A aldeia de Dourados é marcada pela violência, alcoolismo, drogas, suicídio. A Reserva Francisco Horta Barbosa é divida em duas comunidades, Bororó e Jaguapiru. Onde residem as etnias Guarani, Caiuá e Terena, são 15 mil indígenas para 3.500 hc de terras, aproximadamente 4.500 são jovens. Ate aí nada de novo não é? Já se deram conta de quantas notícias saem mensalmente sobre nossa comunidade? E todas são condenando e “massacrando” nossa gente! É fato que precisamos ficar atentos sobre o que acontece, as necessidades e pensar em como ajudar. Mas não podemos esquecer de que também somos pessoas, vivemos e que também temos algo de bom para mostrar e contribuir.

Meu nome é Kunha Rory Poty Rendy’í, sou Caiuá e faço parte da AJI-Ação dos Jovens Indígenas de Dourados, estamos trabalhando “duro” para uma aldeia melhor. Nossa ação funciona como uma pequena “escolinha”, onde jovens e crianças realizam oficinas de jornalismo, redação,fotografia, reciclagem, teatro, danças culturais, artesanatos e audiovisuais e a manutenção de uma horta comunitária. Já lançamos um livro de fotografia que nós mesmo construímos com o tema: NOSSOS OLHARES, que serviu de modelo para outros países, os jovens vão ser jurados num concurso mundial de fotógrafos indígenas. Temos videos de longa e curta metragem lançados em festivais nacionais e latino americanos. Lançamos jornais mensais para a comunidade em geral. A participação nos eventos indígenas é suma importância para nós.

Uma das coisas que priorizamos é a união entre as etnias para uma melhor convivência, valorizando a cultura na aldeia.
Como dizem os participantes; “temos um trabalho com passos de formiguinhas”, mas são esses pequenos passos que estão fazendo a diferença na nossa comunidade.
A Ação esta aberta para todos os que quiserem conhecer e participar.

www.ajindo.blogspot.com
www.fotolog.net/ajidourados
indianaraa@hotmail.com

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns a AJI-Ação dos Jovens Indígenas de Dourados e a todos que dela participam. Essas mudanças e oportunidades dadas aos jovens , abrem caminhos , mudam mentalidades , e criam um novo horizonte e uma nova visão a respeito da Reserva de Dourados. Divulgem sempre essas iniciativas , desta maneira , vocês estão valorizando a raça indígena e sua cultura e criando perspectivas futuras ,muito promissoras para a juventude indígena.

  2. AJI muito bom!
    INDIANARA: Obrigado pelas BOAS NOTICIAS!!!!
    Temos que mostrar ao MUNDO que tb ha boas noticias com os indigenas de MS!!!!
    Continue AJINDO!!!!

  3. Olá, Kunha Rory Poty Rendy’í
    Parabéns pela linda matéria e principalmente pela sua luta e coragem!

    Divulguei os últimos acontecimentos, tristes em sua aldeia, não para reforçar a imagem negativa q a sociedade tem de vcs mas sim para cobrar de algumas altoridades medidas sérias a respeito do que vem acontecendo.

    Sei que o suicídio entre jovens não acontece só em aldeias, o que agrava mais a questão.
    Aqui, no Rio de Janeiro, meninos de rua injetam LAMA nas veias o que tbm é uma forma de suicídio, lenta e terrível.

    Mas …os sistemas de governo desse Planeta não são suicidas e não divulgam fatos como estes para não mostrar sua falência. Daí a necessidade de se gritar ao mundo a urgência de se fazer algo!
    Não com sensacionalismo mas com fatos verídicos que acontecem ha anos e até hoje, ninguém fez nada!

    Concordo com vc, precisa haver UNIÃO e não só entre os povos indígenas mas tbm entre vcs e todos os movimentos de transformação social!

    Um grande abraço e mais uma vez, meus parabéns!

    lj.juliani@gmail.com

  4. Parabéns ao AJI por iniciativas tão significativas. É muito bom saber essas ótimas notícias de vocês.
    Abraços
    Maria

  5. Oi!
    Parabens por tudo principalmente pela coragem dos indios, continue sempre assim…tudo na vida e uma passagem, estamos todos aqui na terra para aprender cada vez mais, espero que o indio mostre para todos os povos os seus bons costumes, monstrando para os povos e todas as nacoes que o indio preserva o meio ambiente, minha ideia vcs poderiam ter na aldeia local para separar materiais reciclaveis, e plantando arvores e plantas nativas.
    gostaria de ajudar as crianca indigenas.

    bjs
    sandra

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here