O tempo corre como o vento do inicio de uma grande tempestade nesta contemporaneidade,que muitas vezes traz escuridão à claridade do sol ,que se esconde timidamente atrás das nuvens cinzas.

O que vejo, cada vez mais ,são os parentes aprendendo com a outra sociedade a negar sua identidade e muitas vezes a ficar contra seus próprios semelhantes.Dentro de nos ,temos duas sementes ,quando falamos,pensamos e sonhamos; espalhamos sementes pela vida.
Não plantem ,parentes ,sementes de discórdia ,porque um abaeté(‘’homem de valor’’),precisa de ecoeté(”coragem”),muita paz em seu coração e o sentimento de união.
Não da guerra,nem do ódio, nem magoa,embora também aquilo que nos faz mal e nos deixe ”doentes”,faça parte também do que somos.
Para se lutar por justiça e direitos principalmente humanos,se faz necessário ser antes de tudo também humano,’’ser humano verdadeiro’’ em contato realmente direto com suas raízes e sua essência.

Como vamos lutar por respeito, desrespeitando outros seres vivos ?

Viver no meio urbano para muitos de nos é difícil ,nem todos conseguem resistir a força da hegemonia.
Todos sabemos que o sistema de valores e crenças da outra sociedade, o ‘’espírito do capital’’(dinheiro),influencia grande parte do mundo fora e hoje dentro de nossas comunidades.
Nos enchendo muitas vezes de preconceitos que não nos levam a lugar nenhum.
Aonde o que se aprende na comunidade é esquecido,sufocado e o
respeito a outro ser vivo independente da cultura daquele semelhante,etnia ou espécie(animal ou vegetal)também é ”abalado”.

É preciso muita organização,união e equilibrio,para que isso não enfraqueça o compromisso que cada povo tem com sua cultura.

Pode-se assim dizer, que a maioria dos conflitos e obstáculos que encontramos, são a manifestação concreta do choque entre culturas,crenças etc,porem acima de tudo a força hegemônica que a outra sociedade exerce, atropela sentimentos, filosofias e tudo que não faz parte do “espírito capital’’, que a movimenta .

Dizer não a certas coisas que muitas vezes somos “violentados” a dizer sim,é acima de tudo posicionar-se hegemonicamente em compromisso com a cultura de nossos povos.

Aracy Tupinambá – Niterói/RJ
renata.machado.rj@gmail.com

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. A necessidade da união é fato explícito para os movimentos se concretizarem e aproveito o espaço oportuno para informar que nos dias 26 e 27 em demosntração desta união e a busca pelo reconhecimento das classes, estaremos realizando o I ENCONTRO DAS MULHERES PATAXÓ com o tema:Mulheres indígenas:Na luta pela igualdade de direitos!
    Se quiserem divulgar para fortalecimento de outros movimentos entrem em contato conosco. Porto Seguro e-mail: luziapataxo@hotmail.com ou soperelo@gmail.com.
    Forte abraço em todos os guerreiros das diversas nações indígenas!

  2. Muito bom seu texto RENATA!!!!

    Não só os indigenas precisam valorizar suas culturas e buscar a união mas todos!

    Valorizar nossa escencia, nossa missão, e respeitando a GRANDE FAMILIA PLANETARIA que SOMOS,,,,,em UNIAO,,,todos juntos refundarmos…reconstruirmos uma CULTURA DE PAZ….De Humanidade e Amor!

  3. Oi, Renata

    Concordo com o comentário da Soraia: A necessidade da união é fato explícito para os movimentos se concretizarem.”
    É necessário e urgente a união e aorganização de vcs indígenas mas tbm é necessário e urgente a união de vcs com os demais movimentos populares e sociais.
    A questão da “contaminação” pelos valores ocidentais tbm passa pela questão de carater.
    Se conheço minhas raízes e as valorizo de fato não me deixarei contaminar por uma cultura que esmaga o meu povo a não ser, que eu tenha objetivos pessoais a cima dos objetivos coletivos.
    Dou graças a Deus de encontrar jovens como vc que tem um objetivo firme na luta pela libertação de seu povo.
    Já disse isso a vc e não cansarei de repetir! Queria que ao menos 1/3 dos jovens tivesse a sua garra e a sua clareza.

    Um grande abraço!

  4. Ola Renata, muito interesante mesmo o seu texto. Nestas palavras aparece sabedoria de paz e cultura, respeito pela vida, todas as vidas animal e vegetal e isso è o que todas as culturas devem aprender, respeito pela vida!!! Infelismente eu foi criado na cultura ocidental (sòu Italiano)mas nem todos os ocidentaès aceitaram ou aceitam os principios da cultura ocidental basiada no desrespeito da Natureza toda!!! Muitos no mundo tem conciencia do que preciza de mudar o pensamento, precizamos pensar e agir colectivamente e nào individualmente, cada um com sua historia, cada um com sua raça precizamos pensar para o bem de todos os seres humanos, animal e plantas. Muito obrigado pela suas palavras, tambem se nào sòu Indio, suas palavras me deram paz no coraçào e esperança para um futuro melhor para Todos!! VIVA as Mulheres raizes da humanidade!!!

  5. Bom Dia a todos os povos indigenas brasileiros…
    Sou brasileiro, mas me considero nessa grande imensidão de terra como todos os outros habitantes que aqui chegaram – como um inquilino pois considero o indio como o legítimo dono desse grande patrimonio terra brasil, …apenas até o dia de hoje não entendo porque orgãos federais quando procurados por membros indigenas ainda não tomam decisões favoráveis a estes povos – se os indios foram os primeiros porque tirar esse direito ou fazer de conta que não conhece a historia e até seu antepassado / ancestrais…
    A todos os indigenas , sucesso pelas suas conquistas e vitorias e descupem-me por invadir seus chats…

    DEUS OS ABENÇOEM…
    Anderson Morais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here