Acredito que alguns de voces estão acompanhando o que tem ocorrido com o Povo Tupinambá de Olivença onde alguns não índios que hoje ocupam o território Tradicional Tupinambá estão se reunindo para negar a existência de indígenas na região.

Tudo isso está ocorrendo porque recentemente foi publicado o Relatório sobre o Território Tupinambá e suas delimitações.

Esse relatório faz parte do processo administrativo de Demarcação de terras Indígenas regulamentado pela Decreto 1.775/96.

Vamos entender como funciona o processo de demarcação de terras indígenas?

O processo de demarcação é dividido em sete etapas.

1-Estudos de identificação
2- Aprovação da Funai
3- Contestações
4-Declaração dos limites da Terra Indigena
5-Demarcação Física
6-Homologação
6-Registro

Primeiro a Funai nomeia um antropólogo para elaborar o estudo antropológico de identificação da Terra Indígena e de um grupo de trabalho técnico (fase 1). É elaborado um relatório circunstanciado que é levado para aprovação da Funai. Essa aprovação é feita pelo Presidente da Funai (Fase 2) que tem o prazo de 15 dias para publicar seu resumo no DOU (Diário Oficial da União) e no Diário Oficial do Estado a que pertence a TI, e afixada na Prefeitura do Município onde se encontra a terra indígena.

É aberto então o prazo de 90 dias após a publicação no DOU para contestações (Fase 3), que deverão ser acompanhadas de provas. Esta contestação deverá ser entregue ao Órgão Indigenista, no caso a Funai. A Funai por sua vez tem 60 dias (após decorridos os 90) para elaborar pareceres sobre as razões de todos os interesses e encaminhar o Ministério da Justiça (fase 4).

O Ministro da Justiça tem 30 dias para:

(a) expedir portaria , declarando os limites da área e determinando sua demarcação física;
(b) prescrever diligências para serem cumpridas em mais 90 dias; ou ainda,
(c) desaprovar a identificação, publicando decisão fundamentada no parágrafo 1º do artigo 231 da Constituição.

Havendo a declaração dos limites da área indígena, a Funai promoverá a sua Demarcação física (fase 5), e o Incra (Instituto Nacional de Colonização e reforma Agrária) providenciará o reassentamento dos ocupantes não índios.

Tal procedimento é então submetido ao Presidente da República para Homologação por Decreto (fase 6). Após a terra demarcada e homologada ela é registrada (fase 6) em até 30 dias no cartório de imóveis da Cidade onde se encontra a Terra Indígena e no SPU (Serviço de Patrimônio da União).

Potyra Tê Tupinambá.

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

31 COMENTÁRIOS

  1. Potyra Tê , excelente sua matéria , além de muito esclarecedora , essencial para o momento em que estão vivendo os Tupinambás. Serve de leitura importantíssima a todos que querem entender um pouco mais de como funciona a engrenagem das demarcações de terras indígenas !!! Parabéns guerreira !!!!

  2. SIM!!!o mais importante cadê os índios??Demarcação onde??P/ que índios!!Fala sério??Vamos fazer a árvore genealógica de todo o Brasil!!
    Ah!!!Pronto!!todo mundo é índio, negro e branco!!!Vamos demarcar o BRASIL todo!!
    e poupem viu???

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here