Uma das questões atuais que devem ser analisadas pelos órgãos responsáveis pela assistência, organização, articulação e interlocução com as comunidades indígenas, especificamente do Nordeste, é sem sombras de dúvidas o fator “hierarquia” que envolve questões de “poder”, ou seja, qual é o limite de decisão e intervenção de um(a) cacique ou liderança que faz parte de uma comunidade fragmentada e confusa?Até que ponto o Estado que não está acompanhando a dinâmica de vida e a organização de cada grupo de forma intensiva pode intervir de forma direta nas questões internas inerentes a cada povo? Que tipo de política pode assegurar que determinado grupo que se desmembrou politicamente dos ideais dos seus lideres e resolveu seguir outra linha de atuação, não sofrerá perseguição desse grupo? Essas e outras questões estão sendo vivenciadas por alguns indígenas da comunidade Tuxá de Ibotirama, que há anos vem travando uma disputa interna dentro e fora da escola da comunidade, que tem prejudicado intensamente o futuro e a formação escolar de vários alunos da comunidade.

Não se sabe ao certo o que está acontecendo na comunidade Tuxá, com relação ao tipo de articulação, atuação ou comportamento dessas professoras e dessa funcionária da Escola Estadual Indígena Marechal Rondon que tenha provocado essa onda de denuncias direcionada a Izabela Freire, Rose Barros e Valdelice, que tem causado danos irreversíveis a vida e a carreira dessas profissionais da educação, que estão sendo afastadas das suas funções por não corresponder aos anseios do grupo liderado pelo cacique Manoel Novais da comunidade Tuxá de Ibotirama, grupo este tido como o “dominante” por integrar parte significativa da comunidade.Segundo informações das funcionárias afastadas, a DIREC 22, cedeu aos anseios desse grupo acatando as denúncias que resultou na expulsão da funcionária Valdelice do quadro da escola da comunidade e no afastamento das professoras Izabela Freire e Rose Barros do quadro de professores da mesma, a explicação para esta ação está diretamente relacionada à falta de interação e incapacidade de atuação  dessas indígenas no contexto escolar segundo alguns moradores da comunidade.

A funcionária Valdelice(no fundo) foi afastada do cargo sem ser advertida antes, a mesma diz que a causa pode está relacionada a questões pessoas e promete recorrer a decisão.Valdelice era a principal fonte de renda da família que tem como componentes o marido que tem problemas mentais, um filha e uma neta que a mesma vinha mantendo com o salário que recebia proveniente da sua função de merendeira da escola.A liderança Mazinha (lado direito) encontrou como solução a formação de outro grupo que já conta com um número significativo de famílias que estão contra a decisão tomada pelo cacique via Direc 22 e o Estado.

As professoras Izabela Freire e Rose Barros estão sem sala de aula, as duas tem formação superior, magistério indígena e a segunda está no LICCEI, mesmo com essa carga de formação, essas professoras estão afastadas das suas funções, por não corresponder aos anseios de parte da comunidade.Elas são o alvo de várias denuncias de membros da comunidade, as professoras estão passando por várias dificuldades que estão colocando em jogo sua formação especifica e a imagem da educação escolar indígena na Bahia.As professoras julgam os ataques como  desleais e injustos com a sua carreira e formação profissional que foi conquistada através de muita luta e força de vontade. 

As professoras Izabela Freire e Rose Barros (lado esquerdo) também estão na mira do cacique e de parte da comunidade que alegam que as mesmas não fazem um trabalho coerente com suas demandas educativas e que não estão capacitadas para atuar na escola da comunidade. As professoras estão sem sala de aula e correm o risco de ficar de fora do quadro de professores da comunidade e do município de Ibotirama na Bahia.

 

Complicada e extremamente delicada essa situação, já que demonstra o quanto é importante em um contexto comunitário e escolar indígena  que os envolvidos com a educação escolar nas aldeias atentem para a busca incessante da convivência e da interação pacifica com todos os membros da comunidade que vivem, independente das divergências de opinião, professores indígenas estão em um campo de atuação que requer muita habilidade e atuação intensiva, nos mais variados espaços que possam colaborar com seu afastamento dos campos minados que podem por a sua carreira em questão, fato  comum a toda e qualquer comunidade indígena e não indígena.

A Secretaria de Educação da Bahia, o Ministério Público e outras instancias estão sendo acionadas para tentar corrigir esse impasse, que segundo as envolvidas tem a ver com questões pessoais, que poderiam ser resolvidas dentro da comunidade sem precisar atingir esse alto grau de constrangimento, exposição e medo.O que fazer nesses casos? Qual  é o papal da Coordenação Indígena da Bahia na atualidade? Que tipo de política pode reverter esse quadro? Como se sentir seguro (a)? Esses e outros questionamentos, que podem ser considerados menores frente a outras questões mais graves como os conflitos de terras na Bahia, vão ou podem passar a fazer  parte do discurso de muitas lideranças indígenas do Brasil.

Jandair-Tuxá.

jandairribeiro@hotmail.com

(75) 88468682.

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. O meu parente isso é um ponto importante para ser discutido dentro da propria comunidade. Meu Deus colocar isso aqui é o (O).
    Fala serio vomos nos organizar. O que que governo tem haver com isso???
    O mais pense bem antes de colocar certas materias no saite…
    Sinto envergonhado!!!

  2. Engraçado se elas não estão capacitadas para atuar na escola da comunidade, como conseguiram passar em um concurso, então a verdadeira deficiência está no governo que as aprovou. Está claro que isso é perseguição. Elas são sim pessoas capacitadas que se prepararam para está onde chegaram. Professoras com formação em um magistério indigena, nivel superior,estudaram anos. Será que isso não é o suficiente para analisarmos onde está o erro? Deixem disso tuxás, vcs tem que se unir, lutar em conjunto e não tentar desmoralizar e derrubar seu próprio povo. É isso mesmo Jandair lutar pelo seu povo. Parabéns pela matéria!!!!

  3. Li a materia e aposto no que eu conheço os Cacique TUXÁS de Morrinho, não tem condições educacional para avaliar nem um educador da comunidade Tuxá.

  4. Envergonhado?

    Parente Pataxó…

    Devemos ter vergonha de não poder ajudar ou colaborar com a dor do próximo, ou seja dos nossos parentes.Do que adianta vagar pelo mundo levando apenas para o conhecimento dos não índios o lado bom das questões relacionadas aos povos indígenas? Essa questão de “abuso de poder” não é um fato isolado que acontece apenas na comunidade dos Tuxá de Ibotirama, é uma situação que vem acontecendo em várias comunidades indígenas da Bahia, entretanto, merecem sim ser divulgadas para que isso não venha tomar proporções maiores esse é o objetivo.Quanto ao governo, simplesmente ele faz vista grossa da situação e deixa a coisa ficar do jeito que está…apenas isso!!!
    Vamos ter vergonha da omissão a favor do beneficiamento de poucos, aquele que realmente se considera da militância indígena deve trabalhar e atuar a favor do coletivo…essa com certeza é a base de toda e qualquer liderança que não está “presa” ao governo e a várias expressões do mundo capitalista que fazem mal a nossa gente (rama).

  5. Muito bem Jandair…
    Quando um problema de uma comunidade ou de uma nação não pode ser resolvida pela mesma, e quando forças externas (Governo) está envolvida no caso, precisamos sim divulgar o ocorrido e buscar apoio antes mesmo que ocorra uma tragédia ainda maior. Garanto que esse é um espaço que temos para divulgar não só as nossas belezas culturais, mas também nossas preocupações e lamentações. Cada vez mais lideranças indígenas vão se prendendo nas correntes do Estado (ISSO QUE É VERGONHA), e o movimento vai caminhando para trás e garanto que nem só de beleza vivem os povos indígenas.

  6. VAGA PARA EMPREGADA DOMÉSTICA
    Vaga para:

    Busca-se candidatas para a vaga de empregada doméstica,
    (Limpar, passar e cozinhar o trivial, com experiência e referências).
    Interessadas enviar currículo para silrafelli@live.fr
    Em Brasília: 61 8144 9367

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here