Eu me acordo de uma hora da manhã, duas horas vou caminhar. Depois vou fazer minhas orações, como meu pai fazia. Meu pai ia numa estrada. Se encontrasse uma cachorra feito essa com essas faixas, não conseguia viajar, tinha que volta; se eu encontrasse uma cobra na minha viagem, eu também não viajava porque aquela viagem não era conveniente. Hoje a gente encontra uma onça, encontra um leão, encontra qualquer coisa, segue pra frente, por que isso ai? Porque a elevação do índio hoje ele não quer conseguir aquilo do método como ele vivia anteriormente. Hoje ele quer viver dentro da civilização. Está certo: o estudo, mais é uma coisa boa, eu não discordo do estudo, mais muitas coisas estamos perdendo através de nosso trabalho. Porque o estudo eu não rasuro tempo nenhum porque foi onde nós fomos buscar conhecimento para crescer. Mas dentro da parte de estudo, nós não pode elevar ele dentro do nosso ritual. Isso é muito importante. Na época dos anos 80, foram fazer um levantamento do trabalho pankararu, ai partiu daqui o cacique e o pajé foram pra recife, eu não fui, acompanhei porque eles não me chamaram porque temos as divergências sobre a própria comunidade e lideranças,nos estava numa divergência e eu estava trabalhando sozinho. Partiram pra recife. Chegaram há foram representar os pankararu que era pra fazer conhecimento pra cair no registro que não estava registrado certo. O cacique João monteiro da luz partiu pra lá, falar com dois juizes do segunda vara federal. Quando chegou lá no recife, foram pra representar o trabalho, procura qual era o melhoramento do índio, ele falou: o índio vivia da caça e da pesca. Hoje não se vive mais da caça e da pesca ,porque não temos o floresta mento que desmataram, a parte do rio foi sujo,o índio esta sujo como lama,o peixe esta enumerado,nós perdemos nossos idiomas pelos bancos escolares do governo. Que significa perder nosso idioma pelos bancos escolares do governo?Não tenho nada a ver com isso,porque pelos bancos escolares do governo,é onde nós vamos aprender toda melhoramento pra falar com essas pessoas de gabarito ,os doutores na cidade . as o doutor e o petrucio.anulavam anulavam ficou muito aqui só por essas palavras que nos perdemos nosso idioma pelos brancos escolares do governo, ele anulou a causa.

aratykumpank@htmail.com.br
aratykumpank@yahoo.com
aratykumpank@gmail.com

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Essa matéria faz a gente refletir dos acontecimentos que ocorreram anos atrás, porém ainda hoje presenciamos mistérios que ocorrem em nossa natureza, o qual convivemos com a mesma.
    Parabéns Aratykum.

  2. É interessante saber notícias de pessoas que ainda conheçam algo da língua perdida. No tempo das perseguições, índio fingia que não era índio para não ser maltratado. Para conseguir sobrevivendo tinha que assimilar a cultura do branco. isso foi uma grande violência. E a cultura do branco ensina que não se deve dar ouvido aos mais velhos – procura dizer que velho não tem mais valor. Isso é um grande engano pois todos sabemos que cultura e estudo resulta do conhecimento dos mais velhos. Sempre foi assim e sempre será. Temos que procurar resgatar a história das nossas grndes nações que povoaram esta terra que hoje conhecemos como Brasil. O Brasil é um país sem resgate histórico e isso é muito mal para todos. É um país onde se esconde tudo aquilo que o preconceito não quer que apareça para as pessoas. Temos por obrigação resgatar tudo que nos traga a nossa história, assim como dar ouvidos àqueles que possuem algo de informação para que possamos ter orgulho do nosso presente e nosso futuro.

  3. É muito rico o depoimento do índio Antonio moreno, nossas histórias das nossas realidades passadas, elas são o registro vivo da identidade pankararu. A realidade pankararu atual é repleta de divergencias, mas um fato é real: somos unidos pela divindade existente na aldeia e temos a obrigação de fortalece-la em memoria dos nossos antepassados devemos muito a eles. E os mais velhos demos o nosso respeito, pois é de deles que apredemos os misterios sagrado pankararu.Contudo, estudar, cursar faculdade não significa esquecer nosso passado, mas fortalecer a cultura da aldeia. eu acredito que é possivel adquirir o conhecimento universitário sem perder a identidade indigena, para isso deve ser feito o conhecimento de base na aldeia, ensinando e passando para as crianças a importancia de ser um guerreiro(a)e quando sair no no mundo já estará conciente e preparado para não ter vergonha de ser um pankararu guerreiro, eu sou um pankararu e agradeço a minha familia que preparou-me para ser um pankararu universitário.

  4. É BOM SABER QUE AINDA TEMOS, NOSSOS VELHOS TÃO LUCIDOS E CADA VEZ MAIS CRITICOS.
    ELE TEM RAZÃO QUANDO FALA QUE OS BANCOS ESCOLARES FOI UNS DOS QUE NOS PREJUDICOU, SENDO UM DOS FATORES QUE LEVOU HA PERDA DE NOSSA LINGUA, MAS HOJE EM DIA TERMOS QUE USAR ESSA ARMA DO CONHECIMENTO DOS BANCOS ESCOLARES PARA REINVIDICAR E SABER LUTAR PELOS NOSSOS DIREITOS.
    ATRAVÉS DO ESTUDO PODEMOS IR MAIS LONGE, MAIS ISSO NÃO SEGNIFICAR IR LONGE PRA SI, E SIM IR LONGE COM O NOSSO POVO, PARA QUE A VIDA DE TODOS NÓIS MUDE.
    OS UNIVERSITÁRIOS SÃO O FUTURO DE AMANHÃ.BASTA AJUDAR NEM SE FOR COM UMA PALAVRA, ESTOU COM VC MEU POVO!

  5. S~wk~wqke~lelçkdskkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkdlçsakpowe4irs;ld,sçlrioçls,eçlwkeldk.;zlkdlçsaekorieu sou ingio

  6. quantas mulheres um indio tem ?COMO O INDIO RELACIONA-SE COM SUA MULHER?
    COMO ELE SE SENTE COM SUA MULHER?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here