um velho perguntou-lhe:

    – Que tipo de pessoa vive neste lugar?
    – Que tipo de pessoa vivia no lugar de onde você vem? – perguntou, por sua vez, o ancião.
    – Oh, um grupo de egoístas e malvados – replicou o rapaz – estou satisfeito de haver saído de lá.

    A isso o velho replicou:
    – A mesma coisa você haverá de encontrar por aqui.
    No mesmo dia, um outro jovem se acercou do oásis para beber água e, vendo o ancião, perguntou-lhe:

    – Que tipo de pessoa vive por aqui? O velho respondeu com a mesma pergunta:
    – Que tipo de pessoa vive no lugar de onde você vem? O rapaz respondeu:
    – Um magnífico grupo de pessoas, amigas, honestas, hospitaleiras. Fiquei muito triste por ter de deixá-las.
    – O mesmo encontrará por aqui – respondeu o ancião.

    Um homem que havia escutado as duas conversas perguntou ao velho:
    – Como é possível dar respostas tão diferentes a mesma pergunta? Ao que o velho respondeu:
    – Cada um carrega no seu coração o meio em que vive.

    Essa é uma das minhas parábolas favoritas…..Ninguem deixa de ser o que é por mudar de lugar!
    Não é tão facil assim….tão rápido assim…. Da mesma forma que se um não-índio vai morar numa aldeia….
    Isso não converte ele em índio!!!

  4. Ola Irembè, eu acho e acredito que devemos juntar as forças em prol de um bem comum, Indios e nào Indios, eu nào sòu Indio mas acredito nos mesmos principios de voçèis, e muitos Italianos nào Indios acreditam nestes principios. O bem de voçèis è o bem de todos tambem porquè somos Humanos. Infelismente nesta epoca os sentimentos primarios sào arrogancia e egoismo, mas isto pasa, pasa porquè tem gente que nem nos em toda a Terra que luta e continua lutando pela comprençào preciproca e o respeito de todas as culturas e principalmente o respeito do ser humano de qualquer religiào, qualquer cultura qualquer pais, o respeito da Vida em todas suas formas!!! Nossa que linda esta lenda, verdade, nos somos o que a nossa mente è!! Dizem que quando estamos no certo, os demonios e os obstaculos e tambem as duvidas aparecem para testar a nossa fè, pra ver se acreditamos mesmo no que estamos fazendo!!!

  5. MEUS CAROS PARENTES E COPANHEIROS.!

    NA MINHA OPINIÃO NÓS INDIOS TEMOS O DIREITO DE IREM E VIM, E A CONSTITUIÇÃO FEDERAL NÃO DIZ QUE SÓ TEMOS DIREITO SE FORMOS ALDEIADOS.
    EU MESMO MORO MAIS NA CIDADE, MAISSEMPRE ESTOU INDO NAS ALDEIAS MUITAS VEZES PARTICIPANDO DOS MOVIMENTOS COLETIVOS, EU MANTENHO A CULTURA E TRADIÇÃO DO MEU POVO AGORA EXISTE PARENTES QUE MORAM FORA DA ALDEIA, NUNCA TIVERAM ENTERECES DE AJUDAR SEUS POVOS TEM VERGONHA DE PITAREM O ROSTO E MOSTRAREM SUAS INDENTIDADES. FICO FELIZ DE VER OS PARENTES SE MANIFESTAREM E COBREREM OS SEUS DOREITOS, ESTÁ CERTOS MEUS PARETES CONTINUEM ASSIM ORGANIZADOS E UNIDOS, NÃO DER OUVIDO AOS ANT-INDIOS ELES QUEREM NOS CALAREM HOJÉ QUASQUER ORGANIZAÇÃO DE PESSOAS, QUE SEJA INDIOS, NEGROS E BRANCOS O GOVERNO TEM POR OBRIGAÇÃO DE ASSISTIR NA SAÚDE, EDUCAÇÃO E OUTROS BENÉFICIOS.
    E SE ORGANIZE E COBRE SEUS DIREITOS NÓS NÃO SAMOS CULPADOS DE ROUBAREM O QUE FORAM DOS NOSSOS ATEPASSADOS, QUE É NOSSA TRERRAS.

    UM FORTE ABRAÇO PARA MEUS PARENTES INDIOS ALDEIA E DESALDEIDOS..
    EMAIL: JOVANILDOTITIA@HOTMAIL.COM

  6. Podemos dizer que os povos indígenas hoje transitam entre mundos, o da aldeia com suas tradições e o da cidade com suas ilusões, buscando um lugar, que é interno, em relação a sua própria identidade e que também é externo, seu direito a posse e ao usufruto da terra. A imposição da escolarização, a busca pela sobrevivência, a usurpação de seus territórios originários afastou-nos dos nossos tempos, espaços e educação tradicionais e não nos garantiu a terminalidade na escolarização formal, nem garantiu o direito pleno aos projetos sociais e políticas públicas. É preciso muitas vezes sair das suas aldeias, para cursar o ensino médio e ainda batalhar pelo direito de ter um ensino superior. Pensar esse trânsito entre dois mundos diversos em meio a uma crise paradigmática do conhecimento nas ciências significa ver sem preconceito uma nova cartografia das configurações sociais contemporâneas que coexistem em nosso país. As culturas são dinâmicas e realizam trocas entre si. É certo que no caso da nossa história, no processo de colonização as trocas foram extremamente desiguais: terra, madeira de lei, ouro, pedras preciosas por espelhos, tecidos , miçangas e por vidas de tantos guerreiros que sucumbiram no passado e no presente, na luta por seu direito à terra, de liberdade de ir e vir…Concordo com Jovanildo, todo cidadão tem o direito de ir e vir neste país.Admiro a luta de Alex, no movimento indígena,buscando seu lugar na terra de origem, sem nunca ter perdido sua identidade, sua pintura, seu toré, sua reverencia com os mais velhos e com os encantados. Ser índio é ser um ser de raiz, da terra, do coletivo. É ser mais coração do que razão é ter em si o significado de compartilhar a vida, de rezar, de folgar, de dançar, de trabalhar pelo sustento de cada dia, de trocar aprendizagens. De conhecer os segredos e mistérios e honrar as forças da natureza e seu Criador e suas criaturas, de respeitar o ensinamento dos ancestrais. É também ser guerreiro destemido. Eu sou mestiça de negros da Etiópia, branco de portugueses, indígena Potyguara e ainda tenho sangue mouro. Sou brasileira. Mas a melhor parte de mim, que é o coração é sem dúvida indígena, Potyguara, comedora de camarão e beiju, de tapioca com peixe.Não se perde isso por morar na cidade, fazer um curso superior ou usar tênis, relógio, navegar na internet, ter bicicleta, moto, carro ou celular. Então, o que é mesmo ser índio? Vamos continuar vivendo assim em transito? Sem ter um lugar no País, que era nosso originariamente? Negando nossa pintura, nossos enfeites, tendo vergonha de mostrar nossa etnia? Eu já dei minha opinião, agora quero ver o que os parentes pensam…

  7. Hoje já demos um grande passo com relação a nossa cultura. Mas ainda tentam nos tomar aquilo q é nosso por direito , nossa mãe terra q cada vez mais lutamos p q seja demarcada. ainda estramos no mundo da descriminação contra os povos indigenas.

  8. PRECISO DE AJUDA:
    na cidade de pacatuba CE/monguba existe um índio pitaguri, com sérios problemas de saúde, acredito que no estatuto do índio possa ter algums de seus direitos a serem cumpridos..
    veja o estado do índio: diaético, hipertenso, tem bucite, situação de miopia , gravíssima, não pode se levantar porque as pernas não aguenta. ele não tem renda, ou melhor não trabalha devido as condiçôes…
    aonde ocorrer? atenção FUNAI, CENTRO DE APOIO, GOVERNO FEDERAL, E PROCURADORIA DOS INDIOS, Enfim.

    Raimundo Nogueira de Paiva.
    ÍNDIO PITAGUARI

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here