No período de 13 a 20 de julho, aconteceu em Campinas – SP, O Iº Encontro Nacional da Rede Mocambos, mais precisamente na Casa de Cultura Tainá. Estiveram presentes 20 representantes dos Pontos de Presença do GESAC e dos Pontos de Cultura do MINC, vindo de diferentes estados do País. E nós da Rede Índios On line estávamos lá representando a rede e a nação indígena, como um todo.

Durante os 07 (sete) dias de evento, foram discutidos o papel das políticas públicas para os povos e comunidades tradicionais, os problemas de acesso, visibilidade e distribuição dos recursos públicos, ainda foram realizadas oficinas de tradições afro, de tecnológicas, entrevistas, rodas de conversa para debates com gestores de políticas publicas, registros em áudio, vídeos e fotos.
Nas rodas de conversa sobre políticas publicas, foi levantada as diferentes realidades das comunidades e povos tradicionais, construindo propostas e reivindicação apresentadas aos gestores públicos.
O eixo temático para a discussão das políticas publica foram: Território; Educação; Movimentos Quilombolas e Indígenas; o Desenvolvimento Organizacional, a tecnologia da informação e comunicação; a Comissão Nacional de Povos e Comunidades Tradicionais e Cultura.
No debate sobre políticas publica, voltado às comunidades tradicionais, com a participação de representantes do Governo Nacional, Célio Turino do Ministério da Cultura (MINC) e do Coordenador do Gesac e, representante do Ministério das Comunicações (MC) Heliomar Medeiros, o mesmo teve a infelicidade de dizer que é difícil instalar antenas de conexão de internet do Gesac nas aldeias, visto que, alguns pontos de presença indígena não estavam dando certo pois, os mesmo não se conectavam a internet e estavam sujeito a perde-las. O mais interessante de tudo é que o já referido representante comparava os pontos de presença indígenas, com os pontos de cidades, onde o contato com as novas tecnologias são mais fácil, até mesmo para aprender o manuseio das máquinas.
Vale lembra que algumas nações indígenas encontra-se em locais de difícil acesso e, em muitas vezes, o contato com as maquinas são realizados pela primeira vez, através dos próprios implementadores dos Gesac, os quais fornecem oficinas para capacitação com período de apenas uma semana, o que nos parece ser padrão do próprio Gesac. Em alguns casos essas máquinas chegam até mesmo ser chamada de “bichos” pelos parentes, que os desconhecem.
Entretanto, o que podemos observar com toda a prosa infeliz do referido representante do Ministério das Comunicações, é que a falta de entendimento e conhecimento das diferentes realidades de nossas comunidades indígenas, é justamente o que dificulta a chegada das conexões nas aldeias. Mesmo sabendo, que o próprio programa nos da prioridade nas instalações das antenas. Sendo assim, de todos os momentos do evento, esse episódio foi o pior para nós indígenas, visto que este poderia ter sido a oportunidade para a discussão de como o governo nos ajudaria a melhorar a nossa participação em vista do programa.


Durante o decorrer do evento, tivemos a oportunidade de apresentar a 2ª edição do livro “Índio na Visão dos Índios, nós Tupinambás” para, entre outros, o representante do Ministério da Cultura o Sr. Célio Turino,

o qual foi entregue um exemplar, junto com um DVD “O Som Sagrado dos kariri – Xocó”, que foi lançado este ano, trabalho este realizado pelos próprios parentes que fazem parte do ponto de cultura Índios On line junto a ONG Indígena THYDEWAS, a qual tem acompanhado e ajudado nossos trabalhos desde o início.
Durante o período da noite, assim que se encerravam os trabalhos diários, aconteciam as apresentações culturais, de povos e comunidades tradicionais que estavam presente no encontro. A apresentação indígena aconteceu na quinta-feira dia 17 de julho de 2008, entretanto, só estavam presente 04 (quatro) indígenas de diferentes nações, sendo eles: Paulo, representante da nação Wai – Wai – PA que foi em busca de conexão de internet para a Escola Indígena de sua Aldeia; Namblá representante da nação Xokléng – SC e nós, Jaborandy Yandê e Curupaty Abaeté da nação Tupinambá – BA e, representantes da Rede Índios On line.

Mesmo sendo minoria no encontro, fizemos uma grande e bonita apresentação com a participação de todos os outros parentes das comunidades Quilombola, que participaram e cantaram com muita alegria em estar fazendo parte daquele momento que com certeza ficou marcado na memória e no coração de muitos.
O I Encontro da Rede Mocambos foi um momento único, para todos nós representantes de pontos de cultura que estão sendo fortalecidos dentro das comunidades tradicionais. A falta de atenção dos governantes com as necessidades de nossas nações ainda é muito preocupante, e esse programa veio para somar nossa luta contra exclusão e dependência dos governantes que dão algo visando outra coisa em troca, tirando de seus vocabulários o dever para com o povo e o direito do povo. Isso abriu muito a nossa mente em ver e ouvir representantes de quase todos os Ministérios na rodas de conversas, respondendo nossas perguntas e nos ouvindo de igual para igual sem autoritarismo ou ignorância e isso nos da esperança, força de união para alcançar nossos objetivos e metas, uns ajudando os outros, como parentes e irmãos no mundo.

“Estamos diante de um momento crítico na história da Terra, numa época em que a humanidade deve escolher o seu futuro. À medida que o mundo torna-se cada vez mais interdependente e frágil, o futuro enfrenta, ao mesmo tempo, grandes perigos e grandes promessas. Para seguir adiante, devemos reconhecer que, no meio da uma magnífica diversidade de culturas e formas de vida, somos uma família humana e uma comunidade terrestre com um destino comum. Devemos somar forças para gerar uma sociedade sustentável global baseada no respeito pela natureza, nos direitos humanos universais, na justiça econômica e numa cultura da paz. Para chegar a este propósito, é imperativo que nós, os povos da Terra, declaremos nossa responsabilidade uns para com os outros, com a grande comunidade da vida, e com as futuras gerações”.

postado por : Jaborandy Yandê e Curupaty Abaeté Tupinambá de olivença

e-mail : jaborandy.indiosonline@gmail.com

e-mail : curupaty.indiosonline@gmail.com

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

13 COMENTÁRIOS

  1. Venho pedir as desculpas para meus parentes q acreditaram em nós para representar nossa Rede neste evento, pela demora de dividir os acontecimentos do I encontro nacional da rede mucambos… onde podemos estar mais informados em algumas coisas q esta se acontecendo nos programas do governo. Imaginamos q esperando um pouco mais conseguiriamos, o documento final q ficou para ser postado na Rede mucambos, q até os dias de hoje me parece estar fora do ar… Tbm lamento bastante pelos parentes q iriam fortalecer a nossa representação neste evento, e acabaram tendo dificuldades e não conseguindo ir… Lamento tbm pelas fotos q não conseguimos postar na materia pois tivemos dificuldades, mais no decorrer da semana estaremos colocando estas fotos.

    awere a tds!!!

  2. Parabens amigos voçês estão sintonizados com a luta, entrando em contato com outros povos que tentam unir as forças, entre as manifestações culturais em diversos segmentos da sociedade, civil e indígenas. Nhenety Kariri-Xocó.

  3. muito bom sua materia por que a politica tem mesmo quer ser descultiuda.
    ela e um caso serio na pulitica de dois mil e quatro(2004)trouse muita
    desunião pra minha aldeia por isso tem que ser descultida mesmo.

  4. Jaborandy e Curupaty:

    Mas VALE tarde que NUNCA!!!

    lamento muito tambem que parecem foram destinadas mais de 10 vagas para INDIOSONLINE e só dois representantes chegara. Esperemos que nos proximos eventos nossa comunicação e interlocução seja melhorada para podermos estar particpando em peso!

    Parabens pelo relato e opinioes. O MC – GESAC esta dificl de conversar. Eles sao numericos e nos humanos.
    Mas nao podemos nunca desistir!

    PELA HUMANIZAÇÂO DE TODOS!
    Sebas

  5. Sou neto de Pedra Silva, de Peçanha MG,
    E existe dados maiores sobre este fato divulgado na internet
    “1902 – Registro de morte de Joaquina Maria, índia Puri, com cerca de 90 anos.”
    E eu gostaria de saber se tem parentes vivos e se sabem onde estão…
    E gostaria de saber como posso somar na luta de resistencia indigena…eu e minha esposa somos formados em Ciencias Sociais, e somos professores na rede escolar do estado de Saõ Paulo, se pudermos somar com os parentes ficaremos felizes..
    Um abraço irmão
    Celso de Campinas

  6. Valeu parentes!
    Foi muito bom compartilhar nossas tradiçoes la no encontro.Vamos juntar as forças para mudar essa situaçao.

  7. yo jaborandy e curupaty
    um grande salve pra vocês e todos nossos parentes indígenas. nos sentimos muito honrados com a presença e a contribuição que vocês deram ao I Encontro da Rede Mocambos. é muito bom saber que agora estamos juntos na mesma luta para garantirmos nossos direitos. temos que continuar juntos para incluirmos mais parentes nossos nessa rede de comunicação, pois só assim poderemos manter todos cada vez mais unidos para fazermos esse nosso país ser justo com todos. quanto a questão das antenas do gesac é importante lembrar que a rede mocambos está desenvolvendo uma ação junto ao ministério das comunicações/gesac que nos permite um acesso mais rápido a esses recursos de tecnologia de comunicação. pra isso temos que trabalhar juntos pra conseguirmos orientar o planejamento com as comunidades que precisam desses recursos pra orientar o gesac e construir estratégias juntos.
    estamos aqui pra ajudar na construção desse processo.
    asé
    tc

  8. Nós da ANEPS enviamos desejos de que esta articulação QUILOMBOLA NACIONAL tenha repercussão por todo o Brasil.Parabéns!Quanto a Casa Tainá , em Campinas-SP,é um exemplo de PONTO DE CULTURA e diversidades.Robson,Rude TC e todos os mocambolas grande abraço e carinho de nossa rede de Educadores Populares na Saúde.
    Odila Fonseca e Eduardo Rocha (eddarocha@yahoo.com.br)

  9. Deixar um salve aqui para os quilombolas e irmãos, que representaram muito bem no I Encontro da Rede Mocambos.
    Como irmão e parente, pude ter a honra de ouvir e conhecer um pouco mais da vida e da cultura indígena representada pelos índios; Jaborandy, Curupaty, Julesmã, Paulo e outros que não me recordo o nome, desculpe pela falta dos nomes. Posso afirmar que a demostração de conhecimento apresentado pelos irmãos deixou muitos de nós boquiabertos, a facilidade de conduzir toda a galera que se encontrava no encontro com as suas danças (nossas danças), amizade e o dom da palavra, foi muito educativo e necessário para todos nós.
    Tenho confiança, que a Rede Mocambos, vai viabilizar o acesso a rede via internet (telecentros), para muitos irmãos indígenas nos mais longínquos lugares do Brasil.
    Aos irmãos da Rede Mocambos, os mais sinceros carinho e afeto que possuo.
    Abraço a todos

    ps.: quanto ao governo…

  10. Em trabalho na faculdade, sobre significados de nomes indígenas, fui encarregado de procurar o significado de nome “Nayara Anaí”, incrivel, mas minhas pesquisas não tiveram o sucesso desejado, preciso que me ajudem a desvendar, oque significa, seus costumes e a que tribo, utilizava ou utiliza esse nome. Antecipo meus agradecimentos.
    Atenciosamente

    Lincoln Amaral

  11. Em trabalho na faculdade, sobre significados de nomes indígenas, fui encarregado de procurar o significado de nome “Nayara Anaí”, preciso que me ajudem , oque significa.

    Atenciosamente

    Lincoln Amaral

  12. Olá Guerreiros Jaborandy e Curupaty,
    Parabens pela participação no evento Mocambo e na identificação de novos parceiros.Penso que a luta hoje continua firme e que o diálogo entre os diferentes é um dos instrumentos eficazes.Vamos ter novamente dias 27,28 e 29 a oportunidade de mostrar a realidade das aldeias do Nordeste e dos povos indígenas brasileiros no Congresso Internacional do Governo Eletrônico http://www.consegi.gov.br, em que um grupo de indios on line e colaboradores vai participar, em Brasilia. Concordo com vcs em que há um desconhecimento do movimento que acontece nas aldeis em rela~]ao aos esforços de inclusão digital. Não temos tantas máquinas para caracterizar um telecentro. Em algumas aldeias, com uma máquina apenas se consegue a inclusão digital e social, se tiver disponibilidade de internet é claro. Se o governo precisa conhecer mais os vários brasis que temos, nós também precisamos refletir sobre o melhor uso das antenas e das tecnologias da informação e comunicação. Não vamos fechar nenhuma porta de diálogo, nem desanimar da luta,ainda que pareça difícil. Alguns técnicos defendem os caminhos instituídos da burocracia, outros podem ter uma postura de abertura ao novo e ao que é instituinte.Vamos identificar parceiros. Não vamos desistir de conseguir as antenas instaladas nas aldeias, isso é direito dos cidadãos indígenas brasileiros, que podem ser beneficiados pela política de inclusão social do Governo Eletrônico. A rede indiosonline está com seus fios bem trançados e vocês são guerreiros jovens em força de luta e estão crescendo a cada dia em sabedoria também.Vamos em frente!
    Um abraço a todos e estamos juntos.

  13. Salve Salve Hermanos!!!!!
    Saúde a tod@s

    Estamos aqui na Tainã com muitos materiais em fotos, videos e áudios.

    Ja estamos editando uma sinopse #01 do encontro. Podemos pensar em uma forma de distribuição destes materias, ja servindo como uma forma de backup do nosso acervo!!!!!

    O portal esta de volta… estamos trabalhando pra deixa-lo 100% novamente.

    Intercâmbios – Imerssões – Convivencias ———-> é isso que precisamos.

    Abraços!!!! E até a próxima…. Estarei no consegui junto com TC, Avena, Gelo, Banto e vocês!!!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here