a II etapa da I  CNPI- Gurita-19 a 21 de junho de 2015  (171)Aconteceu entre os dias 19 a 21 de Junho de 2015, a II etapa local no Extremo Sul da Bahia na aldeia Gurita, município de Prado, o evento tem como objetivo trabalhar os eixos de pauta da I conferência Nacional de Politicas Indigenista, para criar proposta para a politica indigenista. O evento, coordenado por Luiz Titiah, Dario Pataxó, Tiago de Paula FUNAI, reuniram várias lideranças do Território Kaí Pekí, aonde abrangem várias aldeias, dos municípios de Prado e Itamaraju. O cacique da aldeia Diego Braz, de nome indígena Mukugê. A aldeia Gurita fica próximo, de um povoado Curumuxatiba. A aldeia tem 2 anos de retomada, é uma ocupação do povo Pataxó. A comunidade nos recepcionou bem. No evento teve presença de lideranças das seguintes aldeias: Tibá, Kaí, Piki, Dois Irmãos, Alegria Nova, Monte Dorado, Mukugê, Tawa, Kraveiro, Águas Belas e Curumbalzinho.

A II etapa da I  CNPI- Gurita-19 a 21 de junho de 2015  (257)Abertura do evento aconteceu na tarde do dia 19, com o Toré (Ritual Sagrado), em seguida as lideranças se reuniram para dá as boas vindas. A Comissão Regional, fez a leitura da pauta, e do regimento da conferência. Depois de um dialogo bom, ficou certo para as lideranças se reunir no próximo dia para continuar a elaboração das propostas, através de dialogos, avaliação, trabalhos em grupos… No dia seguinte a plenária tinha a presença de todas as lideranças que foram convidadas, o dialogo começou forte, aonde uns dos pontos discutido foram a união das lideranças para resolver os problemas internos nas comunidades; o repúdio contra a decisão da justiça em relação a terra da Cacique Katia, a justiça deu uma eliminar de reintegração de posse, sendo que a comunidade já ocupa a aldeia a mais de 15 anos. No evento teve a presença do coordenador do DSEI-BA Jerry Adriano Matalawê, O presidente do CONDISE Sr. Jeovaco Pataxó, CIMI Sr. Domingos, entre tantos outros colaboradores da conferência a exemplo de Dr. Dinaman Tuxá(advogado), Dr. Edson Kaiapó (Professor História IFBA). Um tema forte da etapa foi a participação como palestrante o Cacique Naílton Muniz, lideranças do povo Pataxó Hãhãhãe, que apresentou história da lei dos povos indígenas que foi garantida na constituição Federal que é o artigos 231 e 232, criada em 1988, o mesmo ajudou na construção e também junto com outras lideranças fizeram articulação para convencer aos deputados a defender e aprovar a lei no passado. Edson Kaiapó falou bastante sobre a história do índios no Brasil, lembra o passado e os desafios enfrentados recente e qual a expectativa para o futuro, conta até que no passado para o índio ser cidadão ele precisa esquecer as tradições e cultura de seu povo. Jerry, da importância de conhecermos como funciona a sociedade, e diz que agente ao longo da história sempre fomos vítimas, e que o povo indígenas precisa se considerar competente e capaz, não deixar de acreditar na sua capacidade e não se colocar como coitadinho e assumir o seu próprio protagonismo de cuidar de seu povo, assim viveremos a liberdade de fato.

a II etapa da I  CNPI- Gurita-19 a 21 de junho de 2015  (172)As lideranças, em entrevista acredita que essa conferência é a oportunidade que a nação indígena tem para fazer a diferencia, de repudiar, elaborar propostas que visa melhorar a qualidade de vida dos povos indígenas do Brasil…É bem lembrado por alguns indígenas que a saúde, educação, outros serviços sociais é importante, mas o fundamental para o povo indígena é o direito a terra, o aceleramento das demarcações das terras, o trabalho de reconhecimento de novas terras indígenas. O índio sem a terra é como um peixe fora d’Água, agente precisa de nossa terra para plantar, cultivar, zelar de nossas matas, assim teremos comida abundante, teremos raízes e plantas medicinais, que cura o nosso povo. Depoimentos forte apresentado por lideranças, sendo que todos reconheceram a necessidade de reunir as lideranças de várias aldeias, para dialogar e juntos planejar ações de futuros.

Essa etapa foi maravilhosa, com simplicidade e acreditarmos em um futuro melhor com direitos respeitados é o desejo das lideranças que lutam pela vida de qualidade de seu povo.

Comunicador Regional: Ararawã Baenã

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR
A muito tempo lutando em prol do Povo indígena do qual faço parte, até ameaças de morte já recebi. Mas não me calo! pois os espíritos de meus antepassados está comigo. E a proteção de Tupã.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here