O dia 17 de janeiro de 2014 foi uma data marcada pela maravilhosa e merecida homenagem pela Secretaria Municipal de Educação da cidade de Pau Brasil, à professora Maria Muniz, ela que é uma grande guerreira que lutou e continua lutando para melhorias de sua comunidade indígena Pataxó Hãhãhãe em diversas áreas entre elas se destaca a educação. A homenagem foi simbolizada com um belíssimo troféu. Neste mesmo dia houve uma aula pública da qual a discussão era a implantação de uma Universidade Federal neste Município, projeto do Plano Orientador e Pedagógico, aprovado pelo Senado Federal no dia 08 de maio de 2013, através do Projeto de Lei 12/2013, incorporando o PL 2207/2011 que cria a UFSB – Universidade Federal Sul da Bahia. Isto é um grande avanço para o município, e mostra que a educação está crescendo.

20140127_113253

Homenagear Dona Maria, significa homenagear a própria história da educação nesta região, principalmente a educação da Comunidade Indígena Pataxó Hãhãhãe que hoje se tem muitas oportunidades para crescer, pois Maria Muniz ensinou muito mais do que a compreensão da leitura, também ensinou lutar e a conquistar valores para seu povo.

Sem dúvidas suas orientações foi o alicerce para a base de todos os que passaram pelas suas mãos. Seguem abaixo alguns relatos a seu respeito.

“Conheci D. MARIA exercendo a sua profissão de professora, inclusive muitos índios formados hoje já se passaram por ela, inclusive eu onde aprendi muito.” (ARATIMBÓ BAYNÃ).

“Apenas com 05 anos de idade quando comecei a frequentar a escola eu relembro do meu primeiro dia de aula relembro também da minha primeira professora que se chama Maria Muniz uma índia lutadora e corajosa que o admiro muito o seu trabalho. Para mim ela é uma grande guerreira no meio deste povo Pataxó Hãhãhãe (…)” “Maria Muniz sempre foi uma pessoa correta! Na educação ela sempre batalhou cumprindo com o seu papel de professora na Aldeia Pataxó Hãhãhãe (…)” “Temos a que na aldeia um perfeito patrimônio que é o colégio um patrimônio do nosso povo indígena.” (Edesio Pataxó).

“(…) Como sobrinha de Maria Muniz conhecida por alguns amigos como Maya. Vim para falar dessa pessoa que é muito batalhadora, o que é fácil de ver observando toda trajetória de sua vida e o quanto ela fez pela nossa comunidade. Sua vida como professora começou em uma localidade chamada Palmira, muito jovem começou a trabalhar sem ter sequer o 1grau completo, mas o vereador chamado Brasilino achou que seria importante ela entrar nesse emprego e que ela precisava terminar os estudos. Ela já era casada com Lió, disse a Brasilino que iria falar com o marido e Lió concordou que ela trabalhasse como professora em Palmira. Assim, foi professora em Palmira e estudou em uma cidade chamada Ibicaraí. Quando nós índios retomamos o caramuru, hoje cede do posto indígena, toda sua família se mudou e ela começou a trabalhar como auxiliar de ensino, foi convidada a fazer um curso para professora e terminando esse curso começou a ensinar como professora alfabetizando vários índios. Alguns desses índios que Maria Muniz ensinou hoje já são professores. Maria Muniz desde o inicio de sua vida na escola sempre correu atrás dos nossos direitos como estudantes, cobrava da prefeitura e políticos a merenda escolar, os livros, os cadernos etc.”.

Por isso minha homenagem a essa grande guerreira, acho que ninguém pode falar em educação no caramuru sem citar o nome de Maria, pois acho que na minha aldeia Maria Muniz é quem mais trabalhou pela educação.” (Olinda Muniz).

“Maria Muniz é uma pessoa digna, de respeito, caráter, eu a conheci pessoalmente e sei da sua história de vida sofrida, não é de hoje que vem lutando para bem do seu povo, na educação, na saúde, nas questões territoriais!” (PATRÍCIA PANKARARU).

“Dona Maria foi à primeira professora de nossa aldeia e índias, ela sempre se esforçou pelo uma boa educação para a comunidade.” (Fábio Titiá).

“Dª Maria desde o Magistério Indígena onde para mim foi uma ótima companheira onde eu tenho muita admiração e respeito.” (America Kiriri).

“Desde os meus primeiros passos na escola até a minha formação do ensino médio, eu realizei 100% na escola indígena da minha aldeia Caramuru. E minha educação não poderia ser melhor, pois aprendir e pude criar muitas bases através da educação ensinada com todo amor pela professora Maria Muniz. Aos poucos via que as escolas foram melhorando através de sua luta e dedicação, Maria Muniz trouxe a verdadeira essência do ser professor dentro da sala de aula e também fora dela, pois tíamos verdadeiras aulas sobre a nosso cultura indígenas e nunca ficávamos distantes dos nossos costumes culturais, mesmo que simultaneamente também aprendíamos a ler e a escrever os códigos lá de fora.” (Hemerson Dantas).

20140127_113142

À Dona Maria nossos sinceros agradecimentos por toda sua luta, dedicação, coragem, amor e vontade de sempre estar conosco ensinando e orientando, porque nunca deixou de ensinar algo como também nunca deixamos de aprender.

OBS: Os textos das falas desta matéria foram retirados de publicações e comentários anteriores no próprio portal Índios Online. Os trechos dos textos não foram alterados e os nomes dos autores foram preservados.

Por

Hemerson Pataxó

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. […] inspirada pelo canto e pela força de Maria Muniz, a Dona Mayá, indígena da etnia Pataxó Rã Rã Rãe, durante vivências no Assentamento Terra […]

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here