fala dos saberes da terra enquanto programa de educação do campo, porque os povos indígenas são população do campo dentro das suas especificidades como outros povo e outros movimentos sociais também são!

Tainá Pankararu!
taina@indiosonline.org.br

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. O projeto Saberes da terra é como algo que caiu do ceu, pois as nossas especifidades é envolvida a todos os momentos na sala de aula e tb fora da sala, pois a educação tb acontece aos nossos arredores. Tb participei em alguns momentos no projeto e em reuniões pedagógicos do mesmo, onde realmente socializamos nossos saberes como educador e como um aprendiz.
    Parabéns Tainá por uma ótima matéria.

  2. Primeiramente, parabéns a Tainá pela excelente idéia de entrevistar Elisa, que é uma guerreira nas artes da educação com sua importante participação no Conselho Estadual de Educação dePernambuco, falando sobre o Programa Saberes da Terra, que é o Programa Nacional de Educação de Jovens e Adultos para Agricultores Familiares. A iniciativa está sendo implementada pelo Ministério da Educação (MEC), por meio da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad), e da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec).Queria lembrar um dos aspectos do documento básico do EJA ( Educaçação de Jovens e adultos)
    “Tratar a EJA como direito significa reafirmar a Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 1948, para a qual a educação constitui direito fundamental da pessoa, do cidadão; mais do que isto significa criar, oferecer condições para que esses direitos sejam, de fato, exercidos. Desde o final da primeira metade do século XX, os sistemas nacionais de educação vêm decidindo seus rumos e filosofia a partir da prioridade política assumida por todos os Estados-nação que assinaram a referida Declaração. Entre nós, brasileiros, só em 1988 o direito à educação para todos voltou à Constituição Federal, devendo-se abandonar, portanto, qualquer lógica de oferta de atendimento como “oportunidade” e “chance” outorgadas à população. Como direito, a EJA é inquestionável e por isso tem de estar disponível para todos, como preceituado pela Constituição Federal.”
    Comentando o que disse nosso amigo Israel, parece algo que caiu do céu, mas é um direito nosso, conquistado aqui na terra e um dever do Estado, como manda nossa Carta Magna, a Constituição Federal.Vamos em frente!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here