Procurador da Republica El Hage fotografando o rio Colônia na Aldeia Bahetá

a água consumida e usada para beber, lavar, cozinhar e tomar banho é do rio Colônia que nasce em São Jose do Colônia no município de Itapetinga, passando por vários municípios e fazendas que soltam seus esgotos e dejetos no rio. É sem nenhum tipo de tratamento que os indígenas consomem essa água que alem de poluída é bastante salgada. Mas a comunidade cansada de tanto sofrimento resolveu denunciar esse descaso ao Ministério Publico Federal, pois, só através da decisão da justiça é que a esperança de um dia os indígenas consumir uma água potável sem nenhuma interferência dos esgotos e animais mortos que se misturam nas águas de um rio tão importante só não para os habitantes do município de Itaju do Colônia, mas para os também ribeirinhos que habitam as margens do Colônia e dali são retirados seus alimentos.
Sabemos que a justiça demora, mas chega. E no dia de ontem (15) uma caravana de autoridades composta por um Procurador da Republica, o Doutor Eduardo El Hage, Antonio Mello, técnico do INEMA, Thiago Edson, Técnico do INEMA, André Nascimento, técnico da EMASA de Itabuna, Sheila Brasileiro da ANAI, Francisco Paes, Coordenador Regional da FUNAI, Jovanildo Vieira dos Santos, Chefe da CTL de Itororó, Wilson de Jesus, Chefe da CTL de Pau Brasil, Luiz Ferreira dos Santos, cacique da Aldeia Panelão e Ilsa Rodrigues cacica de Caramuru.
A Justiça Federal por decisão enviou no dia de ontem o Procurador da Republica, os representantes do INEMA e o técnico da EMASA para averiguar sobre a situação da água do rio Colônia consumida pela Comunidade Indígena da Aldeia Bahetá segundo denuncia feita pela comunidade por suas representações da AIHAB – Associação Indígena da Aldeia Bahetá e o Chefe da CTL de Itororó – BA. Depois de uma reunião na Escola Municipal da Aldeia Bahetá onde foram expostas as várias situações sobre o problema da falta de água potável para o consumo humano das aldeias Bahetá e Caramuru, os mesmos seguiram para o rio Colônia a fins de coletar amostra d’água para analise do processo.

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Doe em saber que nossos parentes estão sofrendo por uma falta de água potável. Passei dois dias na aldeia Bahetá na casa do cacique Akanawã, meu comadre. Aqui percebir as dificuldades que a familias indigena dessa aldeia tem passado. crianças bebem água sem nenhuma noção da consequências, a final não tem auternatia. aproveito para elogiar o eficiência do Ministério Publico Federal,INEMA E A EMASA DE ITABUNA, A pesença do mesmo na aldeia fez comprovar o obvio, pois foi comprovado que aágua é de alto nivel de poluição. Espero que mais rápido possivel possa resolver a esse sofrimento que vem enfrentado os parentes Hãhãhãe da aldeia Bahetá.

  2. Água potável é a água que pode ser consumida por pessoas e animais que não possui substancias tóxicas sem riscos de adquirir doenças por contaminação. Ela pode ser oferecida à população urbana ou rural com ou sem tratamento prévio dependendo da origem do manancial. O tratamento de água visa reduzir a concentração de poluentes até o ponto em que não apresentem riscos para a saúde pública. A palavra potável vem do latim potare que significa beber, entao onde esta esta agua, em todo territorio brasileiro temos agua poluida, até hoje nao conseguiram despoluir o rio Tiete.

  3. valei pela matéria, nossa água é vida ,nós somos indígena hoje nos índio vivemos seciamento meio dar sociedade hoje nos estamos de parabéns conquistamos nosso conhecimento é respeitamos as lei é pagamos nosso imposto ,pq ?Governo não compre com seu papel, é eles que tem uma grande divida com agente indígena!

    ass aporina

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here