Depois da realização da lll Assembleia na Aldeia Fazenda Canto nos dias 09,10 e 11 de outubro de 2011 foi divulgada a Carta de conclusão.

Nós, representantes das aldeias Fazenda Canto, Mata da Cafurna, Coité e Cafurna de Baixo, reunidos em nossa lll ASSEMBLEIA, realizada no período de 09 a 11 de outubro de 2011, na aldeia Fazenda Canto, com o tema A LUTA PELA TERRA E O BEM VIVER DO POVO XUKURU-KARIRI: CONSTRUINDO O PROCESSO DE OCUPAÇÃO DO NOSSO TERRITÓRIO TRADICIONAL, tendo em conta a portaria declaratória n° 4.033 de 15 de dezembro de 2010, que reconhece a ocupação tradicional do nosso território, refletimos sobre a melhor forma de praticarmos o usufruto coletivo de nossas terras.   Para tanto, tomamos como referência os valores do bem viver de nosso povo.   Nos trabalhos em grupo foi destacada a importância dos rituais e tradições, o respeito com a MÃE NATUREZA e com os anciãos, a nossa organização sociocultural, a memória dos antepassados e a valorização de nossos saberes ancestrais. Ao longo das discussões, entendemos que a construção do bem viver implica no envolvimento de todas as instâncias organizativas do nosso povo como: a Comissão Permanente de Articulação, Mobilização e Viagens Pró-Demarcação e Homologação do Território Tradicional Xukuru-Kariri, educação escolar indígena, saúde, organização de mulheres, jovens, crianças, anciãos, lideranças e as demais pessoas das nossas comunidades, pensando e organizando um projeto de sociedade harmoniosa, participativa, solidária, justa e comprometidas com a memória de luta dos nossos antepassados.

Para que isso possa se concretizar é preciso que o processo de regularização fundiária seja agilizado, por isso exigimos do governo federal a imediata indenização das benfeitorias de boa fé dos ocupantes não indígenas bem como o justo reassentamento dos pequenos ocupantes em condições dignas de habitação com infraestrutura adequada que possa lhe assegurar um padrão de vida igual ou superior ao que hoje dispõem.

Em nossa longa experiência de luta descobrimos a importância do apoio dos aliados, por essa razão estiveram conosco nessa assembleia os parentes Xucuru de Ororubá de Pernambuco, Karapotó de Alagoas, Pitaguary do Ceará, Articulação dos Povos e organizações Indígenas do Nordeste, Minas Gerais e Espirito Santo, conselho Indigenista Missionário, Universidade federal de Alagoas, Faculdade Católica São Tomás de Aquino, Museu Téo Brandão, centro de Pesquisas e Documentação Maninha Xucuru-Kariri, Movimento de Libertação dos sem Terras, Fundação Nacional do Índio, e Presidente a Comissão dos Direito Humanos da assembleia legislativa de Alagoas Judson Cabral.

Saímos dessa assembleia ainda mais fortalecidos pelas experiências de vida partilhadas entre presentes e inspirados pela memória de nossos guerreiros e guerreiras que já não se encontram mais em nosso meio, a exemplo do grande pajé Miguel Celestino, Alfredo Celestino, Manoel Ricardo e Maninha Xucuru-Kariri.

Permaneceremos em luta até a conquista definitiva de nossa terra

Aldeia Fazenda Canto, 11 de outubro de 2011. Palmeira dos Índios-AL

 

Comissão permanente da Assembleia

 

Lucidayne, Aldeia Mata da Cafuna

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR
Olá, sou índia xucuru Kariri da cidade de Palmeira dos Índios do estado de Alagoas; sou estudante do curso de letras na Universidade Estadual de Alagoas-UNEAL e do curso de Pedagogia da Universidade Aberta do Brasil-UAB-UFAL.

2 COMENTÁRIOS

  1. fico muito feliz em saber que o meu povo está mobilizando-se por uma causa justa e acima de tudo coletiva, mesmo vivendo aqui no Rio estou sempre me informando sobre Palmeira e principalmente sobre meus parentes, na minha opinião nós xucuru kariri só conseguiremos vencer essa guerra se nos unir, todas aldeias desde a mata da cafurna até o boqueirão todas, força parentes nunca desistam.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here