Dê a sua opinião…
Valorizando os saberes da medicina tradicional indígena
por Ana Paz (Anita) – Thursday, 30 November 2006, 18:35
No final de 1999, o governo brasileiro criou os Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI) para oferecer aos indígenas atendimento médico e de enfermagem, vacinação, saúde bucal, prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, educação em saúde e encaminhamento aos hospitais mais próximos. Alguns Distritos tem se esforçado para cumprir seu papel, mas outros não tem dado a devida atenção à saúde indígena, pela qual estão legalmente responsáveis.
Mas a aplicação da política nacional de atenção à saúde indígena e as recomendações da II e III Conferência Nacional Indígena só vai acontecer realmente quando começarmos a exigir das instituições que atuam na saúde em áreas indígenas que incorporem à saúde trazida pelos não índios, a medicina tradicional indígena
Assim, conhecer, respeitar e valorizar as medicinas tradicionais indígenas é necessário e é também um direito de cada povo, o de ter sua cultura e seus saberes preservados.
Dê a sua opinião…
tais como as práticas de cuidado com a gestação, o parto e o pós-parto; os procedimentos terapêuticos dos povos indígenas como o uso das plantas medicinais; e valorizem o papel das pessoas dedicados ao cuidado com a saúde das comunidades indígenas ( pajés, parteiras, rezadeiras, benzedeiras, raizeiros). São saberes diferentes mas nem por isso são menos importantes.

Re: Valorizando os saberes da medicina tradicional indígena
por maria Huebilú – Saturday, 2 December 2006, 14:49

Estoy de acuerdo en que hay que respetar los saberes de nuestros pueblos originarios.
Recuerdo una costumbre charrúa que era chupar el ombligo. A veces veo a las madres hacerlo como gracia o diversión a sus niños, sin saber que nuestros mayores lo usaban como medicina tradicional. Decìan que de esa manera le sacaban todos los males.
Las madres que curan o curaban el ojeo a sus hijos pasandoles la lengua en la frente, (si estaba salada) y diciendoles unas palabras.
Las comadronas o parteras que daban un cafecito caliente antes del parto o si eran muy pobres un tecito de hoja de naranjo caliente. Decian que ayudaba al parto.
También luego del parte, prepararles un buen caldo de gallina.
Bueno, es lo que me nacio en estos momentos. Un abrazo, maria.

Valorizando os saberes da medicina tradicional indígena
por maria Huebilú – Sunday, 3 December 2006, 18:38

Hermanos, ha habido un largo camino para comenzar a re-cuperar la verdadera historia charrúa, para comenzar a entender nuestros saberes, celosamente protegidos por nuestros mayores.
La cultura de mi pueblo es una gran cultura. De elevada espiritualidad. Somos descendientes de un pueblo que sufrio una masacre.
Conocían de hierbas medicinales y plantas nutritivas, en un marco màgico- religioso, cuyas expliciones fueron celosamente guardadas, ….
Construìan farmacias al paso, y conocian donde estarian agrupadas las plantas comestibles en los montes que recorrerìan. Devolvìan semillas a la madre tierra.
Practicaban una agricultura invisible al ojo del conquistador, cuidando a la madre tierra, protegiendola, sin herirla, sin desgastarle, sin envenenarla.
Se guiaban en la noche por la cruz del Sur o “pata de Berà”, (avestruz, en lengua madre charrúa), la gran Chacana, la señal que indicaba el largo camino hacia nuestro futuro, hacia el Pachacutec ….. Huebilù …..

Ceibo.
por maria Huebilú – Sunday, 3 December 2006, 19:06

Hablemos de los cogollos del palo de ceibo. En verano son frescos. Con solo mascar esos cogollos nuestros mayores pasaban mucho tiempo sin ingerir otro alimento. huebilu

Re: Valorizando os saberes da medicina tradicional indígena
por Lian Pankararu – Monday, 18 December 2006, 14:24

No tempo de minha mãe todos seus filhos nasceram de partos normais e todos realiazados em sua casa, somos 09 irmãos e minha mãe nunca precisou ir até o hospital para nenhuma ocorrencia o casionada por seus partos.
Era tradada com ervas medicinais naturais,até hoje graças a tupã vive uma vida saudavél ,sem dúvida as ervas medicinas são muito emportantes para ocasiões especiais, basta ter o conhecimento e a sabedoria de cada erva utilizada!
lian!!!!!!!

Re: Valorizando os saberes da medicina tradicional indígena
por alexandre lobo dos santos – Thursday, 21 December 2006, 16:27

SOMOS POVOS RICOS DE SABEDORIA SEM DUVIDA NENHUMA SOMOS PREVILÉGIADOS POR DEUS!NOSSO PAJÉ TEM UM DOM QUE É ENVEJADO OR TDS ,SUA FORMA DE TRATAMENTO NOS DAR POSSIBILIDADES DE Ñ TER QUE SE SUBMETER A TRATAMENTOS DOS Ñ BRANCOS.SOMOS FELIZES EM TER NOSSOS CURANDEIRO CURANDEIRAS QUE TEM UMA CIENCIA FABULOZA SÃO PESSOAS RICAS EM SABEDORIA,FELIZES SÃO AS MULHERES QUE SÃO ACOMPANHADAS POR PARTEIRAS INDIAS QUE COM SEUS CONHECIMENTOS CUINDAM HÁ MUITO TEMPO DE NOSSAS GESTANTES SEM PRECISAREM E NECESSETITAREM DO TOTAL ACOMPANHAMENTO DAS ENFERMEIRAS.
GRAÇAS A TUPÃ SOMOS RICOS EM SABEDORIA, NOSSAS ERVAS CONCERTEZA SÃO ABENÇOADAS POR DEUS!TALVEZ HOJE Ñ TENHAMOS MUITO USO PORÉM ANTIGAMENTE ERAMOS MAS SAUDAVEIS DO QUE O DIA ATUAL. É POR ISSO E OUTRAS COISA MAS QUE NOSSA SAÚDE FOI MUITO MELHOR UM DIA, HOJE Ñ É MAS!
ALEX00017@HOTMAIL.COM

guazatumba.
por maria Huebilú – Thursday, 21 December 2006, 17:17

La guazatumba es un pequeño arbusto. Se utiliza para la mordedura de viboras venenosas.
Se hace un preparado que consiste en 5 hojas de guazatumba en un litro de alcohol blanco. En caso de mordedura se aplica sobre la zona mordida y al mismo tiempo se da de beber a la persona.
También se utiliza para las picaduras de insectos.
Palán- palán. Crece fundamentalmente sobre edificios viejos o lugares baldios. Sus hojas frescas se machacan y se aplican sobre heridas. Es un excelente cicatrizante y desinfectante, y a pesar de ello lo usan solamente los “curanderos o curanderas”, no se valoriza su potencial.
Huebilú.

Comentários via Facebook
COMPARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Temos que valorazar a medicina tradicional indigena, pois nem todos sabem a importância que as plantas têm para nós indigenas, porém nós que somos os verdadeiros donos da terra sabemos o quanto elas nos são utéis.

  2. Estoy trabajando en quiropraxia y masajes terapeuticos y necesitaria saber más sobre la planta. gracias desde ya

  3. Colaboraçao do terpeuta naturalista Victor Souza a todas as comunidades indigenas:

    ERVAS: “Persea Gratíssima”: Rico em vitaminas e proteínas, é diurético, combate a gota, o ácido úrico e elimina cálculos renais e biliares. É preferível usar as folhas secas, pois as verdes são estimulantes e aumentam as palpitações cardíacas. A massa do abacate é fortificante dos cabelos e tem alto poder cicatrizante.

    ERVAS: “Chododendron Platyphyllum”: A raiz e o tronco são as partes usadas. Muito útil nas dificuldades da menstruação atrasada, cólicas e nas febres intermitentes.

    MIX DE ERVAS: “Artemisia absinthum”: Um ótimo estimulande, em pequenas doses. Ameniza a anemia e descarrega a bílis. Uma boa receita é fazer um chá com hortelã e canela. Evitar na gravidez e na lactação, é emenagogo.

    ERVAS: “Plumeria lancifoliata”: Calmante das histerias, ameniza cólicas, menstruações dificeis e dolorosas e febres intermitentes. Substitui o quinino.

    ERVAS: “Sisymbrium nasturtium”: Com enxofre em grande quantidade é um ótimo anti-caspa, diminui e queda de cabelos, é também um tônico estimulante, cicatrizante, depurativo, anti-inflamatório, descongestionante, digestivo, diurético e antiescurbútico.

    ERVAS: “Cynara sculymus” Ótimo diurético e eliminador do ácido úrico, reumatismo, atua nos distúrbios hepáticos e digestivos, aumenta a secreção biliar e faz baixar a pressão arterial. Evitar na lactação.

    ERVAS: “Glycyrhiza glabra” De sabor adoçicado, é emoliente empregado na bronquite e tosses crônicas.

    ERVAS: “Rosmarinus officinalis” Muito útil da debilidade cardíaca, é excitante do coração e do estômago. Combate a flatulência, males do fígado, rins e intestinos. O chá é bom para combater a tosse, asma, gripe. Em banhos alivia o reumatismo e cura feridas. Dose normal: De 5 a 10 gr. por litro.

    ERVAS: “Medicago sativa” Suplemento alimentar, rica em vitamínas (K), minerais, contém potássio, magnésio, fósforo e cálcio. Age nas anemias e hemorragias. Revigorante nos casos de fadiga e alimentação insuficiente.

    ERVAS: “Occimum basilicum” Tem poder antisséptico, cura feridas e hematomas. A INFUSÃO forte pode ser usada em gargarejos e bochechos contra dor de garganta, mau hálito e aftas. Serve ainda contra queda de cabelos (deixe agir por cinco minutos e enxágue).

    ERVAS: “Lavandula officinalis” Poderoso antisséptico, cicatrizante, estimula a circulação periférica, anti-depressiva, sedativa e analgésica. É ainda desodorante, purificante e ótimo repelente de insetos.

    ERVAS: “Gossypium herbaceum” A parte usada é a casca da raiz recente e tem propriedade diurética e emenagoga. Ameniza cólicas e dores do parto. Deve ser evitada na gravidez.

    ERVAS: “Alium sativum” Poderoso depurativo do sangue, é expectorante, antiséptico pulmonar, antinflamatório, antibacteriano, tônico, vermífugo, hipoglicemiante, antiplaquetártio, antioxidante, diminui o colesterol e a viscosi-dade sanguínea. É altamente indicado em diabetes, hipertensão, bronquites, asma e gripes.

    Consulte sobre ervas medicinais, temos o prazer de ensinar, Victor Souza terapeuta naturalista http://www.terapeutanaturalista.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here