Projeto aprovado pela Câmara dos Deputados prevê que universidades federais reservem a metade de suas vagas de acordo com critério racial e econômico. Proposta vai para o Senado.
Rio – No dia da Consciência Negra, a Câmara dos Deputados aprovou ontem projeto que torna obrigatória a reserva de metade das 227.600 vagas oferecidas anualmente pelas universidades públicas federais em todo o País para cotas raciais e sociais. No caso das quatro federais do Estado do Rio, UFRJ, UFF, UniRio e Rural teriam que destinar 11.457 vagas para as cotas. O projeto segue para votação no Senado.
As universidades terão quatro anos para se adaptar ao sistema de ingresso que já é adotado nas instituições estaduais do Rio de Janeiro, como Uerj, Uenf e Uezo. O feriado foi marcado por celebrações durante todo o dia. Um desfile cívico na Avenida Presidente Vargas abriu as comemorações no Rio de Janeiro, que também recebeu o presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante os festejos.
O projeto de lei destina vagas para alunos que cursaram os três anos do Ensino Médio em escolas públicas. Parte das vagas beneficiará negros e pardos, indígenas e estudantes de baixa renda. O percentual seguirá a proporção desses grupos na população do estado, tendo por base o último censo do IBGE. Uma outra subcota vai reservar metade das vagas de escola pública para os estudantes com renda familiar por pessoa inferior a 1,5 salário mínimo (R$ 622).
O projeto aprovado pela Câmara também reserva as vagas para as escolas técnicas federais de nível médio. Neste caso, para serem beneficiados pelas cotas os alunos têm de ter cursado integralmente o Ensino Fundamental em escola pública. O deputado Paulo Renato (PSDB-SP) disse que este será o critério mais eficiente na redução da desigualdade. “Todos os dados têm mostrado que é a situação de renda da família que determina o desempenho diferencial entre os estudantes”, justificou.
O líder do governo, Henrique Fontana (PT-RS), acredita que o projeto será capaz de melhorar as condições de acesso dos mais pobres às universidades públicas e reduzir as desigualdades raciais. “O projeto revoluciona o acesso ao ensino público superior no País”. Além de tornar obrigatórias as cotas para as universidades públicas federais, o projeto abre a possibilidade de que as universidades privadas também adotem cotas na forma desta lei.
LEI AMPLIA BENEFÍCIOS PARA ATRAIR CANDIDATOS À UERJ
O Rio de Janeiro foi o estado pioneiro na implantação de cotas nas universidades. Há cinco anos, a Uerj abriu as portas do Ensino Superior para estudantes negros e pardos. Apesar do avanço na questão racial, a instituição enfrenta dificuldades para preencher todas as vagas destinadas aos cotistas. Desde o início da lei, em 2003, o número de candidatos caiu 75% na Uerj e na Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), em Campos.
No vestibular deste ano das duas instituições, foram oferecidas 2.632 vagas para estudantes negros, oriundos da rede pública, portadores de deficiência, indígenas e filhos de policiais e bombeiros. Sobraram 1.335 vagas das reservadas às cotas.
As universidades não sabem explicar a razão da baixa procura. Para mudar esse quadro, este ano foi feita a revisão da Lei de Cotas, ampliando os benefícios que garantem a permanência dos estudantes. A bolsa-auxílio (R$ 250), que era dada só no primeiro ano do curso, foi estendida até a formatura.

Comentários via Facebook

2 COMENTÁRIOS

  1. Todos são iguais perante a lei(Constituinte 1988). Agora por que mão ter cotas para amarelos, oriundos do MST, brancos,e outros???Qual é a diderença? O problema cultura está lá no 1ºgrau e não no ingresso da universidade!!! O q fez a Coréia: deu ensino lá na base. Por isso, é a potencia q conhecemos. O governo está tapando o sol com a peneira. Sou oriundo de Faculdade publica. Quem sustenta esses alunos em escolas p[ublicas antes do vestibular? os q pagam impostos!!! Estamos, na realidade, fecundando mediocridade. O q [e lament[avel.

  2. è um assunto realmente que suscita um debate acirrado…sou a favor da cotas…em muitos países existem…

    Agora , alguém pode me ajudar ? tenho parentes índios , mas são ascendentes distantes , que residiam no Ceará…como faço pra saber
    ?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here