Começa nesta sexta feira, 13 de agosto de 2010, na Aldeia Caramuru, no município de Pau Brasil, o Encontro de Mulheres Indígenas do Regional Leste, com o tema: “A luta das mulheres indígenas pela igualdade de direitos e qualidade de vida de seus povos”.  

O Encontro é uma realização da Comissão de Organização das Mulheres Indígenas do Sul da Bahia (COMISULBA) e da Comissão das Mulheres Indígenas do Regional Leste (COMIL). E conta com o apoio e a assessoria do Conselho Indigenista Missionário (CIMI) e com o apoio da Coordenadoria Ecumênica de Serviço (CESE), Fundação Nacional do Índio (FUNAI), Fundação Nacional de Saúde (FUNASA), Articulação dos Povos e Organizações Indígenas do Nordeste, Minas Gerais e Espírito Santo (APOINME), da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social e Combate a Pobreza do Estado da Bahia (SEDES), alem das contribuições da Misereor (Alemanha), Cáritas (Espanha). 

As organizadoras do evento esperam reunir cerca de 250 mulheres das diversas comunidades indígenas dos estados da Bahia (Pataxó Hã-Hã-Hãe, Tupinambá de Olivença, Pataxó do Extremo sul, Tupinambá do Jequitionha) de Minas Gerais (Xakriabá, Aranã, Kaxixó) e do Espírito Santo (Tupiniquim e Guarani), além de representantes do povo Tuxá do norte do Estado da Bahia.  Contará ainda com a participação de mulheres Quilombolas, de mulheres trabalhadoras rurais e de mulheres dos movimentos urbanos da região.  

O encontro tem como Objetivo geral: Contribuir com o processo de participação das mulheres indígenas e suas organizações, visando o fortalecimento das lutas pela recuperação dos seus territórios, possibilitando momentos de formação, informação, de troca de saberes entre os grupos e rearticulação da COMIL. (Comissão de Organização das Mulheres Indígenas no Leste) e como objetivos específicos:   

   

 

  • Ser um espaço de vivência coletiva e de troca de saberes;
  • Ser um espaço de discussão de políticas públicas para as mulheres indígenas;
  • Criar um espaço de formação e de fortalecimento da auto-estima e da afirmação social e cidadã das mulheres indígenas;
  • Contribuir no fortalecimento da articulação das lutas das mulheres com a rearticulação da COMIL;
  • Possibilitar espaço para envolvimento de outras mulheres das Comunidades indígenas;
  • Fortalecer o empoderamento e protagonismo  feminino nas aldeias;
  • Estreitar os laços de parcerias entre mulheres indígenas, camponesas e quilombolas;
  • Dar continuidade aos encontros, como espaços só das mulheres;
  • Propiciar o intercâmbio do movimento das mulheres do Sul da Bahia com mulheres de outros povos;
  • Possibilitar ás mulheres superação de alguns desafios ainda persistente nas suas organizações;

 

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR
A muito tempo lutando em prol do Povo indígena do qual faço parte, até ameaças de morte já recebi. Mas não me calo! pois os espíritos de meus antepassados está comigo. E a proteção de Tupã.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here