Pankararu foi, reconhecido pela primeira vez, como povo indígena, pelos governantes do Brasil, no ano de 1846, pela princesa Isabel…

Após o reconhecimento, a princesa, escreveu uma carta, usando tinta de ouro, que ficou conhecida como, carta d’ouro.
A carta d’ouro, estava escrita reconhecendo Pankararu como povo indígena, e também a demarcação do terreiro tradicional, que era de Tacaratu-PE, que hoje é considerado município, ou Moxoto que ficou localizado as margens do Rio São Francisco-PE, ficando então com um território de 14.780 equitares de terra. Mas em 1935, chegou à Serra do cabloco na aldeia Serrinha, o senhor Carlos Estevão, e dizendo que era antropólogo, perguntou para uns índios que ele encontrou na serra, se nessas terras, realmente existiam índios.
Foi então que esse índio, levou Carlos, para o terreiro do poente, e ao chegar no terreiro Estevão perguntou para os índios, que estavam lá, onde esses praticavam seu rituais, foi então que um índio respondeu:” aqui mesmo”.
Mas para confirmar, se era verdade o que o índio dizia, Carlos Estevão foi fazer uma analise do solo, e constando a dureza do solo, confirmou que o índio dizia a verdade.
Suposto antropólogo, disse que precisava de mais provas, daí os índios presente, foram chamar um índio mais sábio que era” João Moreno”. E quando moreno chegou, já foi logo dizendo,” maru bixaba” saudações “, foi então que Estevão constatou que naquele território existia índios, e foi embora.
Dois anos depois em 1937, Carlos Estevão, voltou a Pankararu, que na época era Pankaru, fez mais alguns estudos, e foi embora novamente.
Ate que o SPI – Serviços de proteção de índios, chegaram a pankararu, mas só começou a atuar em 1940, realizando uma outra demarcação .
Daí o povo Pankararu perdeu 6.294 equitares, ficando então com 8.486, e o SPI justificou que a diminuição do território, facilitaria o trabalho de demarcação e homologação.
Essa diminuição, do território Pankararu, ficou ate 2006, pois através de muitas lutas, e reivindicações, o povo Pankararu teve todo seu território, ou seja, os 14.780 de volta, e o melhor homologado e demarcação.
Como foi escrito, na carta d’ouro, que a princesa Isabel deu aos Pankararu, mas infelizmente, o paradeiro dessa carta hoje é desconhecido.
Mas quem souber noticia da carta d’ouro, entra em contato com o povo Pankararu,
E-mail: Pankararu@indiosonline.org.br.
Historia contada, pelo capitão indígena “Antonio Moreno”.

Juliana ou Amanaiara
E-mail: juli_pank@yahoo.com.br

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Exelente materia!!!!!
    Onde sera que esta a carta..com certeza roubaram para melhor poder roubar as terras dos indios e para vender as gramas de ouro que a carata tinha!!!!!

    Amanaiara….a semente é sua!!!!!

  2. Querida Amanaiara,
    Adorei conhecer esta versão da história sobre o nosso território. Pareceu-me estar ouvindo um dos nossos clássicos contadores de história. Parabéns!
    Caso queiras conhecer a versão contada pelo Carlos Estevão quando visitou nossa aldeia, posso dar-lhe uma cópia.
    Abraços
    Maria Pankararu

  3. parabèns amiga sua matètia esta maravilhosa,esteja sempre
    assim desponilvel para todo.buscando e fazendo o melhor para
    o nosso povo indigena.
    adorei continui sempre assim.

  4. otima materia adorei,e sempre bom esta conhecendo cada vez mais as historia amtepassada do nosso povo pankararu. cotinui sempre assim ju.

  5. Se meu tio Antonio Moreno conta a história, é porque realmete sabe o que diz, pois meu avô Antonio Moreno, na minha infância também contava e meu pai até hoje ainda conta, para os netos.

  6. amei o texto presisava fazer um trabalo e aki eclareci todas as minhas duvidas amei!!e sempre bom esta conhecendo cada vez mais as historia antepassada do nosso povo pankararu.meii!! *_*

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here