VENTO SUL
Juvenal Payayá (Bahia Brasil)

Para MariaMicaela, do Uruguai

Maria, irmã de longe

Periódica como o vento sul

Sopras o seu comedido som

O som que é longe e perto,

Palavras aquecidas

Fundidas sílaba-à-sílaba

Vibrando em cada verso

Fagulhas forjada no calor

Distantes, em diversas cores,

A poesia – assim como estrelas –

Irradia faíscas e luz, conduzindo

A imagem de quem a preparou.

A fé do crente é construída

Por imagens enternecidas,

Distante do mais atento olhar.

– Infinito é o poder da ilusão.

A poesia é a ilusão ilustre

Que fermenta as mentes,

Aproxima o espaço e o tempo,

Faz revolto o coração.

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here