Alguém pode nos dizer que mal fizemos a humanidade? Por que nos perseguem tanto, se o nosso único objetivo é manter a vida. São 508 anos de perseguição, massacres, genocídio, etnocidio, escravidão, estupros. Nunca saímos daqui para invadir espaço de ninguém, ao contrário, somos invadidos, usurpados e violados, desde o século XVI, que se tem conhecimento.
Que leis são essas, que criaram dizendo ser uma forma de manter a ordem social, e de proteger os bens fundamentais ao homem, ao contrário contradizem a proposição?
Depois, somos nós os selvagens, os primitivos.
Maldita civilização, que saiu não sabemos de onde, e veio macular nosso solo sagrado com esse lamaçal fétido de impiedades.
Sabemos da existência de pessoas, que ainda não se contaminaram nessa fonte de inócuo. Onde estão vocês, porque nada fazem para impedir que continuem perseguindo-nos?
Vejam o que fazem conosco esses homens sem coração!

Destruindo nossas habitações, tentando expulsar-nos de um território que já habitávamos há muito, antes de invadirem tudo isso, hoje, chamado de Brasil. Se beneficiam, aplicando o argumento de não possuirmos a “escritura pública”. Somos agrafos, hoje, usamos a escrita para nos defender, mais uma imposição, porque não temos o hábito de escrever, lembramos dos atos e ações que praticamos, não possuímos o esquecimento, não somos como vocês que precisam da escrita para lembrar-se dos feitos, e não transformamos a Mãe Natureza em mercadoria.
Rio de Janeiro, a cidade conhecida mundialmente, como cidade maravilhosa, ou será que é ao contrário, a Natureza que é maravilhosa, a cidade é uma catástrofe produzida pela mão do homem!

E aqueles que ainda não foram contaminados pela ganância estão sufocados, amordaçados, acorrentados pelo medo, assistem tudo isso como se estivessem em um mundo virtual. Dominados estão, e assim ficarão?

Yakuy Tupinambá (Irmã do Mundo)
yakuy@indiosonline.org.br

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Muito bom parente!Sou de Niterói e acho vergonhoso esse ato, é vergonhoso tudo que tenho visto por aqui.
    Fizeram isso quando os homens foram para uma reunião e so tinha mulheres e crianças na aldeia.
    O unico a se ferir foi Joaquim Karai.Mas nossos parentes guarani são todos guerreiros, e estão reconstruido a aldeia, com ajuda de várias pessoas que tem o coração bom.
    Enquanto isso a especulação imboliaria que deseja construir predios na area de preservação,tenta de todas as formas derrubar o decreto da area de preservação, muitos orgãos que deveriam estar ajudando nos irmãos guarani, estão se vendendo por dinheiro.

    Resistência!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  2. Excelente reportagem Yakuy , vamos continuar denunciando essas arbitrariedades , além de vergonhoso , é um ato covarde , que não mede as consequências e com certeza não reflete o pensamento da grande maioria do povo carioca.

  3. Bom dia gente,
    Ainda que meu nome seja, também sou descendente de indios, mais especificamente incas, hoje nos chamamos de peruanos, esta situação pela que estão atravessando infelizmente não é um privilegio de vcs, nossos ancestrais foram mutilados, mortos, e ainda hoje em dia são muito maltratados, emfim é uma pena. Mas, muitos de nós comprendemos que a única forma de lutar contra essas iniquidades que se cometem contra nossos povos é através da instrução. Sem que logicamente nunca jamais esqueçamos nossas raizes. Se tiver como ajudar por favor contem comigo especialmente se for para colocar a boca no trombone usando a internet entre outros meios. Pretendo visitá-los neste fim de semana. Abs.
    Lily

  4. Sobre este ato covarde,só tenho uma coisa a dizer aqueles que fizeram isso,porque vcs não criam coragem nessas caras de pau,e enfrentem as coisas de cara limpa,sabe porque não fazem isso?? por serem covardes,medrosos,e não tem um pingo de amor próprio,e se acham donos de tudo,se acham o tudo..e no fundo não são nada…vivem de olho grande em tudo;não constroem por falta de capacidade,e querem destruir aquilo que os outros constroem,pura inveja,ambição pura,parem de se esconder atrás de atitudes covardes e enfrentem,pois seram vencidos com certeza,pela união que existe entre nós indios,e que não existe entre vcs,apenas lamentamos,por vcs serem asim,esta é a cultura medíocre que vcs aprenderam e assim cresceram,com olho grande naquilo que não não pertencem a vcs,e caso leiam estas palavras,guardem bem este nome,pois comigo o buraco é mais embaixo,se vcs tiverem disposição,de lutar de frente,lembrem que estarei lá com os irmão guaranis ok,A Minha grande amiga Yakui meu apoio sempre,e meus parabéns pela sua luta infinta e linda que vc faz por cada indio deste imenso brasil,meus parabéns amiga,beijão

  5. Olá,

    A cultura da morte sobre a vida, infelizmente domina o mundo!
    O erro vem dos que não se veem como parte do todo e se julgam superiores aos demais.
    A luta por um mundo melhor, mais humano, de todos e para TODOS, é uma luta só!
    Nós, que tbm estamos nesta luta, devemos um pedido de perdão a todos os povos nativos e mais do que isso…devemos a ação, de nada adianta pedir perdão e continuar com as mesmas atitudes.
    Enquanto não existir união de todos os movimentos populares deste planeta, nada conseguiremos de fato!
    Os problemas de todos os povos do mundo, são idênticos: falta respeito as diferênças, falta dignidade de vida, falta espaço para morar e sobreviver.
    Precisamos nos unir de fato!

    Um grande abraço com pesar, profundo respeito e esperança!!!

    Juliani

  6. Tonico Kaiowá
    Antropologia – UFRJ/Museu Nacional.

    Os diversos povos indígenas que viviam no litoral sul e norte,
    conforme o estudo histórico, arqueológico e antropológico ao longo
    dos anos foram vítimas de genocídio, etnocídio, catequização,
    dominação colonialista, perda do território, perda da língua e perda
    da identidade. O resultado é que hoje o indígena está em toda parte:
    em aldeias, cidades e periferias. Assim, hoje são diferentes e seus
    problemas também estão diferentes.
    Em livros didáticos é sempre apresentado nu,
    violento, como vivente da floresta, desconhecedor da língua
    portuguesa e ignorante, o que cria uma visão negativa dentro da
    sociedades contemporâneas e gera uma idéia de inferiorização e
    perigosa. A escola tem dificuldade de abordar o tema indígena e
    quando o aborda provoca uma visão falsa da realidade.
    > De acordo com a CF/88 e a Declaração Universal dos Direitos dos
    Povos Indígenas, os povos originários (indígenas) são cidadãos
    brasileiro, de cultura diferenciada e onde estiverem estabelecidos
    têm direito de acesso às políticas públicas e diferenciadas e as
    terras de seus antepassados devem ser protegidas e por eles
    utilizadas para praticas culturais e cerimoniais, em respeito aos
    seus antepassados, isto para que o processo de destruição da
    identidade, da etnia e da alma possa ser, se não reparado, pelo menos
    reduzido. Apesar de tantos sofrimentos, acreditam que o Estado Nacional
    (Governo Federal) é o único Instrumento capaz de garantir os direitos
    de uma vida mais digna, mais justa, com respeito às diferenças
    históricas e culturais. Acreditam que através do exercício e práticas
    culturais podem contribuir para reconstruir o Brasil e sonhar com um
    futuro melhor.
    Um Estado Digno (Estado, União e Municípios) e a sociedade não
    indígena devem ter a preocupação de tratar o sobrevivente indígena
    com dignidade e respeito; precisa refletir como o tema é abordado até
    então, porque ser indígena não é ser inferior ou negativo, o papel é
    o de fazer as gerações entenderem o indígena e a sua realidade e não
    fazer apologia a graves crimes de discriminação e intolerância
    cultural e étnica, dos sobreviventes da população estruturante da
    atual sociedade, como ocorre no caso de Camboinhas/Itaypú.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here