Índio… Se aceitarmos esse substantivo Cabralino, preconceituoso, descriminante, vamos dar sustentabilidade as mentiras e aleivosias do invasor Pedro Álvares Cabral. O mesmo dizia que estava navegando rumo às Índias e que depois de uma tormenta acabou se desviando da rota e encontrou o Brasil aleatoriamente. O “inocente” navegador e invasor português pensava te chegado às Índias, por isso apelidou os aborígines que viviam aqui há milhares de anos de “Índios”.

Não dar para continuar pregando uma aleivosia pretensiosa dessa. Seria cômico se não fosse absurdo. É por isso que nós povo Pataxó do Prado não aceita ser adjetivado de “indígena”. Quando aceitamos ser nomeados de Índios, estamos traindo a nossa própria etnia. E ferindo a memória dos nossos ancestrais. E mais: quando aceitamos o Pronome “Índios” estamos esquecendo da nossa diversidade, culturalidade, Religiosidade, hábitos, tradições, mitos e costumes. Porque no Brasil de hoje não temos um só povo. Temos 290 povos de etnias diferentes falando mais de 190 línguas.

É por isso que o nome Índio nos causa uma falsa ilusão de que todos são iguais e hegemônicos, e o que pior – que aqui só existe um só povo e isso não é verdade -. Cada povo tem a sua diversidade e culturalidade. Não somos um povo uno, somos diferentes nos mais diversos aspectos culturais religiosos.

Temos formas de vidas bem diversificadas de um povo para o outro. É por isso que esse nome “Índio” tem que ser banido do nosso vocabulário. Cada povo tem seu nome. É por isso que nós não somos Índios, somos Pataxó do Prado.

“Índio”, esse substantivo vigora ate hoje e serve para desqualificar os movimentos que lutam pelo o reconhecimento de suas etnias. “Apartir de agora uma outra Historia esta sendo contada”

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Olá Edmundo!!!

    Primeiramente afirmo mais uma vez ter tido a honra de conhecê-lo, e melhor ainda, você esteve na minha casa… a casa que minha mãe com muito sacrifício pode me presentear e que hoje só Deus sabe o quanto me desdobro para manter viva sua memória e preservar esse patrimônio que ela nos deixou.

    Ao ler A Cultura do indíginismo e da mentiralogia, tomo consciência do quanto você também não se esforçou para atingir seus ideais, e essa matéria é reflexo desse seu empenho em desmistificar todo esse blá blá blá, no que diz respeito a verdadeira história do povo brasileiro desde a chegada por engano do Pedro Álvares Cabral.

    Essa sua reflexão deveria estar hoje nas Escolas de todo o Brasil, conscientizando essa juventude que está chegando e que com certeza está aprendendo ainda de forma destorcida a nossa verdadeira história.

    Fica aqui minha sugestão: Tente aprofundar cada vez mais nesse seu raciocínio… publique um livro, isso porque tenho certeza que você estará não só contribuindo para a história, a verdadeira história desse país, como também valorizando seu povo, sua cultura e tradições. Acredito também que você já esta dando sua parcela de contribuição para vivermos sim, num mundo mais justo, mais amigo e mis fraterno.

    Abraços a todos, lembrando que:

    ” Tudo se torna mais simples, diferente e luminoso quando encontramos o essencial, a essência, de um olhar de retina poética!

    Fernando Barbosa e Silva – Espaço Cultural Casa do Fernando – Belo Horizonte – MG

  2. Olá… sou mineira, mas minha família paterna descende do sul da Bahia… atualmente vivo em Portugal por motivos profissionais… Mas me tocou muito essa questão do “invasor português” como vcs bem o dizem… Não me canso de dizer aqui de como os índios foram exterminados pelos portugueses e pela igreja, e sinto que aos poucos a Europa se volta para num futuro próximo fazer um mea culpa, não só pela situação da colonização brasileira, mas tbm na Ásia, África e Índia…
    Isso me toca particularmente pq tenho ascendência indígena e negra, embora não tenhamos dados para comprovar, mas sabemos que a avó da minha avó era índia, e foi capturada durante uma caçada, pelo avô da minha avó, que era supostamente alemão… mas não temos documentos suficientes para comprovar… apenas as histórias que a minha avó, já falecida contava… Da união desse alemão com a índia capturada nasceu a mãe da minha avó, uma das herdeiras de fazendas de café no sul da Bahia, próximo das cidades de Lagedão e Jordânia… Eu gostaria de saber qual ou quais as nações indígenas que haviam próximas dessas cidades em meados e fim do séc 19, altura em que se deu a união, o casamento… A minha avó tinha toda a aparência indígena, no rosto, cabelos, corpo, tudo, embora alguns dos irmãos dela fossem loiros e de olhos azuis… até a nossa geração, e tenho sobrinhos tanto com traços muito brancos, como tbm minhas sobrinha e uma irmã tem feições muito características do povo indígena, e é de uma beleza inigualável… pra mim, isso tem um valor muito grande, e eu tenho muito orgulho de ter essas raízes… Gostaria muito de me informar melhor a respeito da cultura indígena, e em particular de tentar me informar melhor sobre qual a possível nação ou tribo da qual vem a nossa ascendência… e sobre a língua… Pois sinto muito a necessidade de adquirir conhecimentos da língua, da nossa verdadeira língua materna, pois na verdade o português é a nossa segunda língua… desde pequena ouvimos palavras como curumim, calundu, e outras que meu pai sempre usou, que sei que são palavras indígenas, mas tenho necessidade de saber mais… Tbm estou desenvolvendo um projeto junto a estrangeiros europeus, que são pessoas sensibilizadas com a questão ecológica, e poderiam vir a querer contribuir financeiramente com ongs que trabalhem com os povos indígenas, peo que tbm estou me informando a esse respeito para poder indicar organizações ou ongs de confiança e cujo trabalho seja de relevo e verdadeiramente a favor dos índios… Desculpe usar a palavra índios e indígenas, mas é o meu hábito… pra mim é diferente dos indianos, que tbm conheço muitos aqui… pode ser uma questão de linguística, um equívoco, mas pra mim tem muita diferença, em todo lado os estrangeiros sabem que índios, são todos os povos encontrados no continente americano, de todas as américas, inclusive os maias e os astecas, por exemplo… e as pessoas da Índia, são os indianos… é parecido, mas é diferente… Acho correto defender a nação, mas tbm acho que a união faz a força, e todas as nações devem se unir, para se fortalecerem… Me dá um retorno e onde eu posso buscar mais informações… Obrigada pela atenção… Beijinhos de baunilha…

  3. olha tenho sangue indigena com muito orgulho adimiro muito essa raça e me orgulho de ter alguns traços indigenas
    sou descendente de uma tribo da familia linguistica tupi essa tribo era localizada no norte do estado do Rj
    hoje em dia nao existe mais essa tribo
    sou descendente dessa tribo pela quarta geração
    minha trisavo era uma india bem pura mesmo
    bjus

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here