Querido Parentes, está sendo lançado hoje em Salvador o Documentário Indígenas Digitais, um filme que retrata o movimento dos Índios on Line!! Leiam o Realese!!

Aqueles que estiverem na Bahia e queiram assistir terá uma exibição na TVE Bahia da 19 de abril às 18:30.

*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*

INDIGENAS DIGITAIS_O-FILME

Oi FUTURO E ONG THYDEWÁ  LANÇAM INDÍGENAS DIGITAIS, DOCUMENTÁRIO QUE REVELA COMO TRIBOS BRASILEIRAS VIVENCIAM, NA PRÁTICA, A INCLUSÃO DIGITAL

    ·Documentário tem pré-estreia, dia 15/04, às 20h, em Salvador, no Espaço Unibanco Glauber Rocha, e lançamento nacional no Oi Futuro em Ipanema, no Rio, dia 19/04,às 19h, para marcar as comemorações do “Dia Nacional do Índio”.
  • Projetos como Índios Online e Celulares Indígenas proporcionam acesso àtecnologia

No próximo dia 15/abril acontecerá em Salvador a pré-estreia do curta-metragem Indígenas Digitais, um documentário que retrata como indígenas de várias etnias estão utilizando a tecnologia para troca de informação e aprendizado. O curta-metragem terá também lançamento nacional, no Oi Futuro em Ipanema, no Rio de Janeiro, dia 19 de abril. O projeto é o resultado da parceria da ONG Thydewá com a Cardim Projetos e conta com o patrocínio da Oi e apoio do Oi Futuro, instituto de responsabilidade social da Oi, através do Programa Oi de Patrocínios Culturais Incentivados e do Programa Estadual de Incentivo ao Patrocínio Cultural do Governo da Bahia, o Fazcultura.

No curta-metragem, integrantes de várias nações indígenas, como a Tupinambá (BA), a Pataxó  Hahahãe (BA) e a Pankararu (PE), relatam como celulares, câmeras fotográficas, filmadoras, computadores e, principalmente, a internet vêm sendo ferramentas importantes na busca das melhorias para as comunidades indígenas e nas relações destas com o mundo globalizado. O filme aborda a necessidade do povo indígena de se expressar para o mundo e mostra como várias tribos dialogam entre si, conhecendo umas a realidade das outras. Uma espécie de “link” entre a tecnologia e a manutenção das tradições,permitindo a inserção dos índios no mundo globalizado, mas, principalmente, deixando que eles sejam protagonistas de sua própria história. “Os índios apelidaram os computadores conectados à internet de ‘arco digital’ porque é assim que eles agora desejam ‘caçar’ a conquista dos seus direitos territoriais, de saúde, educação e de cidadãos do Brasil”, enfatiza Sebastián Gerlic, idealizador e diretor do documentário.

Nos 26 minutos de filme (cortados a partir de 15 horas de filmagens), é possível conhecer, por exemplo, a história da cacique Jamopoty, uma das primeiras mulheres alçadas ao cargo de cacique no Brasil. Ela é a líder dos Tupinambá, povo que teve seu reconhecimento étnico em 2002, após estudos da Funai. Jamopoty representa seu povo diante do Governo, fala um pouco da realidade deles e diz como a tecnologia tem ajudado os índios. “A inserção digital permite a valorização social das minorias, fazendo com que os povos indígenas resgatem e preservem suas tradições e fortaleçam suas etnias”, analisa Maria Arlete Gonçalves, diretora de Cultura do Oi Futuro.

Acesso aos meios digitais

O filme mostra o funcionamento da rede Índios On-Line projeto selecionado em 2004 pelo Programa Oi Novos Brasis, de fomento à inclusão digital, que proporcionou a criação de um portal para facilitar a informação e a comunicação entre sete nações indígenas na Bahia, em Pernambuco e em Alagoas. Nos últimos 6 anos, o projeto contou com a participação de 500 indígenas de 25 etnias. Através deste, os índios já publicaram 3 mil matérias e receberam 10 mil comentários, num total de quase 2 milhões de visitas ao Portal. Como desdobramento do Índios Online há também o projeto Celulares Indígenas, realizado pela ONG Thydewá, em parceria com o Ministério da Cultura e o Oi Futuro, que permitiu capacitar os indígenas para utilizarem os celulares como ferramenta de promoção à diversidade cultural, justiça social e cultura da paz. Com total autonomia, os índios publicam e partilham opiniões, através de vídeos, fotos e textos, no portalwww.indiosonline.org.br“Toda esta rede leva a possibilidade de os indígenas pesquisarem e estudarem a sua cultura, além de complementar e enriquecer os processos de educação e qualificação de diferentes etnias”, observa Márcia Cardim, parceira na execução dos projetos da ONG Thydewá.

SINOPSE de INDÍGENAS DIGITAIS:

“Cidade de Olivença, Sul da Bahia. Ali, como em algumas outras, uma comunidade indígena recebe câmeras digitais, celulares com câmeras, computadores com acesso à internet e isso altera a rotina e o comportamento do povo Tupinambá – o desafio dos que nunca manusearam um computador. Amotara, uma índia anciã, conta sua história e diz que, tão logo aprendeu a usar o computador e a internet, enviou uma carta ao presidente Lula, pedindo a instalação de uma creche em sua aldeia. Num outro momento, conhecemos um lavrador que sonha em ver sua terra indígena legitimada para trabalhar sem a ameaça de, a qualquer momento, ter que largar o seu plantio.”

Para saber mais, visite: www.indigenasdigitais.org // www.oifuturo.org.br

FICHA TÉCNICA:

Produção Executiva: Márcia Cardim

Direção, Fotografia e Roteiro: Sebastián Gerlic

Montagem e Finalização: Matteo Bologna

Masterização: Glauco Neves

Assessoria Técnica: Nicolas Hallet

Assistente de Produção: Tiago TAO

Apoio Administrativo: Carina Carvalho

Produção nas terras indígenas: Jaborandy Tupinambá, Fábio Baenã Hãhãhãe e Helder Santos Almeida

*Filmado em câmera full HD nos Pontos de Cultura Indígenas Itapoan Tupinambá (BA), Água Vermelha Pataxó Hãhãhãe (BA), Pankararu (PE) e no Pontão de Cultura Viva Esperança da Terra (BA)

Sobre Sebastián Gerlic:

O argentino de Buenos Aires está há 15 anos radicado na Bahia. Em 2002 fundou a ONG Thydewá idealizadora dos seguintes projetos: Índios na visão dos índios; Índios On-Line; Celulares Indígenas; Índio quer Paz e Esperança da Terra, além de outros. Gerlic trabalha com realização audiovisual há 27 anos e nos últimos 10 tem se focado em programas sociais para a formação de “Células de Inteligência Coletiva”.

Sobre o Oi Futuro

O Oi Futuro tem a missão de democratizar o acesso ao conhecimento para acelerar e promover o desenvolvimento humano. O principal foco das ações do instituto de responsabilidade da Oi é a promoção de um futuro melhor para a juventude brasileira, reduzindo distâncias geográficas e sociais. Os programas Oi Tonomundo, Oi Kabum! (escolas de arte e tecnologia), NAVE e Oi Novos Brasis atendem 600 mil crianças e jovens, promovendo a inclusão digital e fornecendo conteúdo pedagógico para a formação de professores e educadores. O Oi Conecta, um programa em parceria com o Governo Federal, leva banda larga a mais de 37 mil escolas públicas, beneficiando cerca de 24 milhões de alunos. Na área cultural, o Oi Futuro atua como gestor do Programa Oi de Patrocínios Culturais Incentivados, mantém dois espaços culturais no Rio de Janeiro (RJ) e um em Belo Horizonte (MG), além do Museu das Telecomunicações nas duas cidades. O Oi Futuro apóia, ainda, projetos aprovados pela Lei de Incentivo ao Esporte. A Oi foi a primeira companhia de telecomunicações a apostar nos projetos sócio-educativos inseridos na nova Lei.

Serviço:

Documentário: Indígenas Digitais:

      • ·Pré-estreia em Salvador: Dia 15/04, às 20h, no Espaço Unibanco Cine Glauber Rocha (Pça Castro Alves, s/n, Centro. Tel 71 3011-4706)

      • ·Lançamento Nacional no Rio de Janeiro: Dia 19/04, às 19h, no Espaço Oi Futuro em Ipanema (Rua Visconde de Pirajá, 54, Ipanema. Tel  21 3201-3010)

Outras informações à imprensa:

Aleksandra Pinheiro – COMUNIKA Press – (71) 3497.5000 / (71) 9121.5359

alepinheiro@comunikapress.com.br // alecomunica@gmail.com

Virna Campos – Comunicação Corporativa Oi– (71) 8875 8017 / 3131 2160

virna.campos@oi.net.br // virnalaura@gmail.com

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR
Advogada Indígena, militante social pelos Direitos Humanos Indígenas. Potyratupinamba@indiosonline.org.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here